Vandeweghe vence Rus e continua em busca do tricampeonato em Hertogenbosch

Vandeweghe vence Rus e continua em busca do tricampeonato em Hertogenbosch

Cabeça de chave número um, Coco teve dificuldades para ganhar da holandesa por 7/6(4) e 6/3 para avançar às quartas no Libema Open

vavel
Pedro Dayrell

Em sua segunda rodada na grama holandesa, a #16 Coco Vandeweghe, cabeça de chave número um do torneio, venceu um jogo emocional e com muitos erros a holandesa #100 Arantxa Rus. A americana, especialista no piso de grama e bicampeã em Hertogenbosch, oscilou muito mas, no final, mostrou porque é favorita para ganhar o título do Libema Open. A nova-iorquina acabou prevalecendo por 7/6(4)  e 6/3, em 1h35.

Número 16 do ranking e ex top 10, Vandeweghe logo abriu vantagem de 2/0 nos dois primeiros sets, mas, nos terceiros games, deixou a holandesa quebrar de volta seu serviço para endurecer um pouco seu caminho para vitória na partida. 

Alternando altos e baixos, Coco parecia sofrerem alguns games de seu saque no primeiro set do jogo, mas sempre facilitava sua vida disparando aces - 11 no total da partida - para assim se livrar dos breaks impostos por Rus. A holandesa, que tem seu nome em homenagem a tenista favorita dos pais, a espanhola Arantxa Sanchez-VIcário, ameaçava na partida porém a maioria de seus pontos vinham dos erros não-forçados da rival. Mesmo assim, Vandeweghe precisou de alguns games para entrar em ritmo para vencer o primeiro set por 7/6 com 7-4 no tie break.

Mesmo vencendo a primeira parcial, Vandeweghe precisou conversa com seu treinador, Pat Cash, para voltar mais focada. A americana quebrou logo de cara e estabeleceu uma liderança por 2/0, mas viu Rus quebrar novamente seu saque no terceiro game da segunda parcial. Insatisfeita, Coco conseguiu se reajustar e ganhar seus games de saque de maneira rápida e eficiente, chegando a uma vantagem de 4/3. Mais relaxada, a nova-iorquina não vacilou, quebrou a holandesa e, com dois aces fechou a segunda parcial, chegando ao 6/3.

Visivelmente emocionada após seu triunfo, Vandeweghe saudou a torcida porém saiu correndo em direção para dar um abraço caloroso no seu técnico, o australiano Pat Cash, e seu preparador físico. Perguntada na entrevista na quadra se tinha algum motivo pessoal por ter chorado daquela maneira ao final do jogo, ela simplesmente declarou: “Sou uma garota. Chorar é meu negócio”, disse rindo na sequência.

Na próxima partida, Vandeweghe irá aguardar nas quartas de final a vencedora do confronto entre a jovem húngara Fanny Stollar e sua compatriota Alison Riske

VAVEL Logo

Tênis Notícias

há um dia
há um dia
há um dia
há um dia
há um dia
há um dia
há 2 dias
há 2 dias
há 2 dias
há 2 dias
há 2 dias