Partida acirrada e show da torcida: Cruzeiro vence seleção da Polônia no tie-break

Duelo, que marcou a estreia do cubano Simon com a camisa celeste, visa a preparação polonesa para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro

Partida acirrada e show da torcida: Cruzeiro vence seleção da Polônia no tie-break
(Foto: Divulgação/Cruzeiro)
Cruzeiro
3 2
Polônia
Cruzeiro: Fernando Cachopa, Alan, Filipe e Leal, Simon e Éder Levi e o líbero Serginho. Entraram: Leozinho, Robert, Rodriguinho e Pedrão. Técnico: Marcelo Mendez.
Polônia: Kurek, Klos, Lomacz, Kubiak, Buszek, Bieniek e o líbero Zatorski. Entraram: Bednorz, Konarski e Mika. Técnico: Stephane Antiga.

Após faturar a última Superliga Masculina de Vôlei, o Cruzeiro voltou às quadras na noite desta sexta-feira (29), para enfrentar nada mais nada menos que a seleção da Polônia, que se prepara para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Era para ser um amistoso normal, mas a partida teve ares de uma final de campeonato. A Raposa levou a melhor por 3 sets a 2, com parciais de 23/25, 25/19, 25/23, 18/25 e 19/17, em um duelo que contou com viradas, show da torcida no Riachão, e um emocionante tie-break.

O Cruzeiro entrou em quadra desfalcado, uma vez que o levantador Willian e o oposto Evandro servem a seleção brasileira, além do central Isac, que se reapresentou ao elenco nesta semana, e faz um trabalho diferenciado de recondicionamento físico. No entanto, o técnico Marcelo Mendez contou com o cubano Simon, principal contratação da temporada, que deixou uma ótima impressão dentro das quatro linhas. 

"Isso aqui é espetacular. Conseguimos hoje um resultado muito bom. A torcida, todas essas pessoas, penso que é algo maravilhoso para mim jogar com esse apoio. Continuarei a trabalhar muito, para conseguir dar muitas alegrias para esse time e para essa torcida maravilhosa”, disse o central cubano.

Cruzeiro e Polônia voltam a se enfrentar na terça-feira (2), às 20h, para mais uma partida amistosa no Ginásio do Riachão, em Contagem/MG. Após o duelo, os poloneses embarcam para o Rio de Janeiro, onde iniciam a busca pelo ouro olímpico.

Panorama do Jogo

De um lado, Leal, Simón e Filipe. De outro, MikaKubiak e Kurek. Era o prenuncio do que estava por vir: uma partida acirrada. E assim foi. No primeiro set, cada bola era disputada como se fosse o ponto do jogo. Prova disso, é que a primeira parcial se manteve empatada até o 21º ponto. Simon e Alan, este último que substituia Evandro Guerra, eram garantias de bolas viradas para a equipe mineira. Mas o saque polonês decidiu e fechou o set em 25/23.

Na segunda parcial, Leal se destacou com vários ataques, juntamente com Éder Levi, que estava substituindo Isac, na ocasião. O jovem, inclusive, bloqueou dois ataques seguidos de Kurek, levantando a torcida. Fernando Cachopa também foi peça fundamental no segundo set, distribuindo bem as jogadas. Assim, o Cruzeiro conustruiu uma boa vantagem, fechando a parcial em 25/19, após um erro de saque de Klos.

A Raposa voltou para o terceiro set sem se encontrar em quadra. Diante disso, a Polônia aproveitou a situação e abriu vantagem por 5/1. No entanto, os mineiros buscaram a reação e encostaram no placar, em 12/13. O empate veio após um bloqueio de Éder Levi em Klos, enquanto a virada veio no mesmo fundamento, porém, com Filipe. A parcial foi fechada após boa atuação de Leal pelo meio de rede, fazendo 25/23.

Novamente, o Cruzeiro entrou na quarta parcial sem se concentrar. Os poloneses aproveitaram a situação e conduziram todo o set, até fecharem em 25/18, levando a partida para o tie-break. O duelo ganhava contornos emocionantes a cada ponto disputado, com as duas equipes empatadas. O saque da Polônia fez a diferença na reta final, abrindo vantagem em 13/11. Desde então, vários match points foram salvos pela Raposa, até que Éder Levi bloqueou Kurek, fechando a partida em 19/17.

(Foto: Renato Araújo/Divulgação Sada Cruzeiro)
(Foto: Renato Araújo/Divulgação Sada Cruzeiro)