Serviços mínimos

No regresso ao campeonato, o Sporting bateu o Boavista por 1-0, numa partida na qual se notou bastante o desgaste da equipa de Jorge Jesus. Já passou a "tempestade".

Serviços mínimos
Bas Dost resolveu o jogo com o Boavista. GettyImages

Carimbado o passaporte para o Jamor, cabia ao Sporting dar seguimento à boa sequência de resultados na Liga NOS. E foi o que aconteceu na noite deste domingo. Em Alvalade, num encontro válido pela 31ª jornada do campeonato português, o leão recebeu o Boavista e venceu por 1-0. O golo solitário de Bas Dost, da marca da grande penalidade, aos 26 minutos de jogo, revelou-se suficiente para a turma verde e branca somar mais três pontos e continuar, assim, a sonhar com o título nacional.

Diante dos 'axadrezados' a equipa de Jorge Jesus sentiu, como já não acontecia há algumas partidas, bastantes dificuldades para impor o seu futebol. Nos primeiros minutos do encontro, de resto, o conjunto orientado por Jorge Simão estava a conseguir sair com alguma facilidade para o ataque em velocidade - Rochinha, Mateus e Renato Santos estavam a ameaçar causar problemas pelos flancos.

A verdade, contudo, é que o Boavista não conseguia rematar à baliza de Rui Patrício. Esse foi, aliás, o grande problema do emblema nortenho nesta deslocação a Lisboa.

Depois do golo de Bas Dost, o Boavista perdeu grande parte do seu ímpeto, e o Sporting aproveitar para ir criando perigo.

Direita vertiginosa, mas inconsequente

Gelson Martins e Stefan Ristovski eram os atletas mais ativos na equipa leonina. Velozes, os donos da ala direita do Sporting foram, juntamente com Bruno Fernandes, os protagonistas do ataque verde e branco, com várias arrancadas pelo corredor, mas nem sempre decidiram bem.

Se o extremo não estava a conseguir soltar a bola no momento certo, o lateral, além de nem sempre acertar o último passe, cometeu alguns erros no plano defensivo, que foi corrigindo com o avançar dos minutos.

Ainda assim, foi dos pés de Gelson que saiu a grande oportunidade do primeiro tempo. Após ganhar metros no corredor central - as investidas pelo meio já começam a ser uma imagem de marca do camisola 77 -, o avançado do Sporting disparou, com força e de forma colocada, mas o guarda-redes Vagner realizou uma excelente intervenção para evitar o golo.

E o 'filme' voltou a repetir-se nos primeiros minutos da segunda parte: Gelson ficou com a bola na quina da área do Boavista, disparou cruzado, e o guardião brasileiro defendeu, e em grande estilo.

Da solidez...

Entretanto, o Sporting havia regressado ao terreno de jogo, para o início da segunda parte, com uma alteração na constituição da sua equipa: a contas com problemas físicos, Jérémy Mathieu foi substituído por Radosav Petrovic, que tem vindo a ganhar minutos de leão ao peito nos últimos jogos.

O médio sérvio, que teve de jogar adaptado a defesa central, uma posição que conhece bastante bem, revelou-se fulcral para a estratégia de Jesus, já que conseguiu estancar as investidas 'axadrezadas' pelo corredor central com eficácia. Na hora de sair a jogar com a bola controlada, Petrovic foi também uma adição muito útil à equipa, que ganhava um jogador com qualidade na posse nos últimos metros do terreno de jogo.

... à indolência

Mas foi sol de pouca dura. Pouco depois de estar cumprida a hora de jogo, o cansaço começou a apoderar-se dos atletas do Sporting, que, nas últimas semanas, tiveram um calendário verdadeiramente sufocante em termos competitivos. Jesus já tinha visado: o Sporting podia pagar caro. 

Novamente utilizado no meio-campo, e ao lado de Rodrigo Battaglia, Bryan Ruiz era, em conjunto com o argentino, quem ia buscar a bola aos centrais, para ser ele a construir o jogo do Sporting. Mas a sua quebra física na segunda parte fez-se notar, e o Boavista aproveitou para voltar a revelar-se uma equipa atrevida na hora de sair para o ataque.

O problema era, novamente, a finalização. Apesar de tudo, a turma 'axadrezada' não conseguia entrar na área do Sporting, e praticamente não criou perigo a Patrício, que viveu uma noite relativamente tranquila.

O Boavista não foi mesmo capaz de reagir ao golo sofrido, e o Sporting acabou por lograr, sobretudo, e antes que uma boa exibição, um resultado positivo nesta receção aos pupilos de Jorge Simão.

No caminho certo

Com mais esta vitória, o Sporting voltou ao terceiro lugar isolado da Liga NOS, agora que soma 74 pontos na competição, mais três que o Sporting de Braga. Diante do Boavista, os verde e brancos registaram o seu quinto triunfo consecutivo, o terceiro no campeonato.

Agora, ficam a faltar três jornadas até ao desfecho da liga, e a final da Taça de Portugal. Felizmente para os leões, o calendário já não prevê mais jogos a meio da semana. Já passou a "tempestade", como disse Jorge Jesus na conferência de imprensa de antevisão deste duelo...