Brasil e Argentina no vôlei: oscilação em quadra, equilíbrio no placar

Um jogo difícil garantiu o vôlei masculino brasileiro na semifinal da Rio 2016 que será disputada nessa sexta-feira no Maracanãzinho

Brasil e Argentina no vôlei: oscilação em quadra, equilíbrio no placar
Foto: Reuters

Agora é com eles, por elas. Na partida válida pelas quartas de final do vôlei masculino dessa quarta-feira (17), o Brasil passou por 3 sets a 1 (25/22, 17/25, 25/19 e 25/23) pela rival Argentina. O Ginásio do Maracanãzinho estava lotado nessa noite para apoiar a seleção masculina neste Jogos Olímpicos.

Com um duelo de torcidas, em quadra o jogo era tenso, a seleção brasileira se mostrava nervosa e errava bastante. Por outro lado, a seleção argentina aproveitava as chances e se colocava algumas vezes na frente do placar. No entanto, um jogador se destacou.

O oposto Wallace mostrou toda frieza de virar as bolas voltadas a ele. Vibrando a cada bola, o ponteiro Lipe fez a diferença na partida, contudo, saiu sentindo dores na região das costas. Ele irá passar por exames assim como companheiro Lucarelli para saber se estarão à disposição para a partida da semifinal diante a Rússia na sexta-feira (19) às 22h15 (Brasília).

O jovem ponteiro brasileiro ficou no chão após realizar um ataque, na hora ele avisou que havia machucado a coxa direita e preocupou o banco de reservas. A região do incômodo já estava com uma proteção, pois ele tinha reclamado de dores durante a semana, mas nenhuma lesão havia sido apontada.  

Sem Lucarelli desde o primeiro set, o Brasil iniciou perdendo, encostava no placar e tentando virar. Assim como a seleção brasileira que perdeu seu ponteiro principal, a Argentina ficou desfalcada um pouco antes. O argentino Conte machucou o tornozelo e não continuou naquele momento do jogo.

Com uma boa atuação nos Jogos, o ponteiro Lipe forçava e marcava ponto de saque. E assim encaminhou a virada do set, o líbero Serginho pediu o apoio da torcida e o Brasil fechou a primeira parcial em 25/22.

Embalado, o time brasileiro abriu o segundo set, mas logo atrás, a Argentina tomou a frente. O jogo todo foi dessa maneira, um equilíbrio no placar e uma oscilação no rendimento em quadra de ambas as seleções. Para os rivais, o craque argentino voltou para o jogo. O Brasil errava e era parado nas suas jogadas, naquele momento, os argentinos dominavam a situação no Maracanãzinho, 25/17.

Essa era a hora de reagir, o Brasil abriu quatro pontos de vantagem no terceiro set. o oposto Wallace pegou a responsabilidade da partida e chamava todas as bolas, enquanto isso o levantador Bruninho aproveitava o rendimento de seu companheiro e lançava as jogadas livres. O Brasil abriu uma vantagem de sete pontos e fechou o set no desafio pedido pelo técnico Bernardinho, 25/19.

O jogo ainda não estava definido, quem voltou melhor para o quarto set foi a Argentina que tentava levar o jogo para o tie-break. Foi preciso parar a partida em pedido de tempo para o Brasil se colocar novamente em quadra. O que poderia ser o último set para os nossos meninos, este estava sendo muito difícil.

O técnico brasileiro resolveu chamar o oposto Lucarelli para o lugar de Lipe que não tinha mais condições de jogo com fortes dores nas costas. O jovem que saíra no primeiro set por problemas musculares, retornou no fim da partida com dificuldades de permanecer em quadra. No entanto, seus companheiros Wallace, maior pontuado com 24 pontos,  e Lucão conduziram o fim de jogo para a vitória brasileira. Foi tenso, mas o Brasil conseguiu a classificação à semifinal ao fechar o último set em 25/23.