Claypova: qual será o efeito da ausência de Maria Sharapova em Roland Garros?

Pela primeira vez desde 2003, russa não disputará o Grand Slam onde obteve maior sucesso ao longo dos tempos

Claypova: qual será o efeito da ausência de Maria Sharapova em Roland Garros?
(Foto: Clive Brunskill/Getty Images)

Todos os erros tem consequências. Algumas mais severas, algumas não tão prejudiciais. Mas de todas tiramos uma lição, e nunca podemos voltar atrás. Para a russa Maria Sharapova (#24), a perda do direito de disputar torneios profissionais por tempo ilimitado é consequência do uso da substância Meldonium, repositor de magnésio e combatente da diabetes. 

Por isso, a natural de Nyagan deixará de jogar Roland Garros, Grand Slam onde obteve seus melhores resultados até hoje, tendo 82.81% de aproveitamento nas partidas do saibro parisiense, onde levantou a taça em duas oportunidades (2012 e 2014), além de ter sido vice-campeã (2013) e também ser semifinalista por dois anos (2007 e 2011).

Saibro: o terreno de Sharapova

Com 144 vitórias e apenas 27 derrotas no saibro até hoje, Maria pode afirmar que este é seu piso favorito. Nas 13 vezes em que atingiu a final em um torneio no saibro, perdeu apenas duas vezes, e para a mulher mais dominante do circuito nos últimos anos, a americana Serena Williams

Sharapova conquistou seu primeiro título no saibro em 2008, quando bateu Dominika Cibulkova no WTA de Amelia Island, nos Estados Unidos. Em 2010 venceu novamente em Strausbourg, e, desde então, coleciona mais nove títulos de saibro nos últimos cinco anos.

Nos torneios maiores da série Premier, Maria conquistou três vezes o título de Roma, batendo Samantha Stosur (2011), Na Li (2012) e Carla Suárez Navarro (2015) em seus títulos. Também levantou a taça em Madri, ao derrotar a romena Simona Halep na temporada de 2014.

Histórico em Roland Garros

No torneio parisiense, Sharapova coleciona 53 vitórias e apenas onze derrotas até hoje. Jogou 13 vezes o torneio até hoje, e chegou às quartas de finais em oito oportunidades até hoje, mostrando muita regularidade e presença no torneio.

O auge da russa no campeonato foi nos anos de 2012, 2013 e 2014, quando intercalou dois títulos com um vice-campeonato, quando perdeu para Serena Williams na grande final.

Confira as campanhas dos títulos de Maria em 2012 e 2014: 

2012
1R - 6/0 6/0 - Cadantu
2R - 6/1 6/1 - Morita
3R - 6/2 6/1 - Peng
4R - 6/4, 6/7 e 6/2 - Zakopalová
QF - 6/2 6/3 - Kanepi
SF - 6/3 6/3 - Kvitova
F - 6/3 6/2 - Errani

2014
1R - 6/1 6/2 vs Pervak
2R - 7/5 6/2 - Pironkova

3R - 6/0 6/0 - Ormaechea
4R - 3/6, 6/4 e 6/0 - Stosur
QF - 1/6, 7/5 e 6/1 - Muguruza
SF - 4/6, 7/5 e 6/2 - Bouchard
F - 6/4, 6/7 e 6/4 - Halep

Caminhos abertos para outras tenistas

Sem a russa, o caminho parece livre para mais uma conquista de Serena Williams, que em 2015 conquistou o tricampeonato contra Lucie Safarova, que derrubou Sharapova logo na quarta rodada, marcando a decepção geral do torneio.

Quem também pode surpreender é a romena Simona Halep. Mesmo com a derrota para Lucic-Baroni na segunda rodada do ano passado, ela tem bom histórico no torneio, e buscará seu primeiro Slam justamente onde alcançou sua única final, na qual chegou perto de derrotar a russa, mas acabou deixando escapar.