"Para mim, hoje foi um renascimento": Rogerinho se despede do tênis profissional após 19 anos
Foto: Rio Open/Fotojump

Nesta quarta-feira (16), um grande nome do tênis brasileiro, Rogerio Dutra Silva, deu adeus as quadras e se aposentou oficialmente. O paulista já havia falado que iria jogar o Rio Open 2022 como seu último torneio. 

Rogerinho entrou na chave principal de duplas do torneio junto com outro brasileiro, Orlando Luz. Os tenistas fizeram sua estreia na competição e acabaram derrotados por Bruno Soares e Jamie Murray em parciais de 6/3 e 6/2. 

Homenagem

Após a partida, Rogerinho recebeu uma homenagem, ainda na quadra, por sua belíssima carreira.

Dutra Silva foi homenageado após a partida na quadra 1 (Foto: Rio Open/Fotojump)
Dutra Silva foi homenageado após a partida na quadra 1 (Foto: Rio Open/Fotojump)

O brasileiro teve a oportunidade de participar de todos os Grand Slams, foi medalha de prata nas simples e bronze na dupla mista no Pan-Americano de 2011, foi vice-campeão do Rio Open em 2019 nas duplas junto com Thomaz Bellucci, apesar de não ter nenhum título em nível ATP nas simples, ele chegou a 63° posição no ranking mundial de simples em 2017. Seu único titulo na carreira foi nesse mesmo ano, quando conquistou o ATP 250 de São Paulo ao lado de André Sá. 

O paulista falou em "renascimento" após sua última partida como profissional. “Para mim, hoje foi um renascimento. Vou dormir tranquilo por tudo o que eu fiz no circuito. O Rio Open para mim é o melhor torneio. Tive momentos incríveis aqui e nunca vou esquecer dessa despedida”.

O ex-tenista também disse que no futuro pretende ser treinador e ajudar os jovens tenistas que ainda vão surgir: "Eu ainda quero voltar ao Brasil daqui a algum tempo para passar para a molecada toda a experiência que eu tive. Os acertos, os erros. Eu acho que de alguma forma posso ajudar bastante essa molecada. Quero marcar, como fiz como jogador, como treinador". 

Grandes momentos da carreira

Em 2006, Rogerinho conseguiu pela primeira vez na carreira ficar entre os 200 melhores do mundo. Nesse mesmo ano, ele conquistou os Challengers de Chapecó, Piracicaba e Sorocaba. 

2011 foi um grande ano para o paulista. Pela primeira vez na carreira, ele conseguiu jogar um Slam, após furar o quali do US Open, onde ele foi eliminado na segunda rodada. Além disso, ele foi medalhista de prata nos jogos Pan-Americanos, perdendo para Robert Farah. 

Rogerinho voltou a jogar um Major no ano seguinte. Ele furou o qualide Roland Garros, mas acabou eliminado para John Isner. Em julho, foi vice campeão do ATP 500 de Hamburgo. O paulista voltou ao US Open nesse mesmo ano e dessa vez acabou sendo eliminado pelo sérvio Novak Djokovic. Além disso tudo foi convocado pela CBT, para jogar a Copa Davis pelo Brasil contra a Russia. 

O brasileiro em 2013 teve grande campanha durante a temporada e atingiu seu melhor ranking na carreira até então, a 83° posição. Novamente ele jogou Roland Garros e o US Open. No Slam americano, ele novamente chegou na segunda rodada e acabou sendo derrotado por Rafael Nadal. 

Em 2017, veio seu primeiro título na carreira. Rogerinho conquistou o Brasil Open de duplas, ATP 250 realizado em São Paulo, ao lado de André Sá. Aos 33 anos, ele conseguiu pela primeira vez na carreira vencer uma partida no Australian Open e em Roland Garros. No dia 24 de julho, Rogerinho atingiu seu melhor ranking na carreira e chegou na 63° posição. 

Em 2019, o brasileiro foi vice-campeão de duplas do Rio Open junto com Thomaz Bellucci. 

VAVEL Logo