Os números do Benfica, campeão 2015/2016

Jorge Jesus, treinador do Sporting, acha que o melhor não ganhou. Mas perante a frieza dos números será que o Benfica mereceu?

Os números do Benfica, campeão 2015/2016
Será que o Benfica é um campeão justo ou não?

Jorge Jesus, sobre o campeão, referiu que o melhor não ganhou. “Nem sempre o melhor ganha. Não ganhou o melhor: o melhor foi o Sporting.” Porém o Benfica realizou uma das melhores ligas da sua história. A equipa de Rui Vitória teve um desempenho superior ao alcançado pelas equipas encarnadas que foram campeãs com Jorge Jesus, em 2010, 2014 e 2015. Isto apesar de todas elas terem atingido mais de 80% de aproveitamento pontual. Curiosamente, só não bate o Benfica de Jesus que não foi campeão em 2012/13 e que conquistou 86% dos pontos possíveis, 1% menos do que o Porto de Vítor Pereira.

Rui Vitória, o obreiro do título.

Um dos grandes segredos do campeonato do Benfica foi o rigor nos encontros com os não-grandes. Perdeu somente cinco pontos perante estes adversários: três em Arouca e dois na Madeira, com o União. Nos últimos 40 anos apenas uma equipa perdeu menos do que cinco pontos perante os pequenos: foi o Porto de André Villas Boas, que na Liga 2010/11 apenas cedeu quatro pontos, correspondentes a dois empates (a um golo em Guimarães e a três em casa com o Paços de Ferreira). Igualmente assinalável é o atual percurso dos encarnados perante os não-grandes em casa: 15 jogos - 15 vitórias. Mantendo aliás uma tendência que vinha da época passada. Assim, nas duas últimas ligas, apesar de o Benfica não ter vencido os outros dois grandes no seu reduto, a verdade é que não perdeu pontos com mais nenhum oponente. E não se fica por aí, nestes encontros apontou um total de 98 golos, a uma média superior a 3 por jogo. Finalmente, neste campeonato, os encarnados sofrerem apenas 13 golos, não consentindo golos em 19 ocasiões. A melhor série do Benfica no campeonato é de 12 triunfos consecutivos (entre a 23ª e 34ª), ultrapassando a sua melhor marca dos últimos 25 anos. Os encarnados passaram a dezena de goleadas, 12 vitórias por três golos ou mais de diferença, mas ficaram a uma do seu registo na liga da época passada. Igualmente de registo é o desempenho defensivo da equipa de Rui Vitória na Liga, 22 golos sofridos em 34 jogos. Conseguindo ainda 17 jogos sem sofrer golos (ou seja, mais de metade dos encontros disputados).

Jonas e Mitroglou marcaram 52 golos.

Em termos individuais Jonas é o mais utilizado do Benfica: totalista da prova com 34 jogos (2850 minutos), algo raro num avançado. A dupla Jonas – Mitroglou, a melhor na Luz desde há muitos anos. Em conjunto têm 52 golos marcados (32 de Jonas e 20 de Mitroglou), ultrapassaram assim a marca da dupla encarnada mais prolífica nos últimos 40 anos da liga portuguesa. A constituída por Nené e Reinaldo, que marcaram 45 golos em 79/80, num campeonato com 30 jogos. 

Futebol Português