Legado Olímpico: a sustentabilidade ambiental vira rotina após Sydney 2000

Reveja fatores importantes que devem ou não ser seguidos pelo COB em relação aos jogos realizados na Austrália há mais de dez anos atrás

Legado Olímpico: a sustentabilidade ambiental vira rotina após Sydney 2000
Legado Olímpico: a sustentabilidade ambiental vira rotina após Sydney 2000

Dentre os maiores questionamentos referentes às Olímpiadas do Rio de Janeiro está o algo chamado "legado". Muitos brasileiros estão preocupados com o que os jogos irão deixar de positivo e negativo, não apenas para a "Cidade Maravilhosa", mas sim, para toda a nação brasileira. E é por este motivo que estamos aqui para mostrar como estão as sedes de olímpiadas anteriores anos depois do evento esportivo mais importante do mundo. 

Os jogos de Sydney de 2000 pode ser considerado um bom exemplo a ser seguidos pelos organizadores brasileiros. O porquê você acompanha nos itens citados abaixo.

O que melhorou após os jogos?

Vamos começar falando sobre o Parque Olímpico de Sydney. Um dos principais, senão principal local dos jogos realizados em 2000 vive um crescimento residencial constante nesses últimos 16 anos, localizado no subúrbio da cidade. A Vila Olímpica se tornou uma parte fundamental quando tratamos de sustentabilidade ambiental. Um dado do governo local revela que um terço das casas construídas pós-olímpiadas foram moduladas por painéis solares e reaproveitamento hídrico.

A mobilidade urbana também obteve uma evolução "gritante" após os jogos. O transporte público hoje é exemplo para diversas cidades com um alto número de habitantes. André Costa, cônsul brasileiro em Sydney serve como uma ponte entre a Austrália e o Rio de Janeiro desde o início do ano, passando informações que possam garantir um legado pelo menos semelhante ao australiano.

"O principal motivo é que os estádios preexistentes em Sydney, e que foram reformados na última década, concorrem com os espaços do Parque Olímpico. Isso influencia mais do que a distância do parque ao centro da cidade. E tem dificultado a parceria do Estado com o setor privado para viabilizar os dois estádios das Olimpíadas. Apesar de um deles, o ANZ Stadium, receber mais de um milhão de espectadores anuais, é corrente o debate aqui sobre uma eventual subutilização das instalações. Mas a concentração dos equipamentos ali favoreceu uma região menos privilegiada da cidade, foi importante", concluiu.

A Baía de Homebush, símbolo mundial de alta poluição tóxica nos anos 90 também teve uma mudança radical pós-olímpiadas. Mesmo com a promessa que terminaria antes dos jogos, a despoluição deixou o local com águas 100% limpas oito anos depois do evento. Antes alvo de protestos do Greenpeace, a baía se tornou símbolo de sustentabilidade.

quO famoso navio naufragado em Homebush hoje é ponto turístico graças a despoluição (Foto: Brent Pearson/ Flickr)

O que piorou após os jogos?

Se por um olhar sustentável e cultural os jogos trouxeram benefícios para a Austrália, financeiramente a história foi bem diferente. A Universidade de Melbourne divulgou alguns anos depois que os cofres australianos obtiveram um prejuízo líquido superior à 2 bilhões de dólares. A inflação entre tanto, obteve um aumento superior à 4% durante a competição. Quatro anos depois, caiu mais de 3%. Se considerarmos as últimas quatro olimpíadas apenas a de Sydney e a de Seul conseguiram se recuperar deste fator.

O turismo, uma das principais fontes de renda do país também teve uma queda extremamente significativa. Durante o evento, Sydney recebeu mais de 1,5 milhão de turistas. Contudo, os anos posteriores ao evento deixaram altos prejuízos quando tratamos deste fator. Diversos hotéis construídos para o evento acabaram sendo fechados pouco tempo depois da competição. O ramo imobiliário também foi inflacionado. Pesquisas nacionais indicam que os imóveis tiveram um aumento de 50% em seus valores.

O que mudou quanto a cultura e o investimento esportivo no país?

A exposição do país com os parques e estádios completamente tecnológicos e inovadores trouxe diversos eventos importantes para a Austrália após os jogos, algo raro antes do evento em Sydney. O maior Estádio Olímpico do mundo sediou mais de 45 eventos de peso internacional quase uma década após as Olimpíadas. Dentre eles estão o Mundial de Rugby de 2008 e o World Master Game no ano seguinte.

Além do investimento em sediar diversos eventos internacionais, a Austrália também reacendeu os amantes do esporte com a bela campanha realizada nos jogos. Como país sede, a Austrália conquistou sua segunda melhor colocação na história das Olimpíadas, ficando na quarta posição. Nos últimos seis jogos pré-Sydney, os australianos haviam ficado cinco vezes fora das dez primeiras colocações. Contudo, o investimento a longo prazo em relação aos atletas mais jovens não foi como imaginado. O esporte que acabou recebendo mais verba do governo pós-olimpíadas acabou sendo o surfe, justamente um esporte não olímpico. O Ex-Minsitro dos Esportes, Mark Abib anunciou em 2010 o investimento superior à AUS$ 11 milhões ao ano para esportes australianos. AUS $ 1 Milhão acabou sendo apenas para o surfe de alto desempenho no país.

Como estão as instalações e o controle de gastos 16 anos depois?

O Parque Olímpico de Sydney e o Estádio Olímpico seguem recebendo diversos eventos internacionais e importantes, como já foi citado. 16 anos após os jogos ambos permancem recebendo manutenções frequentes. Além dos eventos esportivos, o local que obtinha capacidade para mais de 100 mil pessoas também recebe mensalmente eventos culturais e musicais como o Sydney Festival e o Sydney Royal Easter Show, agora reduzido para 80 mil espectadores. O acesso ao estádio também permanece em alto nível. Metrô, monotrilho e um ferryboat são os meios possíveis para chegar ao Parque Olímpico.

O Estádio de Beisebol teve como principal função aumentar o interesse australiano no esporte, porém, hoje em dia é mais comum ver feiras de gado no local. O Centro Aquático segue recebendo etapas das competições mundiais e nacionais de natação, e é considerado um dos melhores do mundo, com capacidade para quase 20 mil torcedores. Desta maneira, podemos concluir que não houveram "elefantes brancos" australianos, uma das principais preocupações brasileiras, já que outras sedes olímpicas sofrem até hoje com instalações abandonadas e sem fins desportivos.

No geral, podemos dizer que os Jogos de Sydney pode ser considerado um dos mais bem sucedidos. Com iniciativas ambientais e com um amplo desenvolvimento urbano, priorizando o transporte público, o prejuízo financeiro foi o menor quando comparado aos últimos países sedes. 

(Foto: Nick Wilson/ Getty Images)