Olimpíada da superação, da esperança e das mulheres

Esta foi a primeira vez em que as mulheres puderam competir em todas as modalidades dos Jogos Olímpicos

Olimpíada da superação, da esperança e das mulheres
Seleção feminina superou as expectativas na Rio 2016 (Foto: Reprodução/Twitter)

O Jogos Olímpicos Rio 2016 passaram uma mensagem que vai muito além do que aconteceu dentro dos locais de competição. Se antes o sentimento era de dúvida, agora a certeza é de que a Cidade Maravilhosa conseguiu superar suas dificuldades e fazer um evento que nunca mais será esquecido.

No entanto, essa Olimpíada não foi simbólica apenas para os cariocas ou para os atletas, mas para as mulheres. Com o maior número de atletas femininas da história, esta foi a primeira vez em que elas puderam competir em todas as modalidades.

Fazemos Olimpíadas por Simone Biles, que mostrou ao mundo que não é Bolt ou Phelps, mas Simone, e isso já é enorme por si só. Fazemos por Joanna Maranhão, que foi a público denunciar um país racista, homofóbico e misógino, deixando claro que não se calará diante do ódio. Não se cale, Joanna, não podemos nos calar mais.

Disputamos esses Jogos por Marta, Formiga e toda Seleção Feminina de futebol. Vocês pediram para que o povo não desista de vocês e não vamos, nem podemos. Por todas que sonharam e sonham em se tornarem jogadoras, por todas que lutam dia após dia por um mundo mais igual. Nós não vamos parar. Vamos nos superar como Flavinha Saraiva, que aos seus 16 anos conquistou o coração do Brasil e se mostrou gigante.

Leia mais: Diferença entre esportes femininos e masculinos é machismo sim

Lutaremos como Rafaela Silva, medalha de ouro na modalidade peso leve (57kg) e uma das histórias que mais gostamos e gostaremos de contar. Ou então, vamos nos superar como Yolande Mabika, refugiada que vive no Rio de Janeiro desde 2013 e também faz parte do Instituto Reação. Ela que nasceu na República Democrática do Congo e lutou, através do judô, para superar as dificuldades e a saudade dos pais, de quem foi separada ainda quando criança.

A todas, que conseguiram ou não subir ao pódio, vocês são nosso exemplo, nossa inspiração. Obrigada por mostrarem que, sim, nós podemos superar as barreiras que ainda são fortemente impostas pelo mundo.

Provando que são (ou somos) mais do que musas. Mais do que apenas ex ou namoradas de alguém. Mais do que apenas a aparência, somos garra, vontade, luta e força. Somos atletas, jornalistas, torcedoras e o que mais quisermos ser.