Australian Open 2018: Rafael Nadal e a gana de triunfar novamente em Melbourne

O espanhol espera repetir o sucesso de 2017, quando chegou na final do torneio, porém dessa vez quer sair da decisão com o título

Australian Open 2018: Rafael Nadal e a gana de triunfar novamente em Melbourne
Guia do Australian Open 2018: Rafael Nadal e a gana de triunfar novamente  (Foto: Getty Images)

O primeiro Grand Slam da temporada com certeza não é um dos mais fáceis para Rafael Nadal. O espanhol número 1 do mundo só conseguiu conquistar o Australian Open uma única vez, em 2009, quando era 2º colocado no ranking mundial, enfrentou o atual líder da época, o suíço Roger Federer, e venceu por 3 sets a 2, em uma grande partida de 4 horas e 19 minutos de duração.

Nadal Já conquistou 86 títulos nível ATP, sendo que 75 foram em simples e 11 em duplas. Em Grand Slams o espanhol já tem 16 títulos, apenas 3 atrás do maior campeão da história, Roger Federer.

expectativa para o Australian Open 2018

Após uma grande temporada de redenção em 2017, onde chegou em 3 finais de Grand Slam, conquistando dois títulos, sendo um deles 'La Décima' em Roland Garros, o espanhol vem com total confiança.

A principal novidade do espanhol para esse será no uniforme. Rafael Nadal disputará o torneio esse ano sem mangas na camisa, assim como fez pela última vez em 2008.

O espanhol conheceu nesta quinta-feira seu primeiros adversário na edição 2018 do Australian Open, que começará dia 15. O primeiro duelo será contra o dominicano Victor Estrella Burgos, atual número 81 do ranking da ATP. Caso avance na competição, Nadal enfrentará na segunda rodada um dos argentinos Leonardo Mayer ou Nicolas Jarry.

Grand Slam osso duro de roer

Rafael Nadal teve 2004 como sua estréia no no torneio, saindo na terceira rodada. No ano seguinte, as oitavas foram o fim para o espanhol, que só voltou a atuar no torneio em 2007, onde parou nas quartas de finais. Em 2008, Nadal parou apenas nas semifinais para Jo-Wilfried Tsonga, mostrando que estava perto de conquistar seu primeiro título na Austrália.

E em 2009, finalmente o espanhol chegou no topo, quando bateu Roger Federer em um dos melhores jogos da última década. 2010 e 2011 não foram do mesmo sucesso para Nadal, que caiu em ambas as oportunidades nas quartas. Em 2012 a história foi diferente, com Nadal voltando a disputar uma final na Austrália, mas parando para o sérvio Novak Djokovic em, provavelmente, o jogo mais espetacular da história do torneio, que teve a duração de 5h53. 2013 ele não atuou por contusão, voltando apenas em 2014, onde chegou na final mais uma vez, só que foi derrotado pelo suíço Stanislas Wawrinka.

A trajetória do espanhol no torneio de 2015 começou de maneira tranquila, quando Nadal eliminou o russo Mikhail Youzhny. Na segunda rodada, a vitória veio, só que de maneira muito mais complicada que o esperado, quando o espanhol precisou de cinco sets para bater o modesto norte-americano Tim Smyczek. Na terceira rodada, mais uma vitória tranquila, dessa vez sobre o israelense Dudi Sela.

Nas oitavas foi a vez do espanhol encarar o sul-africano Kevin Anderson, onde venceu por 3 sets a 1. Só que na fase seguinte, Nadal começou muito mau e foi derrotado por Tomás Berdych, dando adeus à edição 2015 do Australian Open.

Em 2016 o espanhol teve curta passagem pelo torneio. Acabou surpreendendo a todos ao ser derrotado na primeira rodada pelo compatriota Fernando Verdasco por 3 sets a 2, com parciais de 7/6 (8/6), 4/6, 3/6, 7/6 (7/4) e 6/2.

Já no ano passado a surpresa foi positiva. Após um 2016 de baixos, Nadal entrou 2017 com a corda toda e já chegou no Grand Slam australiano ligado no 220.

Após um jogo espetacular de cinco sets na terceira rodada do torneio contra o alemão Alexander Zverev, o espanhol embalou na competição e chegou em sua quarta final. E na final teve mais um jogo épico contra Roger Federer, onde após cinco sets e  3h38min de jogo, acabou derrotado pelo suiço.