Pliskova, Sabalenka e Swiatek seguem em Wimbledon; Samsonova derruba Stephens
Pliskova vai em busca de sua primeira vez nas quartas em Londres (Foto: Divulgação/Wimbledon)

Ex-número 1 do mundo, a atual #13 Karolina Pliskova faz sua melhor campanha em um Slam no ano nesta edição de Wimbledon. Ela garantiu vaga nas oitavas de final após eliminar sua compatriota #87 Tereza Martincova com duplo 6/3, em 1h39, nesta sexta-feira (2).

Este foi o segundo confronto entre as duas, e a segunda vitória de Pliskova. A ex-número 1 do mundo ainda não perdeu sets no torneio, mas teve vida dura contra Martincova. No total, a partida teve 20 break points, oito contra a cabeça de chave 8, que só cedeu uma quebra. Por outro lado, ela converteu 4/12 chances que teve.

Pliskova teve quase o triplo de winners - 30 a 11 -, e também mais erros não-forçados - 36 a 21. A ex-número 1 do mundo teve problemas no segundo saque - só venceu 39% dos pontos nesta situação e cometeu nove duplas faltas -, mas resistiu nos momentos cruciais e garantiu mais uma vitória.

A tcheca, que tenta retornar ao menos ao top 10, vai agora em busca de sua primeira ida às quartas de final em Londres - ela chegou, pela terceira vez consecutiva, até a quarta fase.

Samsonova on fire

O próximo desafio de Pliskova será a wildcard #65 Ludmilla Samsonova, que soma dez vitórias seguidas. Campeã em Berlim há duas semanas, a estreante derrubou na terceira rodada em Wimbledon a #73 Sloane Stephens em três sets, parciais de 6/2, 2/6 e 6/4, em 2h02. Este foi o segundo confronto entre as duas no ano, e a segunda vitória da russa.

Samsonova, que nunca havia entrado no top 100 antes do título surpreendente em Berlim, agora soma dez vitória seguidas em torneios de grama, vencendo seis tenistas que estão ou estiveram em algum momento no top 20 da WTA (Konjuh, Vondrousova, Keys, Azarenka, Bencic e Stephens).

A russa conseguiu ser muito mais agressiva na partida, com 31 a oito em winners, e 44 a 17 em erros não-forçados. Confiante, Samsonova não se abalou com o 6/2 sofrido no segundo set e, na parcial final, só enfrentou um break point, garantindo mais uma grande vitória.

Antes desta edição de Wimbledon, ela nunca havia passado da segunda rodada em suas outras cinco participações em Slams. A campanha já leva Samsonova, ao menos, para a 54ª posição do ranking mundial.

Vitórias tranquilas para Sabalenka e Swiatek

Segunda favorita, a #4 Aryna Sabalenka passou com autoridade sobre a qualifier #94 María Camila Osorio Serrano, 19 anos, outra estreante em Wimbledon. A bielorrussa anotou 6/0 e 6/3 diante da colombiana, em 1h13.

Apesar do placar tranquilo, Sabalenka cedeu dez break points e foi quebrada duas vezes na partida. Ela também teve mais erros não-forçados do que winners - 31 a 22 -, mas conseguiu escapar dos momentos mais complicados diante da jovem colombiana, que nunca havia vencido partidas em Slams antes.

Sabalenka, que nunca alcançou as quartas de final em nenhum Major, enfrenta agora a #20 Elena Rybakina, que bateu na terceira fase a #46 Shelby Rogers. A bielorrussa pode sair de Londres como número 1 do mundo caso vença o título.


Já a #9 Iga Swiatek precisou de apenas 57 minutos para despachar a #79 Irina-Camelia Begu. A polonesa anotou 6/1 e 6/0 e garantiu, pela sexta vez em dez participações em Slams, ao menos vaga na quarta rodada.

A polonesa de 20 anos salvou os três break points que enfrentou e venceu, no total, 79% de seus pontos no serviço. Além do dia seguro no saque, ela contou com muitos problemas de Begu. A romena só venceu 17/46 pontos em que serviu, cometeu sete duplas faltas e 25 erros não-forçados, enquanto teve apenas nove winners.

Com as três vitórias em Londres, a polonesa sobe, ao menos, para a sétima colocação do ranking mundial - ela pode chegar até o terceiro posto caso vença o torneio. A próxima adversária de Swiatek é a #24 Ons Jabeur, que vem de vitória sobre a #12 Garbiñe Muguruza, campeã de 2017, de virada.

VAVEL Logo