Federer, Nadal, retorno de Djokovic e muitas ausências: o guia VAVEL do Australian Open 2018

Janeiro recebe o início do Grand Slam de maior público do circuito. Confira o guia que a VAVEL Brasil preparou sobre o Australian Open, o primeiro da série de quatro grandes torneios da temporada internacional do tênis

Federer, Nadal, retorno de Djokovic e muitas ausências: o guia VAVEL do Australian Open 2018
Guia VAVEL do Australian Open 2018

Quando falamos de Aberto da Austrália, falamos de um torneio que merece ser elogiado. E no próximo dia 15, terá início o primeiro Grand Slam da temporada do tênis. Celebrando sua 106° edição, o torneio contará novamente com a presença de nomes como Roger Federer, Rafael Nadal, Novak Djokovic e muitos outros nas quadras de Melbourne. A VAVEL Brasil fará cobertura do torneio e transmissão em tempo real das partidas.

Mas, quem são os favoritos da edição 2018? Quem são os brasileiros que estão na disputa? As ausências de nomes como Andy Murray, Stan Wawrinka e Kei Nishikori vão pesar? Alguém pode surpreender? Sabendo disso, a VAVEL Brasil preparou este guia para facilitar a vida dos amantes de tênis! Confira o guia do Australian Open 2018!

♦ Roger Federer: Atual campeão, pode ser considerado o principal favorito ao título. Mesmo aos 36 anos, o suíço desponta neste início de temporada como o melhor tenista em ação, depois de suas ótimas atuações na Hopman Cup. Em Melbourne, busca seu sexto troféu.

+ Australian Open 2018: Em Melbourne, Roger Federer tentará seu 20° título de Grand Slam

♦ Rafael Nadal: Número um do mundo, espanhol viveu uma das melhores temporadas da carreira em 2017. No entanto, desde o US Open vem sofrendo de problemas físicos, inclusive teve de desistir do ATP Finals. Ainda não se sabe se "El Toro" estará 100% para o Major australiano.

+ Australian Open 2018: Rafael Nadal e a gana de triunfar novamente em Melbourne

♦ Alexander Zverev: Apesar da pouca idade, o alemão consolidou-se entre os melhores do mundo na temporada passada, com dois títulos de Masters 1000. No entanto, em Grand Slams, ainda não teve grandes resultados: sua melhor participação foram as oitavas em Wimbledon.

♦ Novak Djokovic: Afastado desde Wimbledon por conta de uma lesão no cotovelo, o sérvio retorna às quadras cercado de desconfiança, uma vez que desistiu do ATP 250 de Doha. Em 2017, o hexacampeão foi eliminado na segunda rodada do torneio australiano.

+ Australian Open 2018: Um novo Djokovic está por vir?

♦ Juan Martín Del Potro: Retornando ao top 10 depois de muitos anos, o argentino está cada vez mais adaptado novamente ao circuito. No US Open, surpreendeu ao chegar à semifinal, derrotando Federer e parando apenas do campeão, Nadal.

♦ Simona Halep: Líder do ranking mundial, a romena vem na melhor fase da carreira. Entretanto, ainda não conquistou um título de Grand Slam. Na temporada passada, foi finalista de Roland Garros. Neste ano, já conquistou um título: em Shenzhen.

+ Australian Open 2018: Simona Halep luta por seu primeiro Major

♦ Caroline Wozniacki: Por muitos anos, foi criticada por ser a número um sem Grand Slam. Desde o final da temporada passada, vem em grande fase: no último torneio de 2017, surpreendeu ao conquistar o WTA Finals.

♦ Garbiñe Muguruza: Número três do mundo, a espanhola viveu bom momento em 2017, ao ser líder do ranking e campeã de Wimbledon. No entanto, está sofrendo com uma lesão neste início de temporada e teve de desistir de dois torneios.

+ Australian Open 2018: Garbiñe Muguruza de olho no topo do ranking

♦ Elina Svitolina: Aos 23 anos, a jovem ucraniana entrou no top 5 no ano passado. Porém, não teve bom desempenho em Majors: teve como melhor resultado as quartas em Roland Garros. Neste ano, vem de título em Brisbane.

♦ Venus Williams: Finalista em 2017, norte-americana fez uma excelente temporada no ano passado, voltando ao top 5. Na Austrália, busca seu primeiro título: teve como melhor resultado as finais de 2003 e 2017.

+ Australian Open 2018: Venus Williams busca seu primeiro título em Melbourne

Rogério Dutra Silva: Único representante brasileiro na chave de simples, paulista de 33 anos vive boa fase na carreira. Neste ano, faz sua segunda participação em Melbourne: em 2017, chegou à segunda rodada.

♦ Bia Haddad Maia: Também única brasileira na chave, jovem paulistana vem em ascensão no circuito mundial. Atual top 70, faz sua quarta participação em Slams e estreia na Austrália.

♦ Marcelo Melo: Atual número um do mundo ao lado do polonês Lukasz Kubot, o mineiro é o principal favorito ao título. Seu melhor resultado em Melbourne foi a semifinal em 2015.

♦ Bruno Soares: Campeão do torneio em 2016 jogando com Jamie Murray, o mineiro não teve desempenho tão bom em Slams na temporada passada. Neste ano, vem de final em Doha.

+ Australian Open 2018: Melo e Soares vão em busca de mais um Grand Slam

♦ Grigor Dimitrov: Campeão do ATP Finals e atual número três do mundo, o búlgaro vive o melhor momento de sua carreira. Mostrando maturidade, defende a semifinal do ano passado, quando foi derrotado apenas no quinto set por Nadal. Busca seu primeiro Slam.

+ Australian Open 2018: Grigor Dimitrov, um ascendente que vem para bagunçar

♦ Dominic Thiem: Terminou a temporada passada jogando abaixo do esperado, neste ano, porém, já fez boa campanha em Doha, apesar de ter sido obrigado a desistir por conta de lesão. Também luta por seu primeiro título de Grand Slam.

♦ Marin Cilic: Atual número seis do mundo, croata vem de bom final de temporada. Dono de título de Major no US Open de 2014 pode surpreender novamente nas quadras rápidas, se estiver em uma boa semana.

♦ David Goffin: Vivendo grande fase, belga vem de vitórias espetaculares em cima de Federer e Nadal. Ainda sem ter levantados grandes troféus, defende as quartas de final da temporada passada.

♦ Jack Sock: Campeão do Masters 1000 de Paris, jovem norte-americano cresce cada vez mais no circuito. Apesar de ainda não ter tido bons desempenhos em Grand Slams, possui muito potencial para tal.

Uma das características mais marcantes do torneio é a alta temperatura vivenciada na cidade australiana de Melbourne. Em decorrência do calor, várias partidas em todos os anos terminam em desistências. Em 2009, tivemos o ano mais quente de todos, com uma média de 34,7°C devido a uma imensa onda de calor que atingiu uma parte da Austrália. Nas últimas edições do torneio, a média tem variado entre 27 e 28°C, porém com dias de altíssimo calor que ultrapassa os 40°C.

Devido ao clima, o torneio tem uma política de extremo calor. Em dias que a temperatura atingir 40°C, as paradas entre os sets serão de dez minutos, e entre os games serão de tempo determinado pelos jogadores. Entre os muitos jogadores que reclamaram do calor está o canadense Frank Dancevic, que chegou a desmaiar e alucinou em quadra, alegando que o calor faria as condições de jogo serem "desumanas".

Nome: Aberto da Austrália (Australian Open)
Lema: O Grand Slam da Ásia e do Pacífico.
Local: Melbourne Park
Superfície: Quadra dura (Plexicushion)
Comprometimento financeiro total: 19,703,000 A$ 
Pontuações: W (2000), F (1200), SF (720), QF (360), R4 (180), R3 (90), R2 (45), R1 (10)

(Foto: Divulgação/AUS Open)
(Foto: Divulgação/AUS Open)