Em festa de lançamento da Superliga, CBV anuncia novidades para a temporada 2016/17

Além da presença de um número maior de campeões olímpicos e atletas estrangeiros, a Confederação apresentou modificações no regulamento para este ano

Em festa de lançamento da Superliga, CBV anuncia novidades para a temporada 2016/17
(Foto: Divulgação CBV)

A apenas dois dias do início da principal competição de vôlei do país, a CBV reuniu na manhã desta segunda-feira (24), em uma churrascaria de São Paulo, representantes dos 24 clubes que disputarão a Superliga 2016/17 - tanto em sua vertente masculina quanto na feminina - para a festa de lançamento da competição. Em sua 23ª edição, a liga reunirá nada menos que 25 medalhistas olímpicos, sendo 10 deles campeões nos Jogos Olímpicos do Rio, em agosto deste ano.

"É um atrativo grande para um produto vitorioso como já é a Superliga. Você poder contar com 10 campeões olímpicos recentes em um campeonato é muito legal. Espero que o público, e todo mundo do meio, aproveitem isso, façam com que dê uma alavancada maior no esporte. O vôlei é a minha paixão, a minha profissão, e eu luto diariamente para que mais pessoas tenham acesso, para que o campeonato seja mais legal, mais atrativo. Acho que melhor que isso é impossível, só se tivessem os 12 (campeões olímpicos)" declarou William, campeão mundial pelo Sada Cruzeiro no último domingo.

Ainda em referência aos benefícios de se ter uma quantidade tão grande de campeões pela Seleção Brasileira disputando a liga, o Diretor Executivo da CBV, Ricardo Trade, destacou a importância da competição na sequência da disputa dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro e do aumento das transmissões da Superliga. 

"Esta edição da Superliga será especial por vir na sequência dos Jogos Olímpicos no Brasil, onde o voleibol teve uma proeminência muito grande, não só com os títulos, mas pelos ginásios lotados, o fluxo de público e a audiência na TV, isso foi especial. Também conseguimos manter 10 dos 12 campeões olímpicos jogando aqui no país, o que mostra força do campeonato, que ainda trouxe 16 estrangeiros, entre eles medalhistas olímpicos. Estamos muito bem no aspecto de transmissões, o SporTV já terá mais de 100 jogos ao vivo e, agora, teremos a RedeTV transmitindo mais 52 partidas na TV aberta em horário nobre nas quintas e aos sábados. Estes são ganhos especiais e cada vez mais nos tornamos uma liga mais profissional. Na CBV teremos um atendimento exclusivo à Superliga para cuidar com carinho desta competição", disse Trade.

Outro atrativo do qual os fãs do voleibol poderão desfrutar nesta temporada será a presença de grandes estrelas do esporte mundial que atuarão por clubes da Superliga. No masculino, o torneio contará com cinco jogadores - quatro cubanos e um argentino. O Sada Cruzeiro tem dois em seu elenco: o central Simón, que chegou ao time mineiro nesta temporada, e o ponteiro Leal, que ainda está em processo de naturalização para se tornar brasileiro. O central Mesa defenderá o Funvic Taubaté, e o oposto Bisset será atração no jovem time do Minas Tênis Clube. No JF Vôlei está o líbero argentino, Juan Mendez, filho do técnico do Cruzeiro, Marcelo Mendez. 

Entre as mulheres, o Rexona-Sesc se reforçou com a holandesa Anne Buijs. O Vôlei Nestlé contratou as sérvias Tijana Malesevic, medalha de prata nos Jogos Olímpicos do Rio, e Ana Bjelica. O Genter Vôlei Bauru trouxe as dominicanas Prisila Rivera e Brenda Castillo. O Pinheiros se reforçou de duas argentinas olímpicas, a central Mimi Sosa e a ponteira Tanya Acosta. Já o Rio do Sul renovou com a também argentina Tatiana Rizzo, e o Dentil/Praia Clube manteve no elenco a oposta cubana Ramirez e a ponteira norte-americana Alix.

A temporada 2016/17 ainda contará com mais novidades no próprio regulamento da competição. Durante a apresentação, o Diretor de Voleibol de Quadra da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV), Radamés Lattari Filho, declarou que haverá uma redução no número de rodadas intermediárias nesta edição da Superliga, algo que vinha sendo revindicado por atletas e treinadores. "Esse ano só teremos três rodadas intermediárias. Teremos oito rodadas que são disputadas uma partida por semana, com isso vai ter tempo para uma melhor preparação, melhor recuperação e melhor apuro técnico por parte dos atletas. Estamos tentando, dentro do possível, atender todas as reivindicações" declarou.

Além disso, as partidas semifinais da chave feminina passarão a ter cinco jogos, assim como as semis e quartas de finais do masculino.

Nesse ano, o braço masculino da liga contará com ada Cruzeiro (MG), atual tricampeão, Brasil Kirin (SP), atual vice-campeão, Funvic Taubaté, atual terceiro colocado, Sesi-SP, Montes Claros Vôlei (MG), Vôlei Canoas (RS), Maringá Vôlei (PR), JF Vôlei (MG), Minas Tênis Clube (MG), Bento Vôlei (RS), São Bernardo Vôlei (SP) e Caramuru Castro (PR).

Na versão feminina, disputarão o título Rexona-Sesc (RJ), atual campeão, Dentil/Praia Clube (MG), atual vice-campeão, Camponesa/Minas (MG), Vôlei/Nestlé (SP), Sesi-SP, Rio do Sul (SC), Esporte Clube Pinheiros (SP), Terracap/BRB/Brasília Vôlei (DF), São Cristóvão Saúde/São Caetano (SP), Concilig/Finch/Bauru Vôlei (SP), Fluminense Futebol Clube (RJ) e Renata Valinhos/Country (SP).