Precisamos falar sobre Andy Murray, agora como número 1 do mundo

Precisamos falar sobre Andy Murray, agora como número 1 do mundo
[SUBIR SE MURRAY COPAR] Precisamos falar sobre Andy Murray, agora como número 1 do mundo

Ele carregou sua equipe nas costas. As mesmas costas que passaram por uma complicada cirúrgia. Britânico, Andy Murray já foi alfinetado por diversas vezes pela imprensa inglesa pelo fato de ter nascido na Escócia. Principalmente quando esteve em má fase. Hoje, pode se orgulhar de ter fechado a tríade local sendo campeão de Grand Slam, Olímpico -  ambos dentro de Londres -, e agora levando a Grã-Bretanha ao título da Copa Davis após quase oito décadas.

E quando dizemos 'carregar nas costas' é literalmente 'carregar nas costas'. Claro, seu irmão Jamie Murray foi brilhante nos jogos de duplas, James Ward marcou um ponto importantíssimo contra os Estados Unidos ainda na primeira rodada e Kyle Edmund assombrou o mundo do tênis tirando dois sets de David Goffin em plena final de Copa Davis. Todos tem seus méritos na conquista. 

Mas a importância de Andy Murray foi surreal. Talvez maior que a de Federer na conquista da Suíça, de Nadal com a Espanha ou de Djokovic com a Sérvia. O atual número 1 do mundo esteve em quadra em 11 dos 12 pontos da trajetória da Grã-Bretanha rumo ao título. Além do favoritismo nas simples, se aventurou nas duplas, onde não é sua especialidade.

Caminho da Grâ-Bretanha na Copa Davis 2015
Primeira rodada Grã-Bretanha 3 x 2 Estados Unidos
Quartas de final Grã-Bretanha 3 x 1 França
Semifinal Grã-Bretanha 3 x 2 Austrália
Final Grã-Bretanha 3 x 1 Bélgica

Já campeão, interrompeu a comemoração com sua equipe para, em um gesto de hombridade, cumprimentar toda a delegação belga. Onze vitórias nas onze partidas que disputou. Presente em 11 dos 12 pontos conquistados pela Grã-Bretanha. Nunca tal feito havia acontecido na história do Grupo Mundial. Nunca um tenista fez tanto por uma Copa Davis.

Andy Murray coloca mais uma vez seu nome na história do tênis. Indiscutivelmente desta vez. Antes contestado, hoje dignamente idolatrado. O último do 'Big Four' levantou a Davis. Os britânicos pedem que Deus salve rainha, mas hoje foram salvos pelo Rei!