Preview GP Da Áustria De Fórmula 1 De 2017

Conheça a história da pista e relembre o Grande Prêmio do ano passado

Preview GP Da Áustria De Fórmula 1 De 2017
Fonte @F1

O primeiro GP da Áustria ocorreu em 1964 no circuito de Zeltweg Airfield, porém a pista foi considerada muito perigosa pela FIA e foi imediatamente retirada do calendário até que uma nova pista fosse construída. De 1970 à 1987 uma nova pista entrou para a grade de competições da Fórmula 1, pelo circuito de Österreichring, porém em 1987 a pista ficou fora dos padrões exigidos pela FIA e novamente a corrida deixou de ser executada. Em 1995 e 1996 a pista passou por vários processos de adequação e que grande parte dela teve que ser modernizada para só então em 1997 um novo Grande Prêmio fosse disputado, a pista também foi rebatizada e passou a se chamar A1-Ring. Foi também palco de uma grande polêmica e às vezes esse incidente acaba voltando, em 2002 Rubens Barrichello acabou recendo uma ordem por rádio da Ferrari para realizar uma troca de posição com Michael Schumacher, Barrichello acabou acatando e na ultima volta poucos metros da linha de chegada o alemão recebeu a posição do brasileiro. A atitude acabou causando uma má repercussão e a FIA acabou banindo esse tipo de pratica, mas as equipes desenvolveram outros modos para continuar fazendo essa ”sutileza” na pista. Depois do incidente 2003 foi a ultima corrida e novamente mais um longo período de tempo passou até que a corrida voltasse a acontecer.

Em 2004, um ano após da saída do calendário, iniciou-se um projeto de reforma de todas as dependências do circuito, no entanto os proprietários acabaram mudando de ideia e acabaram destruindo toda a área de boxes, boa parte das arquibancadas e parte da pista e acabaram abandonando a reconstrução do mesmo. Somente em 2011 a Red Bull resolveu retomar o projeto de reconstrução da pista e em 2013 em um acordo com Bernie Ecclestone foi firmado para a volta da corrida no calendário e em dezembro do mesmo ano era confirmada a volta do GP da Áustria.

Os pneus que vão ser usados para essa prova, novamente são a gama mais macia da Pirelli, Macio (faixa amarela), supermacio (faixa vermelha) e ultramacio (faixa roxa), o conjunto oferece aquecimento ideal, performance e durabilidade para se encaixar perfeitamente com as mudanças presentes no circuito, que conta com um primeiro setor veloz e fluido e um ultimo setor mais técnico, a pista ainda conta com algumas elevações e algumas frenagens mais complicadas. Os desgastes dos freios e combustível também são elevados nessa corrida.

| Corrida de 2016

O campeonato de 2016 acabou renascendo naquela corrida, quando Rosberg e Lewis Hamilton disputavam na pista. Nico tinha preferência na curva que era para a direita, mas acabou espalhando com o carro e os dois pilotos da Mercedes se tocaram. Rosberg levou a pior, ficando com a asa dianteira quebrada e Lewis não exitou na hora de passar o companheiro de equipe e deixar ele para trás. A poucos metros para o final da corrida o alemão ainda foi ultrapassado por Max Verstappen e Kimi Raikkonen e ficou fora do pódio. Com isso a diferença entre eles que eram de 26 pontos para Nico, despencou para 11.

O GP da Áustria é um dos mais instáveis em relação ao clima, porém a chuva que era tão aguardada para a corrida não veio. Esteve presente na classificação do sábado e ajudou a compor um grid bem embaralhado, com uma largada onde Nico Hülkenberg em segundo e Jenson Button em terceiro. Para a felicidade do nosso colunista Rubens, Button conseguiu ganhar a segunda posição na largada e fazer os torcedores relembrarem o tempo em que a equipe ainda era competitiva. O inglês conseguiu se sustentar na posição até a sétima volta, quando Raikkonen acabou ultrapassando Button. Rosberg acabou aproveitando o fluxo e duas voltas depois, pulava para terceiro.

Nico Rosberg para se aproximar de Hamilton, acabou realizando a sua para antecipada, na volta 10 o piloto parava para colocar os compostos macios. Ao retornar estava na nona posição, mas à medida que a turma da frente ia parando o alemão conquistava as posições. Na volta 16 já era quarto, enquanto Hamilton ainda estava na ponta, talvez aguardando a chuva para economizar um pit-stop, porém ela não veio.

O pneu de Hamilton começou a ficar desgastado e o inglês perdeu ritmo, enquanto o alemão voava na pista. Lewis voltar na frente seria possível se tudo tivesse saindo nos conformes, porém não foi assim, o pneu traseiro esquerdo enroscou, demorando mais do que o esperado. Quando retornava para a pista viu Rosberg passar por ele e ter 5 segundos de vantagem.

A liderança pertencia a Raikkonen, porém não durou muito tempo, pois o finlandês parou na volta seguinte. E Vettel passou a liderar a prova, mas novamente por pouco tempo, pois o seu pneu traseiro direito acabou estourando no final da reta e finalmente Rosberg assumia a ponta. O safety car acabava entrando por causa de Vettel e distância entre o alemão e o inglês acabava.

Os carros da Mercedes se distanciaram do pelotão e a ”decisão” estava na diferença de volta que cada pneu deles tinha. Na volta 54 Hamilton fez a sua segunda parada, colocando pneus macios. Rosberg na volta seguinte acabou colocando pneus supermacios e o inglês não gostou da ideia, mas era legal ver uma mesma equipe, jogando com estratégias diferentes entre os seus pilotos e deixando os dois brigarem na pista.

Faltavam apenas 16 voltas para o final e Verstappen passava a assumir a liderança da prova, porém o jovem piloto da Red Bull não teria como segurar as flechas de prata com os seus pneus que já tinham mais de 40 voltas e na volta 63 ambos passaram o holandês.

Hamilton acabou levando vantagem na escolha que fizeram dos pneus macios para ele, já que os compostos do alemão não duraram muito tempo. Rosberg foi ultrapassado pelo companheiro de equipe na ultima volta, e o alemão acabou perdendo a posição ainda para o holandês da Red Bull Racing e o finlandês da Ferrari.

Fonte: @F1
Fonte: @F1
Fonte: @F1
Fonte: @F1

Fonte: @F1naGlobo
Fonte: @F1naGlobo

Post originalmente publicado em Boletim do PaddockPreview GP da Áustria de Fórmula 1 de 2017 por Débora Santos Almeida