San Siro vai ser o palco da final da "Champions"

A final da Liga dos Campeões é em Milão e por lá já passaram muitas equipas portuguesas.

San Siro vai ser o palco da final da "Champions"
San Siro vai ser o palco da final da "Champions"

A final da edição, desta época, na Liga dos Campeões é em Milão. Pela primeira vez, os dois inquilinos de San SiroAC Milan e Inter, fizeram jejum absoluto das taças europeias e esta é mais uma época de poucos lustres para ambos. O “inferno” já não é o que era dantes.

Infernal foi, de facto, em 1965, quando o Benfica jogou lá a sua quinta final dos Campeões, e o guarda-redes Costa Pereira teve uma intervenção que parecia fácil e acabou no golo decisivo que deu a taça ao Inter. A juntar à festa, o guardião lesionou-se e os encarnados tiveram que recorrer ao defesa Germano para ocupar o lugar na baliza. O Estádio de San Siro foi inaugurado em 1926 e nasceu de um grande impulso dado por um conhecido industrial milanês, Pier Pirelli, que sonhava com um ambiente de inferno para os visitantes. A rivalidade ajudou a criar essa imagem, a curva norte para o Inter e a sul para o AC Milan. A atmosfera de alguns jogos reforçou a lenda: o Inter-Milan (6-3) na inauguração, uma vitória dos Camarões sobre a Argentina e o clamoroso triunfo da Itália frente  ao Brasil em 1956, à vista de mais de 80 mil espetadores, fizeram história.

Jogar em San Siro é um sonho para qualquer equipa. A CUF conseguiu cumpri-lo e lá fez dois jogos no tempo de Cesare Maldini e do então mecânico de automóveis, Fernando Oliveira (atual presidente do Vitória de Setúbal) que tinha marcado um golo no Barreiro. O empate na eliminatória determinou o sorteio, feito com um disco de madeira, e o terceiro jogo em Milão, quinze dias depois, terminou com a derrota da CUF por 1-0. O Boavista, de Manuel José, também teve esse priviligéio e o empate sem golos valeu o apuramento frente aos 'nerrazurri', que mais tarde se viria vingar com uma goleada. O Sporting perdeu dois jogos com o Inter e outro com o AC MilanSporting de Braga só foi derrotado por um golo dos “rossoneri” marcado aos 92 minutos, por intermédio de Ronaldinho. San Siro tem agora o nome de Giuseppe Meazza, em homenagem a um jogador que representou os dois clubes de Milão, e uma das imagens de marca do estádio são as tribunas. Curiosamente, à mais alta dá-se o nome de girafa e à mais próxima do relvado, o de elefante.