Anfitriãs de respeito: tenistas norte-americanas dão show no US Open e quebram tabu histórico

Semifinais femininas do US Open terão apenas representantes locais; feito não acontecia desde o ano de 1981, época dominada por lendas como Evert e Navratilova

Anfitriãs de respeito: tenistas norte-americanas dão show no US Open e quebram tabu histórico
(Arte: Nathália Almeida/VAVEL)

Se na chave masculina do US Open os norte-americanos deixaram a desejar, no feminino a torcida da casa não tem do que reclamar. Nesta quinta-feira (7), a quadra central do complexo de Flushing Meadows, em Nova York, será o palco de um feito histórico, protagonizado por quatro tenistas locais.

Venus Williams, Sloane Stephens, CoCo Vandeweghe e Madison Keys são as responsáveis pela quebra de um longo tabu, que se mantinha há 36 anos. Desde a temporada de 1981, o US Open não tinha quatro representantes norte-americanas em suas semifinais. Naquele ano, Tracy Austin, Chris Evert, Martina Navratilova e Barbara Potter chegaram nesta fase, com Austin sagrando-se campeã.

Considerando todos os quatro Majors da temporada, o último deles com quatro semifinalistas norte-americanas havia sido há 32 anos, em Wimbledon, quando Navratilova, Evert, Rinaldi e Garrison chegaram à essa fase. 

O momento torna-se ainda mais simbólico para os fãs norte-americanos quando a principal tenista local, Serena Williams, encontra-se afastada do circuito. Dona de 23 títulos de Grand Slam, Serena é considerada a maior referência do tênis mundial, atualmente. Apesar de sua ausência, Venus, Stephens, Vandeweghe e Keys mostraram ao público estadunidense que o esporte está, sim, muito bem representado.

Histórias e campanhas até às semifinais

Venus Williams (37 anos)

(Foto: Elsa/Getty Images)

A mais veterana dentre as semifinalistas é a multi-campeã Venus Williams. Com sete títulos de Grand Slam em sua vencedora carreira, Venus experimentou a sensação de erguer o caneco "em casa" em duas oportunidades: na temporada 2000, quando bateu sua compatriota Lindsay Davenport em sets diretos; e 2001, vencendo sua irmã mais nova, Serena Williams

Vivendo uma seca de quase 10 anos sem conquistar um Major, Venus vem batendo na trave durante a temporada 2017. Neste ano, a tenista número 9 mundo chegou à decisão do Australian Open e de Wimbledon, mas foi batida por Serena Williams e Garbiñe Muguruza, respectivamente.

Campanha 

  • R1: Williams der. Kuzmova - 2 sets a 1 - 6/3 3/6 6/2;
  • R2: Williams der. Dodin - 2 sets a 0 - 7/5 6/4;
  • R3: Williams der. Sakkari - 2 sets a 0 - 6/3 6/4;
  • 8as: Williams der. Suárez-Navarro - 2 sets a 1 - 6/3 3/6 6/1;
  • 4as: Williams der. Kvitova - 2 sets a 1 - 6/3 3/6 7/6(2);
  •  

Sloane Stephens (24 anos)

(Foto: Elsa/Getty Images)

Atual número 83 do ranking da WTA, Stephens vem 'vivendo um sonho' no US Open 2017. Uma grave lesão no pé, ainda durante a temporada 2016, afastou a tenista de 24 anos do circuito por um longo período. Em julho de 2017, a tenista chegou a ocupar o posto de 957 do mundo. A recuperação da confiança veio nos Masters anteriores ao Grand Slam norte-americano. Semifinalista em Toronto e Cincinnati, Stephens voltou a mostrar um tênis de alto nível.

Sua melhor campanha em Majors havia sido em 2013, quando chegou à semifinal do Australian Open. Naquele ano, a norte-americana foi derrotada pela futura campeã da edição, Victoria Azarenka

Campanha

  • R1: Stephens derr. Vinci - 2 sets a 0 - 7/5 6/1;
  • R2: Stephens derr. Cibulkova - 2 sets a 1 - 6/2 5/7 6/3;
  • R3: Stephens derr. Barty - 2 sets a 0 - 6/2 6/4;
  • 8as: Stephens derr. Goerges - 2 sets a 1 - 6/3 3/6 6/1;
  • 4as: Stephens derr. Sevastova - 2 sets a 1 - 6/3 3/6 7/6(4);
  •  

CoCo Vandeweghe (25 anos)

(Foto: Al Bello/Getty Images)

Treinada pelo ex-tenista australiano Pat Cash, CoCo faz parte de uma família de atletas bem sucedidos e vem buscando escrever a sua própria história. Dona de um saque muito potente, a tenista de 25 anos chegou ao US Open em baixa, após eliminações na estreia nos Masters de Toronto e Cincinnati.

No Grand Slam norte-americano, todavia, a má fase deu lugar à muita confiança, aces e poderosos forehands, responsáveis, inclusive, pela eliminação da principal favorita ao título, Karolina Pliskova. Até este torneio, a melhor campanha de Vandeweghe havia sido também uma semifinal, no Australian Open da atual temporada.

Campanha

R1: Vandeweghe derr. Riske - 2 sets a 1 - 2/6 6/3 6/4;
R2: Vandeweghe derr. Jabeur - 2 sets a 0 - 7/6(6) 6/2;
R3: Vandeweghe derr. Radwaska - 2 sets a 1 - 7/5 4/6 6/4;
8as: Vandeweghe derr. Safarova - 2 sets a 0 - 6/4 7/6(2);
4as: Vandeweghe derr. Pliskova - 2 sets a 0 - 7/6(4) 6/3;

Madison Keys (22 anos)

(Foto: Al Bello/Getty Images)

Com apenas 22 anos, Keys é a mais jovem dentre as semifinalistas. Figura dentre as 20 melhores do ranking da WTA desde 2015, ano em que conseguiu o resultado mais expressivo de sua carreira em torneios de Grand Slam: uma semifinal no Australian Open.

Atual número 16 do mundo, Keys vem lutando contra inúmeras lesões em 2017. Uma lesão no punho a afastou do circuito por alguns meses no início da temporada. Em Roland Garros e Wimbledon, longe de sua forma física ideal, caiu na segunda rodada. Melhor fisicamente, a discípula da lendária Lindsay Davenport chega à semifinal do US Open com uma campanha muito firme.

Campanha

  • R1: Keys derr. Mertens - 2 sets a 0 - 6/3 7/6(6);
  • R2: Keys derr. Maria - 2 sets a 0 - 6/3 6/4;
  • R3: Keys derr. Vesnina - 2 sets a 1 - 2/6 6/4 6/1;
  • 8as: Keys derr. Svitolina - 2 sets a 1 - 7/6(2) 1/6 6/4;
  • 4as: Keys derr. Kanepi - 2 sets a 0 - 6/3 6/3;