Em jogo histórico de quase sete horas, Anderson bate Isner e avança à segunda final de Slam

Sul-africano fez a segunda partida mais longa da história dos Grand Slams e fará final de Wimbledon

Em jogo histórico de quase sete horas, Anderson bate Isner e avança à segunda final de Slam
Foto: Matthew Stockman/Getty Images
#8 Kevin Anderson
3 2
#10 John Isner

Simplesmente, a segunda partida mais longa de toda a história dos Grand Slams no tênis, protagonizada por dois sacadores. Nesta sexta-feira (13), história foi feita na Quadra Central em Wimbledon: em 6h41 de partida, o #8 Kevin Anderson venceu o #10 John Isner por três sets a dois, com parciais de 7/6(6), 6/7(5), 6/7(9), 6/4 e 26/24, pela primeira semifinal do major inglês..

Esta foi apenas a segunda vitória de Anderson contra um top-10 na grama em nove partidas. A única vez em que conseguiu tal triunfo foi em 2015, quando venceu Wawrinka em dois sets. Além disso, foi a 26ª partida do sul-africano como semifinalista, e seu retrospecto é muito positivo: 17 vitórias e nove derrotas. Em Slams, foi sua segunda semi, tendo, agora, 100% de aproveitamento - perdeu a final do US Open 2017 para Nadal.

Como já era de se esperar, a partida teve um aproveitamento enorme de aces, rendendo ao Isner o recorde de aces por um único jogador numa única edição de Wimbledon. Só nessa partida, foram 53 aces do americano e 49 do sul-africano, com dez duplas faltas ao todo no jogo. Ambos tiveram porcentagens de primeiro serviço superiores aos 70%, com uma margem enorme de winners e erros não-forçados — uma vez que o saque já fazia metade do trabalho. Ao todo, foram impressionantes 118 bolas vencedoras e 24 erros não-forçados de Kevin Anderson e 129 winners e 59 erros não-forçados de John Isner.

Apesar de ter passado quase sete horas em quadra, o sul-africano foi bastante simpático em entrevista. Iniciou pedindo desculpas a todos por não estar animado o suficiente para a ocasião. Ele se mostrou bastante sentido pela derrota de seu oponente, afirmando que havia sido uma situação muito dura para os dois. Por fim, comentou sobre um assunto que estava em pauta durante todo o quinto set nas redes sociais: a necessidade de se mudar o formato do quinto set nos Slams. Para o tenista, a mudança é urgentemente necessária.

Com set longo ou sem, é um fato: Kevin Anderson chega a sua segunda final de Slam em menos de uma temporada. Depois de cair em três sets para Rafael Nadal na final do US Open 2017, ele pode enfrentá-lo novamente, caso o espanhol vença o sérvio Novak Djokovic nas semifinais.

Contra o espanhol, Anderson tem cinco derrotas em cinco partidas, com nenhuma sendo na grama. Contra o sérvio, Anderson caiu na grama em duas ocasiões — inclusive, tendo dois sets acima em 2015 — e fora da grama mais três vezes. A sua única vitória veio na quadra dura de Miami, em 2008. A final ocorrerá no domingo.