Paulo Coco destaca superação do Praia Clube frente ao Osasco: "Importante acreditar até o final"
Foto: Divulgação/ Praia Clube

O Praia Clube deu um grande passo para chegar à decisão da Superliga Feminina 2017/18. Nesta sexta-feira (23), a equipe aurinegra derrotou o Osasco, por 3 sets a 2 (23/25, 25/19, 25/23, 25/27 e 15/13), no primeiro duelo válido pelas semifinais da competição nacional. O confronto aconteceu na Arena Praia, em Uberlândia. 

Líder isolado na fase classificatória, o time mineiro travou um duelo bastante equilibrado contra o experiente Osasco. A equipe da casa, inclusive, largou atrás do marcador, mas logo buscou a virada. No entanto, as osasquenses venceram o quarto set, levando o duelo para o tie-break.

No fim prevaleceu a força da equipe de Uberlândia, que buscou uma incrível virada no quinto set e teve nas mãos de Fê Garay suas principais ações. A atacante marcou 26 pontos e foi eleita a melhor jogadora em quadra, faturando, assim, o Troféu VivaVôlei CIMED.

Outro grande destaque da partida foi a central Fabiana, maior pontuadora do Praia, com 21 acertos. Apesar da vitória na primeira partida da série, a bicampeã olímpica afirma que o time ainda não pode se dizer tranquilo. 

"Só estamos no começo e podemos esperar ainda mais desafios pela frente. Acredito que não poderemos nos dizer tranquilas até acabar essa semifinal. Sabemos que o Osasco é uma grande equipe e não podemos sossegar um segundo, pois sabemos que elas virão para cima. São boas atacantes, bloqueadoras, sacadoras. Então, temos que estar 100% todo o tempo. 

Sabemos que, a partir do momento que conseguirmos manter a tranquilidade e o ritmo de jogo, conseguiremos a vitória. Penso que foi isso que fizemos no quinto set. Começamos atrás e revertemos o placar. É essa tranquilidade e paciência que temos que ter", disse a bicampeã olímpica. 

O técnico Paulo Coco elogiou a postura de ambas as equipes e destacou a persistência do Praia, por acreditar até o final. O treinador também elencou quais os problemas enfrentados pelo seu time e indicou o que deve ser melhorado.  

"Sem dúvida foi o jogo mais disputado e difícil, com mais alternâncias de situações. Acho que nossa maior dificuldade hoje foi a falta de consistência. Não tivemos tão bem em algumas situações individuais e coletivas. Porém, foi importante o time acreditar até o final! Tivemos uma chance grande de fechar o quarto set, mas faltou um pouco de lucidez naquele momento. 

Mostrei que estava faltando agressividade e confiança de acreditar que, se déssemos um algo a mais, poderíamos vencer. E elas acreditaram nisso e conseguimos fechar o jogo. Mesmo começando tão mal o tie-break, conseguimos reverter o resultado. Por isso, essa vitória no playoff foi superimportante", declarou. 

O treinador ainda analisou o uso da tecnologia na partida. Nesta fase, o 'Desafio' pôde ser utilizado. A última vez em que isso ocorreu foi na decisão da Superliga 2012/13. Os técnicos podem solicitar desafio para os seguintes casos: bola dentro ou fora, toque de bloqueio, toque na rede, toque na antena e invasão durante o saque.

"O desafio é importante na partida. Quantas bolas achamos que seriam contrárias e foram revertidas! É superimportante que a gente evolua como voleibol brasileiro e tenhamos o desafio durante toda a Superliga. Acredito que seria um ganho fantástico. Sei que é caro a implementação, mas a evolução passa por aí. A Confederação tem que investir nesse aspecto porque é fundamental", apontou. 

No segundo jogo da série melhor de cinco, o Praia Clube visitará o Osasco, na próxima segunda-feira (26), às 19h, no ginásio José Liberatti. 

VAVEL Logo