Jovem Aprendiz do Desporto, um caminho escrito pelos esportes

O programa lançado pelo Governo associou a realização da Olimpíada na cidade do Rio de Janeiro a oportunidades de inserção de jovens no mercado de trabalho

Jovem Aprendiz do Desporto, um caminho escrito pelos esportes
Foto: RMC/JM Coelho

Esporte e educação, a celebração de um futuro melhor. Esta semana, o Ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira de Oliveira, apresentou o Projeto Jovem Aprendiz do Desporto (Jade 2016), realizado em parceria com o Ministério da Educação, o Instituto Federal do Rio de Janeiro e o Comitê Organizador dos Jogos Rio 2016.

O trabalho iniciou com as atividades na Olimpíada Rio 2016. Os jovens que preencheram quase 450 vagas receberam capacitação profissional técnica para cursos de auxiliar de Administração Esportiva, Prática Esportiva e Organização de Eventos Esportivos além de aulas de inglês. O JADE está previsto na Lei da Aprendizagem (Lei 10.097 de 2000), que determina que toda empresa de médio e grande porte contrate jovens entre 14 e 24 anos como aprendizes. As contratações devem respeitar o limite mínimo de 5% e máximo de 15% do quadro de funcionários e a duração é de até dois anos.

O projeto foi lançado em maio de 2016 e dividiu-se em duas etapas. A primeira ocorreu antes dos Jogos, a segunda acontecerá após a Paraolimpíada, quando os jovens retornarão as salas de aula. É importante ressaltar que o horário de atividade dessas não coincide com os turnos escolares e eles recebem um incentivo financeiro às horas dedicadas ao programa, carteira assinada e um certificado profissional de participação.

 O Ministro Ronaldo Nogueira explicou que a contratação dos jovens para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos foi possível graças às parcerias com entidades públicas do país, como Comitê Rio 2016, o Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós Graduação e Pesquisa de Engenharia (COPPE) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a Secretaria Municipal de Trabalho e Emprego do Rio de Janeiro e o Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ). “A satisfação do Ministério do Trabalho é poder compartilhar este momento tão especial, quando podemos comemorar o sucesso do Projeto Jovem Aprendiz do Desporto que tem 450 jovens exercendo a parte prática dos ensinamentos que têm recebido no curso, atuando nos Jogos Olímpicos”, disse o ministro.

Indagado em entrevista coletiva no Rio Media Center (RMC) sobre a relação do Projeto Jovem Aprendiz do Desporto e os 12 milhões de cidadãos desempregados no país, o Ministro foi claro, “O combate ao desemprego é a missão mais urgente do Ministério do Trabalho, e o programa JADE vem ao encontro da necessidade de reaquecer o mercado e criar novos mecanismos para geração de empregos. Entendemos que os Jogos Olímpicos são uma grande oportunidade para o Brasil voltar a crescer, e a juventude não poderia ficar de fora. Os dados nos mostram que dentro desse quadro de desocupados, grande parte é formada por jovens. O programa capacita essa geração para entrarem no mercado de trabalho, focando na sua qualificação. Quem passa por essa experiência sai um profissional mais qualificado e preparado para desenvolver uma carreira, apesar da pouca idade”.

O diretor do Departamento de Políticas de Trabalho e Emprego para a Juventude, Higino Brito Vieira, apresentou que quase dois mil jovens participaram do processo seletivo e todo orgulho, ele diz “Os 450 selecionados terminaram o curso no final do ano, certificados e preparados para encarar o mercado de trabalho. É interessante lembrar que a expressão aprendiz pode dar a ideia de que eles estão fazendo atividades básicas, mas não. O que nos dá muito orgulho é saber que eles estão se sentindo valorizados com atividades que demandam responsabilidade. Todo um contexto que faz com que os jovens saiam dessa experiência única com a autoestima valorizada para que possam encarar o mercado de trabalho”.

A aprendiza Ana Gabriela Francisco de Medeiros se mostrou empolgada com a oportunidade que teve “A experiência de trabalhar na Olimpíada está sendo sensacional. A seleção foi no dia do meu aniversário.  Cheguei lá de madrugadinha, fiquei duas horas na fila, e valeu muito a pena”. Assim como o jovem Juan Ricardo de Guimarães Silva que atuou no Ginásio do Maracanãzinho “Tem sido incrível essa experiência, este intercâmbio cultural. Acredito que a gente ganhou muita experiência com essa participação nos Jogos e que, no futuro, o mercado de trabalho vai estar bem melhor para conseguir um emprego”. 

O mecanismo de inserção de jovens no mercado de trabalho foi iluminado pelo espírito olímpico que radiará ampliações para outras áreas de atuação e regiões do país.

No esporte, a realização do maior evento esportivo do mundo no Rio de Janeiro abriu a possibilidade de trabalho para 455 jovens e mostrou a capacidade deles para empresários em todo o Brasil. Já existem outras turmas-pilotos em São Paulo e no Distrito Federal e o programa será implantado em todos os estados da federação, tendo como base o modelo de sucesso usado nos Jogos Rio 2016”, anunciou o Ministro.