Euro 2016: O RX dos laterais - Vieirinha

Analise aqui o percurso de um dos convocados de Fernando Santos para o Euro 2016.

Euro 2016: O RX dos laterais - Vieirinha
Vieirinha numa disputa de bola com Kwadwo Asamoah, frente ao Gana, num jogo a contar para o grupo G do Mundial 2014.

Inesperado lateral-direito, Vieirinha começou a carreira como extremo e só teve a primeira internacionalização com 27 anos, quando já alinhava nos quadros do Wolfsburg. Agora, com 30 anos, está convocado por Fernando Santos para representar a turma das quinas no Euro 2016.

Incapaz de se afirmar no FC Porto, foi emprestado a... Fernando Santos

Foi uma das estrelas da geração sub-17 que, em 2003, venceu o Europeu em Viseu, frente à Espanha, mas, em boa verdade, Vieirinha não teve um início de carreira fácil como seria de esperar, procurando (sem sucesso) espaço no plantel portista e acabando por ser emprestado várias vezes. 

A passagem pelo Porto não foi a mais feliz // Foto: backpageimages.com/Jed Leicester
A passagem pelo Porto não foi a mais feliz // Foto: backpageimages.com/Jed Leicester

Em 2005/06, vindo da equipa B dos dragões, o então extremo de 20 anos foi emprestado ao FC Marco para rodar na segunda liga, onde também jogava o guarda-redes Beto, e acabou por marcar 4 golos em 14 jogos.

No entanto, ainda que findo esse período lhe fosse reconhecido um talento para o futuro azul e branco e lhe tivesse sido dada uma oportunidade na formação principal dos «dragões», Vieirinha não conseguiu agarrar o lugar (apenas 1 golo em somente 11 jogos) e acabou por ser emprestado mais 2 vezes: primeiro, ao Leixões, em 2007/08 (onde reecontrou Beto e jogou por 24 vezes, concretizando 3 golos) e, depois, ao PAOK, que era orientado por Fernando Santos, clube que acabaria por adquirir o seu passe e marcar grande parte da sua carreira.

Do PAOK para o Wolfsburg: mudam-se os clubes, mudam-se as posições

Foi isso mesmo: Vieirinha passou de extremo promissor a um lateral-direito de reconhecida competência e qualidade.

Se, nos tempos em que jogou pelo clube grego - entre 2008/09 e Janeiro de 2012 -, o jogador português era uma mais-valia para Fernando Santos, Mario Beretta e Laszlo Bölöni como extremo, marcando um total de 28 golos em 128 jogos, na Alemanha a vida do atleta ganhou outro rumo.

De facto, tal facto é até mesmo visível na selecção nacional: em Novembro de 2011, Paulo Bento chamava Vieirinha e dissipava as dúvidas que o extremo poderia ter entre optar pela selecção grega - na altura, orientada por Fernando Santos - e a portuguesa, mas a primeira internacionalização AA do jogador acabaria por acontecer já no Wolfsburg.

Vieirinha descobriu, com sucesso, uma nova posição ao serviço do Wolfsburg
Vieirinha descobriu, com sucesso, uma nova posição ao serviço do Wolfsburg

O clube alemão soube ver no português que havia comprado aos gregos por 4 milhões de euros uma propensão natural para vingar numa área mais recuada do corredor direito e, apostando nas suas qualidades, transformou-o num lateral de excelência e considerado pelos adeptos como o melhor defesa-direito, numa votação levada a cabo no site oficial da Bundesliga, em 2014/15. 

Desde então, Vieirinha soma apenas 6 golos, mas um total de 138 jogos pelos The Wolfes e já participou em 19 jogos pela selecção principal de Portugal, com 1 golo marcado, tendo envergado, aliás, a prestigiosa camisola 10 por Portugal no Mundial de 2014, no Brasil.

O lateral-direito, natural de Guimarães, tem contrato com o Wolfsburg até Junho de 2018 e seguirá com a turma portuguesa para França, onde enfrentará a concorrência de Cédric por um lugar no onze inicial luso.

Vieirinha usou o nº 10 no Mundial do Brasil
Vieirinha usou o nº 10 no Mundial do Brasil

Futebol Internacional