Rio 2016: conheça Daniele Hypolito, ginasta que participa de sua quinta Olimpíada aos 31 anos

A ginasta participará dos Jogos Olímpicos Rio 2016, com a intenção de estender sua carreira até 2018

Rio 2016: conheça Daniele Hypolito, ginasta que participa de sua quinta Olimpíada aos 31 anos
Daniele em sua participação nos Jogos Olímpicos de Londres 2012 (Foto: AFP/Getty Images)

Mais uma edição dos Jogos Olímpicos se aproxima, desta vez, sediado no Brasil, a competição tem início no dia (5) de agosto, onde ocorrerá a cerimônia de abertura. Entre novatos e veteranos, a expectativa pelo sucesso dos jogos é muito grande, e para Daniele Hypolito, a sensação de disputar a competição aos 31, é a mesma de anos atrás. 

Carreira

Vinda de uma família simples, a ginasta deu seus primeiros passos no esporte pelo Sesi de Santo André-SP. Em 1994, contratada pelo Flamengo de forma inédita no Brasil, recebeu toda a estrutura necessária, não só para si, como também para seus dois irmãos. 

No ano de 1996, conquistou o primeiro lugar no Campeonato Nacional Brasileiro na categoria individual geral. Posteriormente, viria a conquistar três resultados expressivos: o Campeonato Brasileiro no concurso geral, sendo a primeira por equipe nas barras, e no solo pelo Campeonato Pan-americano. No Trophee Massila, foi a oitava colocada. 

O ano seguinte marcaria a vida da ginasta, um trágico acidente de ônibus que trazia a equipe do Flamengo, resultou em sete vítimas, deixando a técnica Georgette Vidor paraplégica. Recuperada, Daniele marcou presença nos Jogos de Sidney, conquistando as melhores colocações brasileiras em Olimpíadas até então. Em 2001, pelo Campeonato Mundial de Gante, trouxe para o Brasil, a primeira medalha de ginástica artística do país em mundiais; prata no solo, superando a romena Andrea Raducan

Mudou-se para Curitiba em 2003, onde encontrava-se a seleção brasileira, que tinha sob o comando o técnico ucraniano Oleg Ostapenko. Com dificuldades para se adaptar, retornou ao Rio de Janeiro, correndo o risco de ser cortada das duas principais competições daquele ano: Pan-americano de Santo Domingo e o Mundial de Anaheim. Pela seleção, conquistou duas medalhas de prata na trave, e nas paralelas assimétricas; duas de bronze no individual geral e por equipes, somando quatro medalhas no Pan. 

Em 2004, retornou para Curitiba para treinar com Ostapenko e a seleção, participando da equipe brasileira que disputou os Jogos Olímpicos de Atenas, novamente nas primeiras posições. Por equipes, o Brasil terminou na 9ª colocação. Daniele se classificou para a final individual, terminando em 12º. Disputando o Campeonato Mundial de Melbourne em 2005, ficou em nono lugar geral, vencendo seu nono campeonato nacional. 

Participando de mais uma edição do Campeonato Mundial, desta vez em Aarhus, Daniele chegou à 22ª colocação no all round, e sétima na categoria de equipes. Pela Copa do Mundo de São Paulo em terras brasileiras, obteve medalha de prata nas traves, ficando atrás da medalhista de ouro, Li Ya. No Pan-americano de 2007 conquistou mais uma medalha de prata por equipes. Ainda no mesmo ano, nas finais individuais ficou com o quinto lugar no individual geral, sétima no solo e bronze nas traves; sobrando talento para a quinta colocação por equipes no Mundial de Stuttgart. Um ano e tanto para a ginasta. 

Ao lado de outras principais atletas da ginástica brasileira, Daniele conquistou as primeiras posições nos Jogos de Pequim, sendo a primeira e trazendo a melhor colocação já conquistada pelo país, que até então possuía a oitava posição em seu histórico. No ano de 2009, representou o Brasil na Universíada de Belgrado, ficando em 17º no individual geral. Em 2010, disputou a Copa do Mundo, encerrando como medalhista de ouro no salto e solo; nas barras assimétricas foi a terceira colocada. 

Nos Jogos Olímpicos de Londres 2012, a ginasta foi eliminada ainda na fase preliminar na categoria de equipes. No individual geral ficou com a 20ª posição. 

A ginasta conquistou a 20ª posição no individual geral em Londres (Foto: AFP/Getty Images)
A ginasta conquistou a 20ª posição no individual geral em Londres (Foto: AFP/Getty Images)

Daniele Hypolito nas Olimpíadas: 

Sydney 2000 - Ginástica Artística - Barras assimétricas - 17º lugar;
Sydney 2000 - Ginástica Artística - Individual Geral - 21º lugar;
Sydney 2000 - Ginástica Artística - Solo - 17º lugar;
Sydney 2000 - Ginástica Artística - Trave - 16º lugar;
Atenas 2004 - Ginástica Artística - Equipe - 9º lugar;
Atenas 2004 - Ginástica Artística - Individual Geral - 12º lugar;
Pequim 2008 - Ginástica Artística - Equipe - 8º lugar;
Pequim 2008 - Ginástica Artística - Individual Geral - 75º lugar;
Londres 2012 - Ginástica Artística - Equipe - Eliminada na fase preliminar;
Londres 2012 - Ginástica Artística - Individual Geral - 20º lugar.

Jogos Olímpicos Rio 2016

A princípio, a ginasta declarou que encerraria sua carreira após os jogos no Brasil, mas os acalorados pedidos dos fãs fizeram com que Daniele repensasse sua decisão, não apenas os fãs, mas o bom rendimento da atleta ajudaram na "cartada final".

"Pensei muito, tive pedidos de fãs e amigos e avaliei que seria uma pena parar agora, pois estou em um bom momento mesmo com 31 anos de idade. Sigo na ginástica por pelo menos mais dois anos. E se eu estiver bem, posso até pensar em completar mais um ciclo olímpico "- declarou a ginasta. 

Contente com os resultados obtidos no evento-teste realizado em abril, como também na etapa de São Paulo, Daniele pretende se apresentar com uma mistura de duas músicas do estilo funk, cantadas pela funkeira Anitta