Sporting diz adeus à Europa: Leão lutou, mas cai aos pés do Bayer Leverkusen

Na segunda mão do 16 avos de final da Liga Europa o Sporting perdeu 3-1 frente ao  Bayer Leverkusen, e despede-se assim das competições europeias em 2015/2016.

Sporting diz adeus à Europa: Leão lutou, mas cai aos pés do Bayer Leverkusen
Foto: Facebook do Sporting Clube de Portugal

Depois do desaire em Alvalade por 0-1, os leões voltaram a perder na Alemanha por 3-1 e será o Leverkusen a marcar presença nos oitavos de final da Liga Europa. Belarabi voltou a ser o terror para a  defesa leonina, mas João Mário ainda pintou as redes alemãs com verde esperança. No segundo tempo, o  Bayer puxou dos galões e acaba por se apurar justamente com o Sporting a dizer adeus à  Europa. Resta agora aos comandados de Jesus lutar pelo campeonato português.

Primeira Parte: João Mário contra a monotonia

Sem Adrien por lesão, os verde e brancos lutaram pela passagem aos oitavos de final da Liga Europa. Em solo Alemão, o Sporting entrou em campo com a dura missão de eliminar o poderoso Bayer Leverkusen. Em desvantagem no marcador, o técnico Jorge Jesus não abdicou da rotatividade e lançou no terreno de jogo Naldo, Aquilani, Bruno César e Mané. Com  Bryan Ruiz e Slimani no banco, o leão não deixou de ambicionar a vitória e foi sem medo que os comandados de Jesus iniciaram o duelo diante o Leverkusen. Às 18h foram os alemães a dar o primeiro toque no esférico, e foi evidente a tentativa do Bayer em controlar a posse de bola. No primeiro minuto, grande emoção de parte a parte com Papadopolos a assustar Patrício na sequência de um canto. Na resposta, Mané disparou ao lado depois de um passe de Bruno César.

O leão apresentou-se taticamente num 4-3-3, mas a posição de Mané vai alternando com um falso 4-4-2. O ambiente nas bancadas impulsionaram o Bayer e foi novamente de livre que ficou perto do golo, com um cabeceamento da estrela Chicharito. Aos poucos, o Sporting foi equilibrando a luta a meio-campo, mas a qualidade ofensiva dos alemães fez Chicharito falhar a emenda por pouco. Aos 15 minutos, Aquilani bateu um livre e na sequência foi evidente a lacuna de não ter Slimani na área. Neste período o Sporting tentou impedir a construção do Bayer e partir para contra-ataques, aproveitando a velocidade de Mané. 

Foto: Facebook do Sporting Clube de Portugal
Foto: Facebook do Sporting Clube de Portugal

Em 20 minutos na Alemanha, os germânicos dominaram, mas a atitude leonina não deixou de ser positiva. Numa belíssima incursão, Bruno César ganhou espaço e rematou para defesa apertada do guardião do Bayer. Ao minuto 29, balde de água fria para os leões, com Belarabi a bater Patrício pela primeira vez. Num lance veloz de contra golpe, o Sporting foi apanhado desprevenido e foi fácil para o Bayer abrir o marcador. Na resposta, Téo não aproveitou uma oportunidade clara, deixando Jorge Jesus ainda mais furioso. Aos 36 minutos, Bruno César protagonizou um passe formidável para Mané, mas o luso falhou escandalosamente. No minuto a seguir, João Pereira sobe pelo terreno e encontra Mané, que rematou forte e levou o guardião alemão a defender para a frente, onde apareceu João Mário a empurrar para o empate. Boa resposta leonina ao tento sofrido, que renascia assim a esperança no apuramento. Ainda antes do apito do juiz da partida apitar para o intervalo, fica o registo para uma jogada esteticamente perfeita do leão, com a grande figura João Mário a dar um show. Na conclusão da jogada, faltaram centímetros ao ataque para dar seguimento ao cruzamento de Jefferson. 

Ao descanso, o 1-1 aceita-se plenamente e foram os alemães a controlar os 20 minutos iniciais. A partir daí, o miolo leonino subiu de rendimento com João  Mário a pressionar, lutar e até marcar. O verde esperança renasceu e eram bem audíveis os cânticos dos milhares de leões nas bancadas.

Segunda Parte: Nada a fazer… alemães ganham sempre

Para o segundo tempo, os leões regressaram das cabines com motivação acrescida. Já com o esférico a rolar, o Bayer entrou forte a circular a bola e ganhou um canto nos instantes iniciais da segunda metade. Na sequência, o  Sporting resolveu, mas a pressão germânica começou potente. A tendência do final da primeira parte voltou e os leões equilibraram os duelos a meio-campo. Ao minuto 57, Mané voltou a falhar uma chance de golo eminente, que em alta competição não se deveriam desperdiçar na cara do guarda-redes. 2 minutos depois, lance polémico, com Bendel a agredir Bruno César sem sequer ver cartão amarelo, quanto mais o vermelho. Com queixas de arbitragem, os verde e brancos lançaram Bryan Ruiz em busca da eliminatória. A justiça no futebol é relativa e ao minuto 64 a besta negra Belarabi voltou a marcar, complicando a situação para os homens de Alvalade. 

Foto: Facebook do Sporting Clube de Portugal
Foto: Facebook do Sporting Clube de Portugal

Na luta dos treinadores, o Alemão foi pragmático e reforçou o muro defensivo, acabando por nem se notar as entradas de Bryan Ruiz, Slimani e Gelson. A última incursão do leão na frente foi já nos 20 minutos finais, com Bruno César e Slimani a combinarem com qualidade, valendo o guardião do Bayer a negar o tento. A partir daqui o Sporting não mais voltou a desenhar jogadas de envolvimento  ofensivo. Os felinos acusaram o golo sofrido em demasia e a inteligência alemã a trocar a bola fez o cronómetro passar, desgastando fisicamente um Sporting destruído psicologicamente. Aos 86 minutos, o Bayer aproveitou uma vez mais a passividade de Ewerton com Çalhanoglu a fazer o gosto ao pé, fixando o score no 3-1 a favor dos germânicos. Até final, William foi o rosto do desespero ao rematar de forma disparatada. O Leverkusen ficou perto do quarto por Chicharito, mas Jefferson salvou em cima da linha, evitando a tragédia. 

Os alemães estão apurados para os oitavos de final, tendo aplicado no global das duas eliminatórias um 4-1. A rotatividade do plantel e a exibição medíocre em Alvalade ditaram a eliminação justa do Sporting. Acabou por passar a equipa mais forte, concentrada e equilibrada, mas perante o duelo desta tarde fica o sentimento de revolta principalmente relembrando os falhanços de Mané. O sonho europeu fica por aqui e o verde esperança em chegar à final dá agora lugar a uma via verde total para o caminho do título na Liga NOS. Registo ainda para Rui Patrício, que completou na Alemanha 73 jogos nas provas da UEFA, ultrapassando Polga no topo da lista de jogadores mais utilizados nas competições internacionais.

Futebol Português