Raonic desiste em Paris e Andy Murray vira o novo número um do mundo

Pela primeira vez na carreira, britânico atinge o topo do ranking mundial da ATP

Raonic desiste em Paris e Andy Murray vira o novo número um do mundo
(Foto: Reuters)
Andy Murray
W/O
Milos Raonic

Enfim, aconteceu. Pela primeira vez na carreira, o britânico Andy Murray irá liderar o ranking da ATP. Nas semifinais do Masters 1000 de Paris, ele só precisava vencer o canadense Milos Raonic para conquistar o feito. Mas nem isso ele precisou: seu adversário não pôde competir, devido a uma lesão na perna.

Após descobrir, Andy partiu para a quadra da Accor Hotels Arena e bateu bola com os próprios boleiros, enquanto o telão mostrava sua mais nova colocação no ranking, virando o primeiro britânico da história a atingir essa marca.

Com 29 anos de idade, Murray vira o segundo mais velho tenista a alcançar o topo da tabela. O feito é ainda mais impressionante para sua mãe, Judy Murray, que consegue colocar dois filhos (Jamie Murray) como líderes do ranking, no mesmo ano.

Sempre atrás de Novak DjokovicAndy via-se com uma diferença de mais do dobro de pontos do sérvio após Roland Garros. Mesmo assim, ele seguiu firme em seus objetivos e foi recompensado com um grande segundo semestre.

Após perder na final do Grand Slam francês, Murray conseguiu títulos em Wimbledon, Rio 2016, Xangai e Viena. Além disso, o britânico foi vice em Cincinnati, quando perdeu para Marin Cilic. Juntando esses resultados, ele coletou impressionantes 4100 pontos em quatro torneios, já que os Jogos Olímpicos não contam para o ranking.

"Para chegar até aqui, o esforço não é de hoje, mas sim dos últimos 12 meses de torneios, que me trouxeram até aqui. Os últimos meses tem sido os melhores de minha carreira e estou muito orgulhoso por ter alcançado o topo do ranking. Isso tem sido meu objetivo desde os últimos anos." esclareceu o natural de Dunblane.

Agora, Andy Murray irá para a final do Masters 1000 de Paris, onde vai tentar seu primeiro título como líder do ranking enfrentando o americano John Isner. Em sete confrontos, o gigante não conseguiu bater o escocês até hoje.