Cura para "depressão" dos Gunners estava em Itália

O AC Milan perdeu em casa com o Arsenal (0-2), em jogo a contar para a primeira mão dos oitavos de final da Liga Europa. Os londrinos levam uma vantagem importante de dois golos para a segunda mão

Cura para "depressão" dos Gunners estava em Itália
Ramsey festeja o segundo golo londrino em Itália

  Um dos jogos mais esperados desta quinta feira da Liga Europa teve lugar em Itália, no Giuseppe Meazza com o AC Milan a receber o Arsenal.

  O Milan, que se encontrava no melhor momento de forma da época, tendo somado 10 vitórias nos últimos 13 encontros oficiais realizados, apresentou em campo o mesmo 11 inicial que tinha jogado no último jogo contra a Lázio, numa partida a contar para as meias finais da Taça de Itália. O internacional português André Silva ficou no banco de suplentes.  

  Já Arsène Wenger, que tem sido alvo de críticas em Inglaterra face aos últimos maus resultados e à incapacidade da equipa de praticar bom futebol, vindo de de 4 derrotas consecutivas, lançou Welbeck na frente de ataque. O treinador francês colocou Iwobi no banco para a entrada de Aaron Ramsey num onze onde o habitual guarda redes Petr Cech viu Ospina ser titular. 

  A equipa orientada por Gattuso entrou forte no jogo e à procura de explorar o mau momento do Arsenal e logo nos primeiros 3 minutos, a formação italiana teve 3 cantos a seu favor. Depois de um bom cruzamento de Suso, é por pouco que Bonaventura não consegue o desvio para o primeiro golo do encontro. 

  A resposta do Arsenal não tardou e logo aos 8 minutos, Mkhitaryan recebe a bola depois de Jack Wilshere fazer "um túnel" a Biglia. O remate do arménio contratado ao Manchester United saiu a rasar a barra e estava dado o primeiro sinal de perigo dos ingleses. 

  Imediatamente no minuto a seguir, Chambers faz um mau alívio e a bola acabou por sobrar para Bonaventura que isolou Cutrone na área dos gunners. Apesar de estar livre de marcação, o ponta de lança italiano atirou ao lado da baliza de Ospina. 

  O jogo decorria a um ritmo intenso com várias disputas de bola a meio campo e com ambas as equipas a procurarem chegar com perigo à baliza adversária. Mas foi mesmo o Arsenal a inaugurar o marcador depois de uma perda de bola infantil de Calabria. Assim que a bola chegou aos pés de Ozil, este fez um excelente passe picado para Mkhitaryan que recebeu no peito com classe e depois de tirar o lateral direito do Milan do lance, rematou com estrondo para o fundo da baliza de Donnarumma. Estava feito o primeiro golo da partida.

  A equipa italiana procurou responder ao golo sofrido, mas a pressão alta do Arsenal sobre o primeiro transportador da bola do Milan condicionava as aspirações dos da casa em se aproximarem da baliza de Ospina. Os gunners utilizavam Welbeck como primeiro homem a pressionar a saída de bola dos centrais do Milan e Wilshere ia somando recuperações de bola e cortes importantes lançando depois Ozil ou Welbeck na frente de ataque. 

  Depois da equipa inglesa ter somado mais dois bons remates aos quais o jovem guarda-redes do Milan se opôs com classe, no segundo minuto de compensação da primeira parte, a formação de Wenger lançou um contra-ataque venenoso em direção da baliza dos italianos. Welbeck recuperou a bola depois do meio campo e tirou um adversário do caminho, fazendo um passe longo para o autor do primeiro golo do Arsenal. Mkhitaryan desta vez rematou em jeito e a bola acabou por sair depois de tocar na trave

  Quando já se pensava que o jogo ia para o descanso com um golo de vantagem da equipa londrina, eis que no último minuto dos quatro adicionais, o Arsenal deu um passo importante na eliminatória. Ozil recebeu a bola à vontade na entrada da área dos rossoneri e fez um passe perfeito para Ramsey que ficou na cara de Donnarumma. O internacional galês tirou o guardião italiano do caminho com uma finta fácil e ampliou a vantagem dos gunners antes do apito para o intervalo. 

  O Arsenal foi para os balneários depois de ter realizado uma primeira parte de categoria com muita organização defensiva e qualidade no último terço do terreno, conseguindo assim uma vantagem importante de 2 golos fora

  A segunda parte começou como acabou a primeira. Mais um erro na saída do Milan e a bola acabou por sobrar para Welbeck que se viu impedido de finalizar depois de uma boa saída de Donnarumma, evitando assim o terceiro dos gunners.

  A formação italiana teve nos pés de Bonaventura a melhor oportunidade do jogo, que com um verdadeiro penalty em andamento, atirou muito por cima da baliza à guarda de Ospina. 

  O Milan foi tendo mais bola com o Arsenal sempre a tentar lançar Welbeck no ataque para aproveitar o adiantamento da defesa dos italianos. Aos 62 minutos, o técnico da formação da casa decide mudar o esquema tático e lançou Kalinic na frente de ataque, passando assim a jogar num 4-4-2, com o avançado croata a jogar lado a lado com Cutrone. 

  Aos 68 minutos, o lateral esquerdo da turma italiana, Ricardo Rodríguezrematou de primeira à entrada da área depois de um alívio da defesa londrina na sequência de um canto, com a bola a sair ao lado. Em seguida, Gattuso lançou o português André Silva para a saída de Cutrone. O jovem português juntou-se a Kalinic na frente de ataque, com este a ficar mais fixo entre os centrais e André Silva a ser responsável por vir buscar jogo mais atrás.

  No minuto 78, o recém-entrado Borini lançou na frente com um bom passe o jovem Kessié que quando se preparava para visar a baliza londrina, surgiu Koscielny com um grande corte e matou ali a jogada de perigo. 

  André Silva, aos 82 minutos, recebeu a bola de costas para a baliza e fez um excelente passe para o colega de posição Kalinic que só não ficou isolado porque Ospina saiu atento da baliza e aliviou a bola para longe.

  Wenger decidiu fechar os caminhos para a sua baliza e acabou mesmo o jogo com 5 defesas depois da entrada de Niles e Elneny, o que acabou por impedir qualquer outro lance de perigo para a formação italiana e o jogo chegou ao fim sem que se registasse mais algum lance de perigo iminente. 

  Os gunners conseguiram assim uma vitória importante que os coloca numa excelente posição para passar à fase seguinte da competição. A equipa da casa viveu um fim de tarde muito desinspirado e foi pouco esclarecida na frente de ataque, ao contrário do Arsenal que foi mortífero em frente à baliza dos rossoneri, levando para Londres uma vantagem de dois golos.