Rumo à Olimpíada: seleção masculina de Vôlei do México

Mexicanos enfrentarão o Brasil na estreia do torneio. O Grupo A, o da morte, ainda conta com França, Itália, Canadá e Estados Unidos

Rumo à Olimpíada: seleção masculina de Vôlei do México
Jogadores mexicanos comemoram a conquista da última vaga para a disputa no Rio de Janeiro. (Foto: Divulgação/FIVB)

A seleção mexicana de vôlei se classificou na bacia das almas para a disputa dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro 2016. Os mexicanos venceram uma repescagem, criada pela Federação Internacional de Vôlei (FIVB) que não conseguiu explicar o por quê dela. Dos Jogos de Atlanta 96 a Londres 2012, a Copa do Mundo de Vôlei dava três vagas nas Olimpíadas, porém na edição de 2015 apenas duas seleções se classificaram.

A disputa aconteceu na Cidade do México, entre os dias 3 e 5 do mês de junho deste ano. A classificação só veio no último jogo e no critério de sets vencidos. A equipe, comandada pelo técnico Jorge Azair, venceu a Argélia por 3 sets a 0 e o Chile por 3 a 1. Na derradeira partida, o time precisava ganhar dois sets para ficar com a vaga e foi o que aconteceu. Os mexicanos foram derrotados pela Tunísia por 3 a 2 e carimbou o passaporte.

É a primeira vez que o México consegue uma vaga em Jogos Olímpicos na bola. A primeira e única participação havia sido nos Jogos Olímpicos de 1968, na Cidade do México, e a seleção foi como país sede.

A vinda para o Rio de Janeiro já pode ser considerada uma vitória para esta seleção. Porém o conto de fadas provavelmente deve acabar logo na primeira fase. Pior seleção ranqueada no torneio, 26º, o México caiu justamente no Grupo A, considerado o grupo da morte fo torneio, onde enfrentará seleções como Brasil, Itália, Estados Unidos, França e Canadá. Para se ter uma ideia do tamanho da encrenca, Brasil, Itália, Estados Unidos e França são apontados como os favoritos à conquista do ouro, junto com Rússia e Polônia, que estão no outro grupo. Já o Canadá, está entre as seleções que podem vir a ser uma pedra no caminho dos favoritos. Portanto, os mexicanos devem acabar sendo uma espécie de "bônus track" do grupo. Em se tratando de grupo da morte, cuja classificação geralmente é decidida no detalhe, quem perder um set para esta seleção, provavelmente voltará mais cedo pra casa.

Para entender o nível ao qual se encontra a seleção do México, na Copa Pan-Americana disputada em maio deste ano, também na Cidade do México, o time principal deles terminou na quarta colocação. O detalhe é que a campeã Cuba e a vice-campeã Argentina jogaram com suas seleções sub-23. O Canadá, que levou o seu time B, ficou em terceiro.

O México estreia nos Jogos Olímpicos justamente contra o anfitrião Brasil, no próximo dia 7, às 11h35 (no horário de Brasília). Dois dias depois, no mesmo horário, encara a França. No dia 11, às 20h30 enfrenta a Itália. Depois os mexicanos duelam contra os canadenses, no dia 13, também às 20h30. E fecham a primeira fase contra os vizinhos norte-americanos no dia 15, novamente às 11h35. Todos os jogos do torneio de vôlei serão realizados no ginásio do Maracanãzinho.

Destaque

Como diz o ditado, "Em terra de cego, quem tem um olho é rei". O levantador Pedro Rangel, de 27 anos, é o rei das quadras mexicanas, mas sem ser nenhum craque a nível mundial. O olho do camisa dez é devido a sua inteligência dentro de quadra e o bonito toque de bola. O problema é que os atacantes deixam a desejar nas finalizações.