Guerreiros do minho vacilam ao cair do pano: Fenerbahçe ganha vantagem mínima

Na primeira mão dos oitavos-de-final da Liga Europa, o Braga foi à Turquia discutir o resultado, mas o Fenerbahçe matou a partida perto do minuto 90, fixando o 'score' em 1-0.

Guerreiros do minho vacilam ao cair do pano: Fenerbahçe ganha vantagem mínima
Foto: Facebook do Fenerbahçe

Em tarde/noite de duelo europeu entre treinadores portugueses, Vítor Pereira superou Paulo Fonseca por uma bola a zero. O SC Braga lutou, criou perigo e defendeu bem, mas foi o Fenerbahçe a sorrir perto do fim com um tiro certeiro de Mehmet Topal. Os lutadores arsenalistas receberão os turcos no Estádio AXA dentro de uma semana, e mantêm bem viva a chama da esperança de ultrapassar este obstáculo e chegar aos quartos-de-final da Liga Europa.

Primeira Parte: Braga dominador, faltou o toque final

O apito inicial do Fenerbahçe x Braga foi aúdivel às 18h e em pleno Estádio  Şükrü Saraçoğlu, onde o ambiente era extraordinariamente arrepiante. Com mais de 45 000 fervorosos turcos nas bancadas, o Braga de Paulo Fonseca cumprimentou Vítor Pereira num duelo de dois estrategas lusos ex-FC Porto. Nos bracarenses, Matheus esteve entre os postes e na frente a surpresa foi a presença de Wilson Eduardo. No Fenerbahçe, Bruno Alves foi o único lusitano no 11, com Nani e Raúl Meireles a iniciarem o encontro bem sentados no banco.

Nas 4 linhas esperava-se um futebol forte e ofensivo do Fenerbahçe, mas para surpresa dos loucos adeptos turcos foram os arsenalistas a assumirem o jogo com ambição, reduzindo o adversário ao ridículo. Na primeira meia hora os guerreiros de Paulo Fonseca abafaram o miolo turco, com foco para Luiz Carlos que equilibrou incrivelmente o jogo bracarense, mantendo a organização na saída da defesa para o ataque exemplarmente. Foram 30 minutos de pura nulidade turca, com um registo medíocre de zero remates da equipa da casa neste período. O Braga foi dono e senhor da posse de bola e nem o ambiente adverso das bancadas intimidou o seguro sistema tático dos pupilos de Paulo Fonseca. Os arsenalistas criaram perigo e registaram 4 remates nesta fase, com relevo para Wilson Eduardo, Hassan e Josué, que ainda assim poderiam ter dado melhor seguimento aos lances colectivos que os lusos criaram. 

Foto: Facebook do SC Braga
Foto: Facebook do SC Braga

Aos 37 minutos, Van Persie resolveu lembrar-se que o objectivo do futebol é marcar golos e ganhou espaço na área bracarense, rematando com perigo, mas ao lado das redes minhotas. O holandês pouco depois tomou-lhe o gosto e voltou a rematar perto do poste. Em período de compensação, o Braga partiu para o contra-ataque, com Rafa e Josué a desenharem um lance que Wilson Edurado não finalizou da melhor forma, rematando fraco em excelente posição para festejar. Ao intervalo fica ainda o apontamento para a lesão de Ricardo Ferreira, um dos melhores defesas do campeonato luso, que obrigou Paulo Fonseca a uma substituição forçada. No futebol jogado o 0-0 é enganador, mas o Braga já devia saber que é de eficácia que o futebol vive e, frente a equipas tão fortes como o Fenerbaçe, os falhanços podem custar caro.

Segunda Parte: Topal matou os guerreiros do minho

No segundo tempo, o Fenerbahçe subiu as linhas e assumiu o controlo do esférico para tentar chegar ao golo. O Braga começou estrategicamente com um bloco mais baixo, e foi de contra-ataque que Vuckcevic partiu como um foguete para a frente, servindo Hassan que rematou com muita intenção, falhando o alvo por pouco ao minuto 50. O domínio territorial não resultou em ocasiões para os turcos festejarem e a segunda parte foi o espelho do rigor tático de Paulo Fonseca. O Braga esteve impecável a defender e foram raras as vezes em que o Fenerbahçe conseguiu transformar a posse de bola em lances claros para bater Matheus. No duelo particular de técnicos das quinas, Vítor Pereira respondeu a meio do segundo tempo, lançando duas cartas portuguesas em jogo: Nani para mexer com o embate e Raúl Meireles para dar critério nos passes de ruptura.

Topal foi o autor do golo da vitória // Foto: AFP/Getty Images
Topal foi o autor do golo da vitória // Foto: AFP/Getty Images

O fulgor nas bancadas continuava infernal, mas o Braga deu provas de ser uma equipa madura e a prova disso mesmo surgiu ao minuto 76: Josué subiu no terreno como uma flecha, fugindo aos defesas turcos até encontrar o espaço necessário para puxar do gatilho e atirar com violência para uma parada astronómica do guardião dos turcos. No futebol a eficácia é letal e foi o Fenerbahçe a mostrar que, em alta competição, não devem falhar chances para fazer o gosto ao pé. A 8 minutos dos 90, o incansável Luiz Carlos foi infeliz a aliviar a bola, oferecendo o esférico a Mehmet Topal que aproveitou para cavalgar pelo meio até rematar potente para o fundo da baliza do Braga. O resultado de 1-0 não mais se alterou e os minhotos retiram deste jogo mais uma lição de eficácia que terão de aplicar na segunda mão dos oitavos-de-final, em Portugal. Para o duelo no AXA dentro de uma semana, Luiz Carlos estará de fora por castigo, mas a ambição de ultrapassar o Fenerbahçe é maior do que qualquer contrariedade.

Futebol Português