Tocha Olímpica: o símbolo da paz e união entre os povos no esporte

A tradição de manter o fogo aceso por toda a celebração nos Jogos Olímpicos era para honrar sacrifícios ao deus grego Zeus

Tocha Olímpica: o símbolo da paz e união entre os povos no esporte
Tocha Olímpica: o símbolo da paz e união entre os povos no esporte

O maior espetáculo esportivo do planeta está prestes a acontecer no Brasil: os Jogos Olímpicos. No dia 3 de maio, o país recebeu a Chama Olímpica, em Brasília, para iniciar o revezamento de 95 dias em 327 cidades das cinco regiões brasileiras até a chegada ao Maracanã, no dia 5 de agosto. O símbolo será conduzido por cerca de 12 mil pessoas, dentre elas, importantes atletas, que terão a incrível experiência de levantar, pela primeira vez, a tocha que vai acender a Pira Olímpica na abertura dos Jogos, no Rio de Janeiro. Mas, você conhece a história e o significado da Tocha?

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Na Grécia Antiga, uma lenda diz que o fogo era sagrado após ter sido entregue aos mortais por Prometeus, que roubou do deus grego Zeus. A tradição de manter o fogo aceso por toda a celebração nos Jogos Olímpicos era para honrar sacrifícios a Zeus. Para celebrar a passagem do fogo, os gregos realizavam corridas de revezamento. O último atleta que ultrapassasse a linha de chegada, se encontrava com um sacerdote, que levava a tocha para acender o altar do sacrifício, nos templos de Zeus e sua esposa Hera, e eram mantidos acesos permanentemente na cidade de Olímpia. 

A segunda tradição simbolizada pelo revezamento da tocha refere-se aos mensageiros que viajavam pelas cidades anunciando a data dos Jogos. Além de convidar os cidadãos a irem até Olímpia, os mensageiros proclamavam a “trégua sagrada”: um mês antes e enquanto durassem as competições esportivas, todas as guerras em curso deveriam cessar para que atletas e espectadores pudessem participar dos Jogos com segurança.

(Foto: Divulgação)
Cerimônia da Chama Olímpica, na Grécia, em maio (Foto: Divulgação)

Na cerimônia da Chama Olímpica, que é sempre realizada meses antes de começar a Olimpíada, onze mulheres representam os sacerdotes de Héstia. Elas fazem uma dança e acendem a tocha pelos raios do sol concentrados a um espelho. Em seguida, o fogo olímpico é conduzido por um longo percurso até chegar ao país anfitrião dos Jogos.

A tocha é parecida com um esqueiro: feita com combustível líquido e funciona através de um sistema que o transforma em gás para que ocorra a combustão e a chama fique acesa. Ela é preservada em um tipo de lampião que possui quase as mesmas propriedades da tocha, mas com combustível suficiente para queimar por 15 horas e um cartucho reserva que se ativa quando a chama está prestes a se apagar.

Modelos de todas as tochas (Foto: Reprodução/ O Globo)
Modelos de todas as tochas (Foto: Reprodução/ O Globo)

Curiosidades

1) Amsterdã 1928 foi a primeira edição dos Jogos na Era Moderna a ter uma pira Olímpica acesa em um dos seus estádios.

2) O revezamento da tocha, com a participação de diversas pessoas, surgiu em Berlim, em 1936.

3) A primeira viagem de avião da chama olímpica ocorreu em 1952, nos Jogos de Helsinque.

4) A primeira brasileira a participar do revezamento da tocha olímpica foi carioca Lara Leite de Castro, de 19 anos, estudante de Educação Física, em 1992.

5) A tocha navegou no espaço e passou debaixo d’água em 2000, nos Jogos de Sydney, na Austrália.

6) O nome do atleta ou cidadão que acenderá a pira é mantido em segredo. Só é anunciado segundos antes de ele entrar no estádio.

7) Atualmente, após o acendimento em Olímpia, a tocha percorre cidades da Grécia por alguns dias até chegar à capital Atenas, de onde ela é transportada até o país-sede dos Jogos Olímpicos de Inverno ou de Verão.

Fontes: Rio 2016, O Curioso