Honda mantem motor de 2017 como backup para 2018

Fabricante vai fornecer propulsores para a equipe Toro Rosso. Medo de novas quebras, pode fazer montadora utilizar motores desde ano

Honda mantem motor de 2017 como backup para 2018
McLaren sofreu com constantes quebras de motor em 2017. (Foto: Getty Imagens)

A Honda não vai abandonar o propulsor utilizado na temporada 2017 da Fórmula 1. Responsável pelo fraco desempenho da McLaren, que sofreu com problemas no sistema de óleo, o fabricante japonês mantém os motores como backup para o próximo ano.  Fornecento motores para a Toro Rosso, a opção de manter os antigos é uma questões de confiabilidade. "É uma grande ajuda ficar com o mesmo conceito", disse o líder do projeto F1 da Honda, Yusuke Hasegawa, à Motorsport.com. "Precisamos de mais desempenho e confiabilidade. É muito melhor nesta fase da temporada.”

"Nós não decidimos a especificação completa do próximo ano, mas pelo menos temos um plano de backup, que é o motor atual. Então eu tenho certeza que podemos começar a temporada bem.”

"Nós modificamos o conceito do motor do ano passado para este ano. Não há dúvida de que era uma atualização necessária para nós. Estamos pensando que era a direção certa."

"O maior problema é que não completamos o motor a tempo para testes de inverno [2017 pré-temporada]. Embora tenhamos tentado uma coisa boa, precisamos de mais tempo para concluí-lo".

Hasegawa substituiu Yasuaki Asaki e Toyoharu Tanabe na gerência de motores da Honda. ele garante que o novo propulsor vai estar em pé de igualdade com os adversários. "Nós escolhemos quase o mesmo conceito que outros concorrentes, então, deste ponto de vista, não há razão para que não possamos alcançar os outros", disse ele.

Buscando uma maior confiabilidade, a Honda buscou consultoria externa para aperfeiçoar seus motores. O dirigente não revela qual empresa foi consultada.

"Começamos muitas colaborações com outros parceiros, a identidade de que normalmente não divulgamos", disse Hasegawa. "Podemos ver os resultados desse projeto.

"Continuaremos essas colaborações. Não há motivos para parar. Nós até temos que aprimorar isso. Eu entendo que a maioria das pessoas pensa que a Honda tentou fazer tudo sozinha. Mas não está certo. Estamos felizes em buscar recursos externos e nós fazemos.”

"Claro que existem algumas limitações e obstáculos, como a barreira do idioma, a barreira geográfica, por isso não é um trabalho fácil.”

"Precisamos maximizar o nosso desempenho doméstico. Não temos objeção para obter recursos externos. Naturalmente, está aumentando". Finalizou.