Ary Graça é reeleito na FIVB e Murilo mostra indignação: "Sério isso?"

O atual presidente foi eleito com unanimidade e o ponteiro alfinetou a escolha

Ary Graça é reeleito na FIVB e Murilo mostra indignação: "Sério isso?"
(Foto: Divulgação/CBV)

Não foi desta vez que Era de Ary Graça na FIVB chegou ao fim. Nesta quinta-feira (6), o presidente da entidade foi reeleito por mais oito anos durante o 35º Congresso Mundial da Federação Internacional de Vôlei, realizado em Buenos Aires, na Argentina. Entretanto, sua polêmica continuidade no cargo não passou despercebida pelo ponteiro Murilo, que mostrou indignação em sua conta no twitter.

Mesmo após passagem polêmica e renúncia na CBV, Ary Graça seguirá à frente da maior entidade do vôlei internacional. Sem oposição, Graça foi eleito por decisão unânime das cinco Confederações Continentais, decisão aprovada pelos 226 delegados. O brasileiro comanda a FIVB desde 2012 e seguirá na função até 2024.

"O voleibol está, sem dúvida, em uma era de ouro de sucesso e é uma honra para mim ter a oportunidade de fazer parte desse grande sucesso e levar nosso esporte para alturas ainda maiores. Não há limite para a evolução do voleibol, não há limite para o sucesso da modalidade e não há limite para o número de pessoas ao redor do mundo que podem inspirar", afirmou o presidente da FIVB.

Apesar da unanimidade na eleição, teve gente que não ficou satisfeita. Crítico da gestão de Ary Graça, Murilo, ponteiro medalhista de prata nos Jogos Olímpicos de Pequim 2008 e Londres 2012, mostrou sua indignação no twitter:

Vale lembrar que, em 2014, o vôlei brasileiro passou por um momento de crise que se estendeu por muitos meses, o que culminou no pedido de renúncia de Ary Graça da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV). Graça recebeu diversas denúncias de corrupção em contratos de patrocínio e pediu para sair após 17 anos. Murilo, inclusive, foi um dos que mais criticou a postura da Confederação nos últimos anos.

Murilo criticou bastante Ary Graça na última Liga Mundial, quando a Seleção Brasileira ficou com a medalha de prata e o presidente da FIVB sequer cumprimentou os atletas no pódio.