Brasil passa por cima da Holanda, faz 3 a 0 e vai à final do Grand Prix

Seleção brasileira faz marcação eficiente nas atacantes Sloetjs e Pietersen que anotaram apenas 12 pontos em 3 sets após muitas tentativas; Foram 11 pontos de bloqueio

Brasil passa por cima da Holanda, faz 3 a 0 e vai à final do Grand Prix
Sheilla e Thaisa parando Pietersen no duplo enquanto Dani Lins faz a cobertura. Foto: Fivb/Divulgação
Brasil
3 0
Holanda

Na manhã deste sabádo o Brasil bateu a Holanda por 3 sets a o (25-18, 25-16, 25-23) em Bangkok, classificando-se para a final do Grand Prix de Vôlei 2016. É a quarta classificação brasileira para final na competição anual feminina nos últimos 5 anos.

O adversário virá da outra semifinal entre Estados Unidos e Rússia, a ser realizada ainda neste sábado na capital tailandesa. As seleções que decidiram o torneio passado se encontram numa revanche pra lá de especial.

Confira como foi a vitória brasileira contada pelo tempo real

A primeira parcial foi equilibrada com ataque da Holanda bem utilizado com Pietersen e Sloetjns mas a seleção brasileira não ficava atrás, porém usando o meio com as centrais Fabiana e Thaisa indo ao primeiro tempo técnico liderando por 8 a 6. Na segunda parcial o jogo de meio brasileiro foi menos acionado por Dani Lins e as dificuldades no passe começaram a aparecer, principalmente armando contra-ataques porém mais a frente o bloqueio entrou na partida deixando o ataque holandês orfã de Sloetjns. Brasil 25 a 18.

Brasil começou o segundo set atropelando, logo fez 8 a 2 na primeira parcial tendo boa atuação no bloqueio que somado a passagem de Thaisa no saque construiu a vantagem. Quando a segunda parcial teve ínicio parecia que o momento ia continuar porém a concentração baixou, os bloqueios não encontraram Plak, Pietersen e De Kruif, recolocando assim as europeias na partida. Nem tanto já que a diferença seguiu sob controle, Fê Garay dominou na parte ofensiva e Sloetjes seguia tendo desempenho ruim, fechando em 25 a 16 no segundo set.

As holandesas voltaram mais ligadas na partida baseadas no jogo de centro através de De Krujif e não dando a chance da seleção brasileira atacar indo a parcial na liderança por 8 a 5. Celeste Plak começava a ser tornar dona do terceiro set na parcial seguinte, sendo a única arma ofensiva já que Brujis volta e meia era detida pelo bloqueio. Foi no bloqueio que o time brasileiro retornou ao set, empatou em 20 a 20 e logo em seguida tomou a frente do marcador para fechar o set quando Natalia virou a última bola. Set, Match, 25 a 23.