Diego Hypólito, Nory e Zanetti concordam que ginastica brasileira obteve bons resultados devido a investimentos

Atletas disseram que nas edições anteriores teve um investimento menor comparado com agora, mas alertaram que isso precisa continuar.

Diego Hypólito, Nory e Zanetti concordam que ginastica brasileira obteve bons resultados devido a investimentos
(Foto: João Viana/VAVEL Brasil)

Quem não se emocionou com a final da ginastica solo? Vê Diego Hypólito conquistar sua primeira medalha em Olimpíadas dentro de casa, depois dos fracassos em Pequim 2008 e Londres 2012, foi algo grandioso, não somente para o atleta, mas para todos os que o acompanham. Também tem o jovem Arthur Nory, que com apenas 22 anos e em sua primeira participação nos Jogos conquistou um bronze, se superou devido a lesões que poderiam ter o tirado da Seleção e ainda se mostrou uma pessoa uma pouco mais madura depois do caso de racismo envolvendo o colega Ângelo Assumpção. E o Zanetti, que era o atual campeão olímpico nas argolas e conquistou sua segunda medalha, dessa vez uma prata.

Grandes momentos para atletas consagrados e um que está começando a trilhar seu caminho no esporte. Na coletiva realizada na manhã deste sábado (20), no Rio Media Center, os medalhistas comentaram sobre suas trajetórias. Falaram sobre a situação da ginastica brasileira e como o investimento é importante para o crescimento e formação de novas promessas.

“Em 2008, em Pequim, nós não tínhamos o tablado que iria ser usado nos Jogos para treinar. Nos Jogos seguintes, em Londres, a mesma coisa. Não tínhamos um investimento forte. Agora para o Rio, tivemos um pouco mais e treinávamos no tablado que iria ser usado. Precisamos crescer mais esse investimento para Tóquio”, disse Diego Hypólito.

Nory e Zanetti também falaram sobre a conquista de Diego, que havia perdido o ouro em 2008 e 2012 por falhas, e o como ele superou a depressão para estar ali e finalmente conseguir seu objetivo.

“O Diego é um grande exemplo de que podemos realizar nossos sonhos. Mesmo que isso demore, 4, 8, 12 anos para acontecer. É um grande atleta”, comentou Nory.

“O Diego superou uma depressão, muitos teriam desistido. Ele mesmo diz que achava que não era merecedor de uma medalha olímpica. É um grande exemplo”, frisou Zanetti.

(Foto: Marko Djuricaa/Reuters)