O poder do futebol feminino da Suécia

Uma seleção que na fase de grupos perdeu para Brasil por 5 a 1 consegue chegar às quartas de final e eliminar o campeão olímpico, Estados Unidos

O poder do futebol feminino da Suécia
(Getty Images/Francis Bompard)

A Suécia é sem dúvida um dos países que formam a elite do futebol feminino. Sagrou-se vice-campeã da Copa do Mundo em 2003, quarta colocada nos Jogos Olímpicos de 2004 e campeã da Eurocopa em 1984. Na próxima terça-feira (16), as meninas do Brasil comandadas por Marta enfrentam as suecas, sob o comando da capitã Nina Fischer, pela semifinal do futebol feminino na Rio 2016, no Maracanã. Na segunda rodada dos Jogos Olímpicos, a seleção brasileira bateu a Suécia, no Estádio Olímpico, por 5 a 1, sem dificuldades com gols de Beatriz (duas vezes), Cristiane e Marta (duas vezes).

Diante do retrospecto, é comum pensarmos que as suecas serão presas fáceis. A equipe comandada pela técnica Pia Sundhage bateu nas quartas de final, em disputa de pênaltis os Estados Unidos, equipe que nunca havia estado fora de uma decisão olímpica e com um elenco que conta com estrelas como Alex Morgan e Carli Lloyd, melhor jogadora do mundo.

Suécia conquista última vaga para Rio 2016

A Suécia conseguiu a última vaga das equipes que disputam medalha na Olimpíada do Rio de Janeiro como campeã do torneio classificatório da Europa, superando Holanda, Noruega e Suíça em disputa na cidade de Roterdã, na Holanda.

As suecas precisavam apenas de um ponto no último jogo, contra as donas da casa. A Holanda saiu na frente, mas Olivia Schough igualou. Com isso, a seleção sueca, comandada pela técnica Pia Sundhage, assegurou a vaga. Desde que o futebol feminino entrou para o programa Olímpico, em Atlanta 1996, as garotas suecas sempre estiverem presentes - sua melhor colocação foi um quarto lugar em Atenas 2004.

Trajetória na Rio 2016

Abrindo os Jogos Olímpicos Rio 2016, Suécia venceu a África do Sul por 1 a 0. Apesar de ser apontada como favorita absoluta na partida, as suecas sofreram para abrir o placar. Somente aos 29 minutos do segundo tempo, contando com falha da goleira adversária, a equipe da Suécia garantiu a vitória na primeira rodada do torneio.

Na segunda rodada, as suecas enfrentaram as donas da casa, a seleção brasileira. Diante da equipe comandada por Vadão, a Suécia não teve vida fácil. No Estádio Olímpico, as meninas do Brasil golearam a seleção sueca por 5 a 1, com gols dois gols de Beatriz, um de Cristiane - que saiu lesionada - e dois da craque e capitã do time, Marta.

Fechando a fase de grupos, a Suécia teve a China pela frente. Em jogo fraco, suecas e chinesas ficaram no empate de 0 a 0, resultado que classificou as duas equipes para a segunda fase do torneio olímpico feminino.

O feito histórico: Suécia bate os Estados Unidos nas quartas de final

A Suécia conseguiu o improvável no futebol feminino: bater a forte e favorita seleção dos Estados Unidos e avançar para a semifinal do torneio de futebol feminino dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. No Mané Garricha, as seleções empataram em 1 a 1 no tempo normal e na prorrogação, e as suecas venceram nos pênaltis por 4 a 3.

Além de vencer a seleção favorita ao ouro no futebol feminino, a Suécia escreveu uma página histórica no torneio. Desde que a modalidade começou a ser disputada nos Jogos Olímpicos, em Atlanta (1996), jamais a seleção dos Estados Unidos ficou fora da final. Em cinco oportunidades, conquistou quatro medalhas de ouro e uma de prata, em 2000, ao ser superada pela Noruega.

Em Londres 2012, suecas ficaram em sétimo lugar, e, agora seu foco é conquistar o ouro inédito no Jogos Olímpicos Rio 2016.