Na primeira noite de desfiles em São Paulo, Tom Maior, Mancha e Tatuapé se destacam

Atual campeã fez um desfile impecável e empolgou o Anhembi, a Mancha cantando Fundo de Quintal também levantou a avenida

Na primeira noite de desfiles em São Paulo, Tom Maior, Mancha e Tatuapé se destacam
Primeiro dia de desfiles de São Paulo tem grandes apresentações de Peruche, Mancha e Tatuapé

O Carnaval Paulistano começou com tudo nessa sexta-feira (9). Com um Anhembi lotado, os foliões viram Independente Tricolor, Unidos do Peruche, Acadêmicos do Tucuruvi, Mancha Verde, Tatuapé, Rosas de Ouro e Tom Maior desfilar.

Com belos desfiles, sincronismo e muito samba no pé, as escolas fizeram uma grande noite carnavalesca, e ainda passaram pela avenida sem atrasos. 

Estréia com dificuldades

A Independente Tricolor que abriu os desfiles da noite, desfilou pela primeira vez no grupo especial. A escola veio com o enredo “Em cartaz: Luz, Câmera e Terror... Uma produção independente!", assombrando o público da melhor maneira possível.

Apesar do desfile empolgante e o samba na ponta da língua, a escolha encontrou problemas técnicos com o abre-alas que quebrou o eixo, e com isso foi necessário utilizar equipamento de apoio. Por causa disso a escola deverá perder 1.2 ponto na apuração.

80 primaveras para Martinho da Vila

O Unidos do Peruche trouxe para avenida uma homenagem ao ilustre sambista de Vila Isabel que completará 80 anos segunda-fera (12) desse mês. O carnavalesco Mauro Quintaes  trouxe para o Anhembi inúmeras referências do Brasil à África, presente em toda carreira do sambista.


Foto: Gabriella Brizotti/VAVEL Brasil

Com uma avenida empolgada, que contou até com a presença do amigo e músico Zeca Pagodinho como espectador, o homenageado saiu no topo do último carro da escola e não parou um minuto de dançar.

Superação marca a noite do Tucuruvi

Após a tragédia em seu barracão onde após um incêndio acabou perdendo 90% das fantasias, a escola veio para a avenida com o tema "Uma Noite no Museu", e fez um belo desfile.

Apesar do desfile simbólico, o qual não será julgado esse ano, era muito nítido ver a emoção nos integrantes da escola durante o desfile.

Mancha Verde levanta o Anhembi 

A escola trouxe para a avenida o enredo "A amizade. A Mancha agradece do Fundo Do Nosso Quintal", homenageando um dos maiores grupos de todos os tempos. 


Foto: Gabriella Brizotti/VAVEL Brasil

Desde a tamarindeira na comissão de frente, até a rainha de bateria Viviane Araújo, e os carros bem produzidos, a Mancha fez um desfile praticamente perfeito, sendo um dos destaque da noite.

Em desfile impecável, Tatuapé é a melhor da noite

A atual campeã do carnaval paulistano veio com tudo novamente em 2018. A Acadêmicos do Tatuapé com o tema "Maranhão. Os Tambores vão ecoar na terra da encantaria", deixou a avenida encantada com lindas alegorias que representavam a culinária, a história e toda a natureza do estado nordestino.

Foto: Gabriella Brizotti/VAVEL Brasil

A bateria ainda usou muito de paradonas, que deixavam o público cantar o samba na avenida, em belos momentos do desfile.

Sertanejo com Samba deu liga na Rosas de Ouro

A tradicional escola de samba paulistana contou no Anhembi a história dos caminhoneiros do Brasil. A escola trouxe no abre-alas São Cristóvão, padroeiro dos caminhoneiros, e na frente da bateria a musa Ellen Rocche. Outro ponto alto do desfile foi a presença da dupla sertaneja Maiara e Maraisa no último carro.

Foto: Gabriella Brizotti/VAVEL Brasil

Na parte técnica a escola deixou um pouco a desejar, tendo carro faltando gente e uma integrante da comissão de frente com a fantasia incompleta. Apesar do sufoco no fim, conseguiu passar sem estourar o tempo.

Tom Maior trás o carnaval carioca para a avenida

A última escola a entrar no Anhembi no primeiro dia de desfiles em São Paulo trouxe para o desfile as Imperatrizes. A Tom contou na avenida a história da Imperatriz Leopoldina (1797-1826) e a da escola de samba carioca Imperatriz Leopoldinense.

Foto: Gabriella Brizotti/VAVEL Brasil

A escola apresentou alegorias enormes e muito bem feitas, contando a história do Brasil e também falando muito da fauna e flora brasileiras, a qual a Imperatriz Leopoldina era fã declarada.

Chamou atenção no desfile a segunda alegoria da escola que mostrava uma arara Canindé gigante, entre outro animais na parte de trás.

Foto: Gabriella Brizotti/VAVEL Brasil