Com final acirrada, Mangueira define seu hino para 2018 no sábado

Sambas de Tantinho e Lequinho despontam como francos favoritos, enquanto Rodrigo Pinho e parceria correm por fora

Com final acirrada, Mangueira define seu hino para 2018 no sábado
Foto: Reprodução Facebook

Mais que um samba, um canção de protesto. A Estação Primeira de Mangueira define neste sábado (7), a partir das 20h, qual samba que irá embalar o desfile do próximo ano. "Com Dinheiro Ou Sem Dinheiro, Eu Brinco", ousado enredo do carnavalesco Leandro Vieira, promete ser uma grande manifestação a favor de um Carnaval popular, além de uma crítica direta ao corte de verbas do prefeito Marcelo Crivella para as escolas de samba - o valor caiu de 2 milhões para 1 milhão a cada agremiação. Depois de pouco mais de um mês de disputas, sobraram os sambas das parcerias de Tantinho da Mangueira, Lequinho e Rodrigo Pinho.

Tantinho e Lequinho disputam o páreo do favoritismo com duas belas obras. O primeiro compositor, ao lado de Paulinho Bandolim, Ronaldo Barcellos, Alípio Carmo, Lacyr D'Mangueira, Guto Garcia e Guilherme Sá, apostou em uma letra mais leve e recheada de referências ao carnaval de rua, como os versos "Nessa onde o Cacique firma o pé / Tem Bate-Bola no cortejo da ralé". 

Lequinho, campeão no ano passado, juntou-se a Júnior Fionda, Alemão do Cavaco, Gabriel Machado, Wagner Santos, Gabriel Martins e Igor Leal para construir um samba melodioso, com letra um tanto mais sofisticada. Sobressai o falso refrão na primeira parte do samba, uma referência aos antigos carnavais das escolas de samba: "Outrora marginalizado, já usei papel barato / Pra desfilar na Mangueira".

A parceria de Rodrigo Pinho, Poeta, Pixulé, Bruno B1, Tia Marlene, Bruno Souza e Pedro Terra corre por fora, mas não chegou sem méritos na grande decisão. O samba é todo construído a partir de canções populares do Brasil que fazem alguma referência ao Carnaval, como "Retalhos de Cetim", "Barracão de Zinco" e "Alvorada". A prática se repete no refrão principal, no verso "Bate outra vez a esperança no meu coração", retirado de "As Rosas Não Falam", de Cartola.

Independentemente de quem verá a alvorada no Morro de Mangueira como o grande campeão, a grande surpresa da disputa já aconteceu: a eliminação precoce da parceria de Hélio Tuco, uma das favoritas. O consagrado compositor - até hoje o maior vencedor de sambas da Verde-e-Rosa, com treze conquistas - saiu ainda antes da semifinal.

SERVIÇO:
Entrada: R$ 50 (aceita cartões de débito e crédito)
Mesas: R$ 80
Informações: 2567-3419
A quadra da Mangueira fica na Rua Visconde de Niterói, 1072, no bairro da Mangueira.

OUÇA OS SAMBAS CONCORRENTES:

Parceria Tantinho da Mangueira  & Cia.

Parceria de Lequinho & Cia.

Parceria de Rodrigo Pinho & Cia.

Musica