Benfica 2015/2016: os três melhores golos

O 35º título nacional do Benfica, assim como a presença dos encarnados na final da Taça CTT e a excelente campanha na Liga dos Campeões, foram carreiras assentes em grandes golos - a VAVEL Portugal escolheu os três melhores.

Benfica 2015/2016: os três melhores golos
Benfica 2015/2016: os 3 melhores golos

A menos de uma semana do final da temporada, com o título nacional conquistado, o terceiro de forma consecutiva - falta apenas disputar-se a final da Taça CTT -  o pecúlio de golos marcados pelo Benfica centra-se em mais de 100 golos marcados no somatório de todas as competições, num total de 116 tentos apontados. Entre uma contagem tão vasta, torna-se fácil escolher os melhores e os que mais cativaram a atenção do público. Passemos a escolher os três mais sensacionais:

Nélson Semedo - Estoril (1ª jornada da Liga NOS)- Curiosamente, um golo apontado numa fase bem distinta da época encarnada, logo na abertura do Campeonato, e que envolveu alguns jogadores que no momento actual não fazem parte dos desenvolvimentos da temporada mas que ainda a meio de Agosto ajudaram a obter três pontos que aos dias de hoje… fazem toda a diferença. De destacar o minuto 81, marcado por uma jogada de envolvimento colectivo.

Nesse momento, dois valores revelados na equipa B encarnada fabricaram um golo de belo efeito - Victor Andrade (que seria cedido por empréstimo ao V. Guimarães em Janeiro) e Nélson Semedo (que se lesionaria com gravidade e perderia em definitivo o lugar para André Almeida), que integraram uma triangulação com Nico Gaitán.

O craque argentino efectuou uma tabela com Andrade com o brasileiro a isolar Semedo com um precioso toque de calcanhar que proporcionou um remate forte e cruzado, ao nível de toda a jogada. Assim se começou a construir o 35.

Nico Gaitán - Moreirense (3ª jornada da Taça CTT) - seria estranho não integrar o 10 encarnado, sempre seguido pelos maiores clubes mundiais nas seis épocas que já leva de águia ao peito, e esta época não será diferente. Neste encontro, a exibição de gala de Nico tornou-se ainda mais especial pelo facto de marcar o seu regresso à competição… e de que maneira com o argentino a ’escolher’ o minuto 20 para um ‘golo maradoniano’.

Ao detalhe: Gaitán, após receber o esférico ligeiramente descaído para o flanco esquerdo, arrancou para uma jogada individual na qual com fintas e movimentos de corpo ultrapassou toda a defesa do Moreirense, incluindo o experientíssimo guarda-redes Nilson, encostando perante uma baliza deserta e homenageando assim o compatriota Diego Maradona com quem partilha a particularidade de também envergar a camisola 10 e ter também representado o Boca Juniors.

Anderson Talisca - Moreirense (3ª jornada da Taça CTT) - Apesar de nesta temporada Talisca não ter marcado por tantas vezes quanto na anterior, o baiano colecciona vários golos de belo efeito. Seria fácil escolher entre o forte remate à entrada da área frente ao Oriental pela Taça CTT, ou o livre exemplarmente cobrado frente ao Bayern de Munique pela Liga dos Campeões ou o colocadísimo livre que confirmou a recente vitória sobre o Marítimo pela Liga NOS.

Todos eles grandes golos e decisivos para a excelente campanha realizada pelo clube encarnado. No entanto, no mesmo jogo em que Gaitán apontou um golo ‘à Maradona’, em Moreira de Cónegos, também Talisca, já na 2ª parte, arrancou um golo de levantar estádios ao atirar com um efeito de remate que já lhe é característico, numa espécie de ‘folha seca’ armada de fora da área e a partir da ala direita que se tornou num remate verdadeiramente indefensável para o guarda-redes contrário.