Brigando pelo número 1, Roger Federer confirma participação no Masters 1000 do Canadá

Suíço não disputava a Rogers Cup desde 2014; notáveis desfalques na chave do torneio podem acirrar ainda mais a disputa pelo posto de número 1 do mundo

Brigando pelo número 1, Roger Federer confirma participação no Masters 1000 do Canadá
Foto: Tim Clayton/Corbis via Getty Images

Vivendo sua "temporada dos sonhos", Roger Federer almeja voos ainda maiores para 2017. Empolgado pela conquista de seu 19º Grand Slam, o oitavo em Wimbledon, o suíço encerrou o mistério e confirmou sua participação no próximo Masters 1000 do calendário: o Masters do Canadá, também conhecido como Rogers Cup. O torneio acontece entre os dias 7 e 13 de agosto.

Com formato bastante peculiar, a Rogers Cup alterna suas sedes anualmente: nos anos ímpares, a disputa é em Montréal; nos anos pares, em Toronto. Em 2017, portanto, a cidade-sede será Montréal, onde o suíço não atua desde 2011 e jamais ergueu o caneco. Em Toronto, Roger Federer conquistou dois títulos, em 2004 e 2006.

Em seu site oficial, o atual número 3 do mundo manifestou sua satisfação em retornar ao Canadá: "Estou feliz por voltar a Montréal, já que não tive a chance de atuar lá nos últimos anos. Esta temporada de 2017 está sendo realmente animadora e eu estou ansioso para retornar ao circuito", afirmou o tenista.

Com cinco títulos na temporada, dentre eles dois Grand Slams e dois Masters 1000, Roger Federer coloca-se novamente na disputa pela posição de número 1 do mundo. Seu principal rival na corrida pelo topo do ranking é Rafael Nadal, que também está confirmado no torneio canadense. 

Grandes baixas e dúvida de Murray

Se por um lado os canadenses festejam a presença de Roger Federer e Rafael Nadal, a Rogers Cup não terá a presença de dois tenistas top5: Stan Wawrinka e Novak Djokovic, quatro vezes campeão deste torneio.

O suíço, atual número 4 do mundo, confirmou em sua página oficial no Facebook que não jogará os Masters de Montréal e Cincinatti, visando tratar uma lesão no joelho direito. O principal objetivo de Wawrinka é se recuperar a tempo de disputar o US Open, último Grand Slam da temporada. A situação de Djokovic é mais delicada: o sérvio dedicará os últimos meses do ano para tratar uma lesão no cotovelo direito e só retornará ao circuito em 2018.

Andy Murray, tricampeão no Canadá e atual número 1 do mundo, ainda não teve a sua presença confirmada. Desde a sua eliminação nas quartas de final de Wimbledon, o britânico vem tratando uma lesão no quadril. Sua situação para o restante da temporada ainda é uma incógnita.