Frieza italiana atira Spurs para fora da Liga dos Campeões

A Juventus foi a Londres vencer o Tottenham por 2-1 num jogo onde os ingleses foram superiores em quase todo o jogo e onde as alterações de Allegri e experiência dos italianos acabaram por decidir a eliminatória

Frieza italiana atira Spurs para fora da Liga dos Campeões
Frieza italiana atira Spurs para fora da Liga dos Campeões

  O mítico estádio de Wembley recebeu esta quarta feira o jogo grande da noite, onde Tottenham e Juventus se encontraram para decidir quem carimbava o passaporte para os quartos de final da Liga dos Campeões. 

  Em relação ao jogo da primeira mão, ambas as equipas fizeram algumas alterações no seu onze inicial. No lado da equipa da casa, Mauricio Pochettino lançou no ataque o sul-coreano Son que tem estado em grande forma, e relegou para o banco de suplentes Erik Lamela. Na defesa, Trippier substituiu o castigado Aurier. 

  Do lado da equipa italiana, Massimiliano Allegri já pôde contar com a estrela da equipa Paulo Dybala, que no jogo da primeira mão se encontrava lesionado. No meio campo, o francês Matuidi ocupou a vaga deixada pelo lesionado Bernardeschi. 

  O árbitro polaco Szymon Marciniak mal tinha apitado para o início do encontro e pouco depois já quase os adeptos dos spurs gritavam golo. Aos 3 minutos, Son recebe a bola na esquerda e com uma boa finta tira Barzagli do caminho rematando para uma grande defesa de Buffon. 

  A resposta da Juventus não tardou e aos 6 minutos, depois de um cruzamento de Douglas Costa, a bola foge por pouco a Higuaín que não conseguiu cabecear como desejava. 

  O Tottenham voltou a criar perigo e aos 15 minutos surgiu uma grande oportunidade para Harry Kane que, depois de um passe excelente do compatriota Dele Alli, ganha em velocidade ao central Chiellini e isola-se frente a Buffon tirando o guardião italiano do caminho com uma finta. Kane só pecou na finalização e o remate decisivo acabou por passar ao lado do poste da Juventus. 

  A vecchia signora formava uma linha de quatro defesas que se desfazia numa linha de três, fazendo com que Alex Sandro se projetasse na frente quase como um extremo e do lado oposto o mesmo acontecia com Douglas Costa. Na frente, Dybala e Higuaín jogavam lado a lado com Pjanic mais perto dos argentinos. 

  A equipa de Pochettino continuava a assumir o jogo e para contrariar a entrada forte da equipa inglesa, Allegri colocou Khedira e Matuidi como os homens que pressionavam mais alto o meio campo do Tottenham tentando assim recuperar a bola o mais rápido possível. 

  No entanto, mesmo com esta tentativa de pressão da equipa italiana, os spurs mostravam-se confortáveis no jogo e Dembélé acabou por assumir um papel essencial na equipa da casa pois era dele que a equipa saia a jogar, sendo o belga o responsável pelo transporte de jogo para a frente

  A meio da primeira parte, mais um lance de perigo para o Tottenham. Depois de uma jogada de insistência da equipa inglesa, Son voltou a tentar inaugurar o marcador com um cabeceamento que Buffon defendeu para a frente com relativa tranquilidade. 

  O jogo continuava a ser dominado pelo Tottenham, com a formação de Pochettino cada vez mais instalada no meio campo. Graças a este domínio, a Juventus era obrigada a procurar a profundidade com passes longos para Dybala e Higuaín que raramente foram capazes de receber a bola ou criar perigo. 

  À meia hora de jogo, surge um bom remate de Ali que aparece sozinho depois de um corte apertado de Chiellini. O inglês rematou à vontade precisamente por Matuidi e Khedira se encontrarem a pressionar tão alto e não terem sido capazes de recuperar para defender. 

  O sul-coreano Son voltou a ameaçar aos 37 minutos depois de a pressão alta da Juventus ter falhado. O extremo partiu com tudo para cima da defesa da equipa italiana e tirou com facilidade Chiellini do caminho rematando com muito perigo, fazendo os adeptos do Tottenham suspirar por mais um lance falhado. 

  Ora, o tão desejado golo pelos ingleses surgiu mesmo um minuto depois. Kane veio atrás buscar a bola pouco depois do meio campo e combinou com Eriksen que com um passe a rasgar para Ali isolou o inglês que viu o seu remate ser cortado. A bola sobrou para Trippier que cruzou para Son e desta vez o inspirado sul-coreano não desperdiçou e abriu o marcador para os da casa. 

  O melhor que a equipa italiana conseguiu fazer na primeira parte surgiu logo a seguir ao golo sofrido com um remate de Pjanic à entrada da área dos spurs a passar muito perto do poste direito de Lloris. 

  Ao intervalo, o Tottenham estava em vantagem no marcador e na eliminatória e só podia estar contente com os primeiros 45 minutos realizados, a encostar verdadeiramente a Juventus "às cordas", com Son a colocar a defesa dos italianos constantemente em situações de aflição. 

  O jogo recomeçou sem alterações em nenhum dos lados e a segunda parte começou novamente com Son a causar calafrios aos adeptos da Juventus. Aos 56 minutos, rematou em jeito e a bola passou muito perto da baliza do experiente guarda redes italiano

  Aos 60 e 61 minutos, Allegri decide mudar o esquema tático da Juventus e fez entrar dois laterais: Asamoah e Lichesteiner. Estava aí a chave do jogo, com a defesa dos spurs a perder as referências da marcação. Logo aos 64 minutos, surge o golo do empate graças a precisamente um cruzamento do recém entrado Lichesteiner. Cruzamento para Khedira que cabeceou para Higuaín e o argentino apareceu sozinho e bateu pela primeira vez Lloris.  

  Com o Tottenham ainda desorientado depois do golo sofrido, a Juventus não precisou mais do que 3 minutos para virar por completo a eliminatória. Aos 67 da segunda parte, Higuaín recebe a bola de costas para a baliza segurando-a com categoria. Melhor ainda, com um passe de morte aproveitou o adiantamento da defesa dos spurs para isolar Paulo Dybala que na cara de Lloris não perdoou e levou os adeptos da vecchia signora à loucura em Wembley. 

  A partir daí, a Juventus foi uma verdadeira equipa italiana e fez o que melhor sabe fazer. Soube sofrer e esteve organizada a nível defensivo tentando sempre que podia quebrar o ritmo do jogo, tentando guardar a posse de bola. 

  Aos 77 minutos, surge um corte verdadeiramente decisivo de Chiellini depois de um passe de primeira de Son para Harry Kane que já se preparava para encostar para o empate. 

  A equipa inglesa continuava a carregar e já com Lamela em campo esteve perto de marcar novamente aos 81 minutos com um remate de Eriksen a ser cortado por Asamoah. No minuto a seguir, quem mais poderia ser? Son, pois claro, volta a rematar e a bola passa centímetros ao lado da baliza de Buffon

  Se neste lance a bola passou perto do poste, aos 89 minutos surge a última grande oportunidade do jogo. Harry Kane viu o seu cabeceamento esbarrar no poste da equipa italiana e quando Lamela já se preparava para colocar Wembley em delírio, pronto para encostar a bola para o fundo da baliza, surge o corte de Barzagli que negou ali, naquele momento, o sonho do Tottenham em levar o jogo para prolongamento. Desespero dos jogadores de Pochettino que viram mais uma vez o golo do empate ser negado.

  Nos 3 minutos de desconto dados pelo árbitro, os spurs colocaram toda a gente na frente mas a defesa da Juventus não voltou a tremer e o Tottenham acabou por ser mesmo eliminado e cair aos pés da matreira e experiente equipa italiana. 

  A Juventus segue para os quartos da liga milionária, num jogo onde em 5 minutos, todo o domínio inglês caiu por terra graças às alterações de Allegri na equipa e à experiência e classe na hora da finalização.