Especial VAVEL: o 11 de luxo made in Portugal

Com a época à beira do fim, o mercado de transferências já mexe, mas por vezes os grandes talentos estão mesmo em solo luso: conheça um exemplo de um 11 totalmente lusitano, que poderia perfeitamente competir ao mais alto nível.

Especial VAVEL: o 11 de luxo made in Portugal
Os valores portugueses que brilham na Liga NOS // Imagem: ligaportugal.pt

Rui Patrício, André Almeida, Rúben Semedo, André Pinto, Rafa Soares, Danilo Pereira, Adrien Silva, Renato Sanches, João Mário, Rafa Silva e André Silva. Aqui está um 11 integralmente português, composto por jogadores que têm vindo a deslumbrar a Liga NOS 2015/2016. A prova está aqui: em Portugal existe talento, potencial e competitividade. Este 11 teria toda a qualidade para jogar ao mais alto nível, e com o mercado de verão aqui tão perto fica o aviso VAVEL: o que é nacional é muito bom!

A qualidade fala na lingua de Camões

A Liga NOS 2015/2016 tem sido incrível na emergência de talentos lusos e na afirmação de outros tantos que precisavam de confiança. A VAVEL Portugal leva até si um 11 inicial e um banco de suplentes repletos de talentos que têm brilhado pelos diversos clubes da primeira liga de futebol. Na baliza, o inevitável Rui Patrício, titular do Sporting e da selecção lusa, que tem realizado a sua melhor época de sempre de leão ao peito. Até ao momento já vestiu as luvas verde e brancas por 30 vezes, sendo fundamental para que o emblema de Alvalade seja a defesa menos batida da Liga, com 20 golos sofridos. Tem reflexos apurados, revela segurança nas saídas da baliza e representa uma voz de comando firme para qualquer balneário.

No 11 VAVEL, Rui Patrício é o dono das luvas
No 11 VAVEL, Rui Patrício é o dono das luvas

Na lateral direita, a águia André Almeida aproveitou a lesão de Nélson Semedo e agarrou o lugar com uma garra incrível. Já participou em 22 jogos no campeonato e tem vindo a mostrar que tem toda a qualidade para ser aposta segura para Rui Vitória. André Almeida tem evoluido muito esta época, e no capítulo defensivo tem sido um muro difícil de ultrapassar. O central Rúben Semedo tem sido indiscutível para Jesus, e depois de uma primeira volta em Setúbal voltou ao Sporting. No global, ao serviço dos 2 emblemas, soma já 25 partidas, sendo um jovem defesa muito promissor. Com uma margem de progressão soberba, o leão tem uma robustez que impressiona e um jogo aéreo incrível, faltando apenas maior contenção nas entradas faltosas.

André Almeida evoluiu muito esta época ao serviço do Benfica // Foto: Facebook do SL Benfica
André Almeida evoluiu muito esta época ao serviço do Benfica // Foto: Facebook do SL Benfica

Ao lado de Rúben, o central do Braga, André Pinto, poderia perfeitamente integrar este 11 luso de elite, por se tratar de um defesa que transmite tranquilidade no último reduto e uma inteligência na antecipação acima da média. O luso já leva 18 duelos na Liga e é um dos líderes dos guerreiros do Minho. A fechar o quarteto mais recuado, relevo para o lateral esquerdo Rafa Soares, que veste a camisola da Académica por empréstimo do Porto. O jovem chegou à briosa em Janeiro e desde então foram já 12 os jogos disputados. O lateral tem uma capacidade para balancear jogo por toda a ala esquerda e beneficiando de uma velocidade interessante, sem esquecer também as tarefas defensivas.

No meio campo da equipa VAVEL, Danilo perfila-se como o trinco mais regular do campeonato e, não fosse a irregularidade do emblema portista,  Danilo podia ter explodido ainda mais a gerir o miolo. Aposta consolidada de Fernando Santos, Danilo Pereira tem uma polivalência fantástica que lhe permite alinhar a central e, numa mesma partida, pode jogar também a 6 ou a 8. Tem um porte físico que assusta e é um médio muito evoluído taticamente, sendo sem dúvida o melhor jogador do Porto nesta temporada. A número 8 pivot, Adrien Silva é o capitão do Sporting e tem já 26 jogos nas pernas, tendo feito 8 golos na Liga NOS até agora. No centro do terreno verde e branco Adrien distribui a bola como ninguém, e tem um remate incrível que o faz aproximar-se da frente com regularidade.

Danilo, o imperador do centro do terreno
Danilo, o imperador do centro do terreno

Neste 4-3-3 VAVEL, Renato Sanches surge um pouco à frente de Adrien, a número 10, mas a excelência dos 2 médios permite-lhes variar a posição 8 e 10 com muita facilidade. A jovem águia Renato tem vindo a brilhar também pela extraordinária aptidão para fazer fluir o jogo benfiquista com uma dinâmica que transformou a qualidade do futebol do Benfica. O médio leva 21 presenças na equipa encarnada e neste 11 virtual VAVEL a sua qualidade ofensiva poderia também ser fundamental no passe para o avançado ou na meia distância. No trio de ataque, João Mário surge numa das alas como uma das principais surpresas da Liga NOS. De médio para extremo, João Mário desenvolveu capacidades ofensivas e é hoje um jogador veloz que explora o flanco com objectividade, somando cruzamentos para golo. A sua polivalência permite-lhe fletir para o meio e participar também na finalização.

Na ala esquerda, Rafa Silva é o artista do Braga e impressiona com a sua rapidez e evolução técnica. Na Liga lusa jogou 27 vezes e neste 11 é o jogador que mais pode desiquilibrar os oponentes com lances genias. O extremo do Braga seria um jogador fundamental para servir o avançado André Silva, que surge como um atleta em ascensão no ataque do FC Porto. O jovem dragão tem vindo a pouco e pouco a lutar com Suk e Aboubakar e denota um faro para o golo que permite antever um futuro risonho para o ataque das quinas. Forte a fugir à marcação, André Silva é um jogador muito rápido, e neste 11 desenhado em 4-3-3 juntar Renato, Rafa, João Mário e André Silva significa elaborar uma estratégia ofensiva que torna a tarefa de marcação do adversário muito difícil.

// Foto: Facebook do SC Braga
Rafa, o novo Harry Potter das quinas // Foto: Facebook do SC Braga

Em suma, nestes 11 eleitos é possível encontrar um 11 luso a brilhar na Liga NOS, que poderia certamente lutar pelo título. Em vésperas de terminar a temporada e consequente abertura do mercado, é imperativo rever a forma por vezes ridícula dos clubes em comprar estrangeiros de valor duvidoso. Bruno Paulista, Taarbat e Imbula, por exemplo, representam 3 flops dos 3 grandes, que apenas se resumem numa palavra: fiasco. Em Portugal há qualidade e há potencial jovem para encarar o futuro com ambição de desenvolver uma liga melhor e construir um modelo de jogadores lusitanos que desperte o interesse de grandes emblemas europeus.

Neste 11 VAVEL existe experiência, juventude e rigor técnico-táctico, que pode ainda contar com um banco de suplentes incrível: Mika (Boavista), Nélson Semedo (Benfica), João Pereira (Sporting), Paulo Oliveira (Sporting), William Carvalho (Sporting), Rúben Neves (Porto), Pizzi (Benfica), Gelson Martins (Sporting) e Gonçalo Guedes (Benfica). 11 titulares, 9 suplentes e muitos outros exemplos poderiam integrar esta lista de craques lusitanos que fazem crescer o campeonato luso e fazem Fernando Santos sorrir. É preciso olhar para dentro e acreditar no jogador que fala a língua de Camões, e que tem todo o engenho e a arte para construir obras valorosas. Não é só Cristiano Ronaldo a marcar a diferença, basta acompanhar a Liga NOS jornada após jornada para contemplar a excelência dos atletas portugueses.