Com autoridade, Brasil conquista o Sul-Americano de Vôlei Masculino pela 31ª vez

Após vice-campeonato da Liga Mundial, Brasil mantém hegemonia sobre os rivais sul-americanos e garante vaga no Mundial de 2018

Com autoridade, Brasil conquista o Sul-Americano de Vôlei Masculino pela 31ª vez
Foto: Divulgação/ CSV
Brasil
3 0
Venezuela
Brasil : BRUNO, WALLACE, LUCARELLI, MAURÍCIO SOUZA, MAURÍCIO BORGES, LUCÃO. LÍBERO: THIAGO BRENDLE. TÉCNICO: RENAN DAL ZOTTO.
Venezuela : GONZÁLEZ, RODRÍGUEZ, VALENCIA, CARRASCO, VERDI, FAYOLA. LÍBERO: MATA. TÉCNICO: RONALD SARTI.
Placar: 1-0, 25/21 ||| 2-0, 25/6 ||| 3-0, 25/18.
INCIDENCIAS: PARTIDA VÁLIDA PELA DECISÃO DO TORNEIO SUL-AMERICANO DE VÔLEI MASCULINO, SENDO DISPUTADO NO CENTRO OLÍMPICO DE SANTIAGO, CHILE.

Sem perder um set sequer nos cinco jogos que disputou, a Seleção Brasileira Masculina conquistou pela 31ª vez o Campeonato Sul-Americano de Vôlei. Jogando em Santiago, no Chile, na última sexta-feira (11), o Brasil venceu a Venezuela por 3 sets a 0, com parciais de  25/21, 25/6 e 25/18.  

Com a conquista, a primeira sob o comando do técnico Renan Dal Zotto, o Brasil garantiu vaga no Mundial de 2018, competição mais importante depois dos Jogos Olímpicos, que será disputado em duas sedes: Bulgária e Itália. A Seleção Brasileira é a maior vencedora do Sul-Americano. O time verde e amarelo conquistou o campeonato nas 31 vezes em que participou; em 1964, não disputou.

A Seleção de Ouro volta às quadras no próximo domingo (13). Em amistoso à ser disputado no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, o Brasil encara os Estados Unidos, às 10h. Um novo encontro entre brasileiros e norte-americanos acontecerá na terça-feira (15), na Arena Amadeu Teixeira, em Manaus, às 20h.

Seleção Brasileira começa bem, permite reação, mas sai na frente na decisão 

Explorando o bloqueio dos venezuelanos, a Seleção Brasileira abriu boa vantagem e foi para o primeiro tempo técnico com cinco pontos de vantagem: 8 a 3.  Com direito a bloqueio de Maurício Souza e ace de Lucão, o Brasil ampliou a diferença para nove pontos, obrigando o técnico Ronald Sarti a pedir tempo.

Impressionado com tamanha facilidade, o time brasileiro cometeu diversos erros por falta de atenção. A Venezuela aproveitou o momento ruim da seleção verde amarela, reagiu e encurtou a diferença para quatro pontos: 18 a 22. Percebendo que o adversário poderia complicar o jogo, o Brasil manteve a concentração e fechou a parcial: 25 a 21.

Após pequeno susto, Brasil massacra no segundo set e confirma título 

Com uma postura mais agressiva, o time comandado por Renan Dal Zotto não deu chances ao adversário. Na parada para o segundo tempo técnico o placar apontava um massacre: 16 a 1. Desta vez o ritmo não caiu. Todos os fundamentos funcionaram com perfeição e o jogo mais parecia um treinamento de luxo: 25 a 6.

A terceira parcial se apresentou como a mais equilibrada do confronto. Com disputa em ponto a ponto, o Brasil só conseguiu abrir uma vantagem confortável após o segundo tempo técnico: 19 a 14.

Com tranquilidade, o time verde e amarelo soube administrar a parcial, fazendo a bola rodar para forçar o time venezuelano ao erro. A estratégia funcionou e o Brasil conquistou o Sul-Americano pela 31ª vez: 25 a 18.


Share on Facebook