Sesc-RJ sai perdendo, supera polêmica com arbitragem e bate Camponesa/Minas

Em jogo emocionante marcado pela expulsão de Drussyla, equipe carioca mostra enorme bravura e vence por 3 sets a 1, na Arena Minas

Sesc-RJ sai perdendo, supera polêmica com arbitragem e bate Camponesa/Minas
(Foto: Divulgação/CBV)
Camponesa/Minas
1 3
Sesc-RJ

Em uma rodada repleta de confrontos diretos entre os primeiros colocados, Camponesa/Minas (quinto colocado) e Sesc-RJ (vice-líder) entraram em quadra na tarde deste domingo (26), em duelo válido pela nona rodada da Superliga Feminina.

Ainda invicto na competição, o time carioca teria pela frente, em plena Arena Minas, um adversário forte e motivado. Um triunfo recolocaria o Camponesa/Minas na cola de Osasco e Barueri, terceiro e quarto colocados, respectivamente. 

Apesar do apoio de sua torcida, as donas da casa não foram páreo para a solidez e força mental da equipe de Bernardinho. Superando um primeiro set bem abaixo e inúmeras polêmicas de arbitragem, o Sesc-RJ venceu de virada por 3 sets a 1, parciais de 15/25, 25/23, 25/19 e 25/22. A central Vivian foi eleita a melhor da partida e ficou com o Troféu Viva Vôlei. 

A vitória levou o Sesc-RJ aos 26 pontos, apenas um de diferença do Dentil Praia Clube. Na próxima sexta-feira (01), líder e vice-líder se enfrentam, em uma partida sem favoritos, na Jeunesse Arena, Rio de Janeiro.

O Camponesa/Minas estacionou nos 15 pontos, mas terá grande chance de se recuperar já na próxima rodada. Em mais um confronto direto pelas primeiras posições da classificação, as mineiras recebem o Hinode Barueri, quarto colocado, também na sexta-feira (01).

Resumo da partida

Vivian foi eleita a melhor em quadra (Foto: Divulgação/Sesc-RJ)

O Sesc-RJ começou o jogo muito nervoso, cometendo inúmeros erros na combinação de jogadas. Se aproveitando disso, o Minas rapidamente abriu 4 a 1, obrigando Bernardinho a pedir tempo. Na volta à quadra, Drussyla cometeu três erros de ataque consecutivos, e a diferença subiu para 7 a 2. Mostrando enorme disciplina nos fundamentos, as donas da casa sufocavam o rival carioca no saque e com bloqueios encaixadíssimos.

Com o placar apontando 12 a 5, Bernardinho parou novamente, buscando alguma reação de suas atletas. Muito insatisfeito com o desempenho de sua equipe, o treinador carioca sacou Drussyla, promovendo Kasiely. Nenhuma mudança pareceu fazer efeito, e o Minas seguiu pressionando demais no saque. Sem resposta ao volume das donas da casa, o Sesc-RJ sucumbiu rapidamente: 25/15.

A derrota acachapante na primeira parcial acordou o Sesc-RJ. Com uma bela passagem de Roberta pelo saque, as cariocas abriram 6 a 1, e Lavarini parou a partida. Na volta do tempo, o Minas tratou de reagir, diminuindo a desvantagem para apenas dois pontos: 7 a 5. Quando as cariocas lideravam por 13 a 9, Rosamaria brilhou no saque e levou o Minas ao empate.

O jogo pegou fogo com a expulsão de Drussyla, após a ponteira reclamar demais de uma marcação equivocada da arbitragem. Apesar do episódio, o Sesc-RJ manteve a cabeça no lugar e continuou no jogo, a partir de bons ataques de Monique e Juciely. Mostrando muito brio, as cariocas venceram por 25/23, igualando a partida em 1 a 1.

O terceiro set começou bastante equilibrado, com as duas equipes trocando pontos. Quando a parcial foi caminhando para sua metade, o Sesc-RJ aumentou o volume e abriu 16 a 9, crescendo demais na relação saque-bloqueio e defesa. Lavarini pediu tempo e o Minas reagiu, cortando a vantagem para apenas três pontos: 17 a 14. Com maturidade e Peña inspirada, a equipe carioca freou o ímpeto mineiro e fechou em 25/19, virando a partida em Belo Horizonte.

Assim como a terceira parcial, o quarto set começou disputado. O Sesc-RJ abriu 5 a 3, mas o Minas reagiu e empatou. Quando as donas na casa venciam por 10 a 8, foi a vez das cariocas reagirem e virarem para 12 a 10. As alternâncias de liderança seguiram, sem nenhuma equipe desgarrar demais no marcador. Na reta final, o Sesc-RJ mostrou muita maturidade e fechou a partida, 25/22.