RX aos convocados: Éder

Continuando a análise aos convocados de Fernando Santos para o Campeonato da Europa, chegamos agora à frente de ataque. O seu nome é Éder, o único ponta-de-lança chamado para o europeu, e com uma relação muito particular com os golos...pelo menos com a camisola das quinas.

RX aos convocados: Éder
RX aos convocados: Éder

Não se pode dizer que Éderzito António Macedo Lopes, mais conhecido no mundo do futebol simplesmente por Éder, seja um dos preferidos dos adeptos portugueses. Muita desta animosidade deriva da pouca produção ofensiva do avançado nos jogos ao serviço da selecção nacional. Num país onde pontas-de-lança de raiz são uma verdadeira raridade, o luso-guineense conta com apenas dois golos em 26 internacionalizações (!)...paupérrimo para o principal (e único) ponta-de-lança da equipa portuguesa.

Uma eterna promessa

Éder destacou-se na cena futebolística portuguesa a partir de 2009/2010, altura em que o avançado jogava na Académica. Mais duas temporadas de razoável rendimento mereceram a primeira chamada à selecção portuguesa em 2012, diante do Gabão. Após os tempos de Pauleta, Nuno Gomes ou Heldér Postiga, em 2012 o "departamento" de pontas-de-lança portugueses resumia-se a Hugo Almeida e, ocasionalmente, Nélson Oliveira. Assim, e perante este cenário, Éder mostrava-se como uma alternativa credível, associando o seu porte físico a uma técnica desenvolvida.

Na época 2012/2013 Éder foi para Braga, finalizando a temporada com 16 golos, a sua melhor marca até ao momento. Contudo, e apesar dos golos marcados com a camisola dos guerreiros, a situação na selecção era bem diferente; Éder era constantemente chamado, mas não mostrava qualquer reflexo da boa forma demonstrada no seu clube. Em nove internacionalizações, apenas um golo marcado. Todavia, tal situação não impediu Éderzito de progredir com a sua carreira. Com efeito, mais dois anos no Minho permitiram ao avançado dar o salto para a Premier League no passado defeso, mais propriamente para o Swansea.

Contudo o avançado parece ter deixado os golos em Braga; em quinze partidas pelo clube galês, Éder não marcou qualquer golo, sendo emprestado em Janeiro aos franceses do Lille. A experiência gaulesa parece ter surtido mais efeito, com seis golos em 14 jogos.

Independentemente dos números, a verdade é que, Éder continua a ter os mesmos atributos que o levaram a um plano de destaque no futebol português. Apesar do seu porte físico, o avançado apresenta mobilidade considerável, mostrando também capacidade de jogar de costas para a baliza no apoio aos colegas. Uma coisa é certa, avançados vivem de golos, e Éder terá necessariamente de melhorar a sua finalização, e controlar a sua ansiedade; é nítida a ansiedade do jogador aquando do remate final, e isso tem interferido em muito com a sua produção ofensiva.