Benfica - primeiro título, primeiras escolhas

A primeira convocatória oficial da temporada representa para o Benfica a primeira oportunidade de dar continuidade a um período de hegemonia no que respeita à conquista de títulos que os seus responsáveis ambicionam ver continuado - a Supertaça.

Benfica - primeiro título, primeiras escolhas
Benfica - primeiro título, primeiras escolhas

O período para testes e avaliações terminou ontem. Pelo menos para Benfica e Sp. Braga, sendo que para os campeões nacionais se associa a responsabilidade inerente ao favoritismo que detêm à partida para o pontapé de saída oficial no primeiro escalão do futebol nacional (já tiveram início a Taça CTT e a Ledman LigaPro).

Até ver, a preparação dos encarnados parece ter sido minuciosa e a própria escolha dos adversários parece ter sido feita de modo a que o grau de dificuldade fosse aumentando até às proximidades desta Supertaça, a primeira oportunidade de conquista de título logo no início da temporada, em Agosto. Como tal, vários sinais positivos, outros nem tanto, foram deixados há precisamente uma semana na deslocação a Lyon, onde o Benfica defrontou um adversário aparentemente ao seu alcance mas também muito eficaz - tudo o que o Braga poderá ser já esta noite.

Como tal, esta deve ser encarada como a primeira grande selecção de qualidade de Rui Vitória relativamente à sua lista de convocados que terá de ter em atenção o potencial apresentado pelo adversário que estreará o seu novo treinador, José Peseiro, que abandonou o FC Porto após ter perdido a Taça de Portugal para o Braga, o que encaminhou os minhotos para… a partida desta noite na qual o experiente treinador português, profundo conhecedor da realidade do futebol nacional, poderá alcançar a sua redenção pessoal.

Hegemonia encarnada

Para levantar o primeiro troféu da época, o que constituiria um pleno nacional para o treinador benfiquista que já conquistou Liga, Taça (ao serviço do Vit. Guimarães) e Taça CTT e busca por uma inédita Supertaça que na temporada passada até escapou ao Benfica ao ter sido derrotado pelo arqui-rival Sporting. Assim, para que não se repita novo insucesso, Rui Vitória optou por escolher 20 nomes entre os quais se destacam muitas e boas opções de ataque, residindo desde já a dúvida quanto à possível entrada de Raúl Jimenez na equipa titular.

Reforçado pelo investimento no seu passe, que se encontra valorizado em cerca de 22 milhões de euros, e capaz de movimentar-se pelas zonas de finalização, o mexicano surge agora como sério candidato à titularidade num tricampeão nacional que com o passar do tempo foi juntando à acutilância ofensiva que já detinha um maior rigor táctico que foi garantindo a conquista de muitos títulos no passado, agora estende-se ao presente com um futuro de domínio ambicionado pelos responsáveis da SAD encarnada.

Para além das muitas possibilidades de escolha muito embora o plantel das águias até esteja limitado com algumas lesões, esta primeira convocatória não permite ainda perceber que se todas as contratações realizadas esta temporada possuem o mesmo valor e impacto no grupo, deixando em aberto a possibilidade de um ou até mais das novas incorporações seguirem o exemplo de jogadores como Bryan Cristante, investimentos que acabaram por não ser opção e que por esse motivo passaram a ser cedidos a outros emblemas.

Isto porque entre todas as contratações do Benfica para esta época apenas Andrija Zivkovic, que ainda não se encontra restabelecido em termos físicos e será por isso a grande ausência desta partida face ao conhecimento público de que esta será uma forte aposta que os encarnados irão levar a cabo, e Branimir Kalaica não surgem neste primeiro leque de escolhas.

Horta em destaque 

No caso do jovem central croata, uma passagem pelo Benfica B não se encontra ainda fora de órbita. De resto, todos poderão ter a sua oportunidade de evitar que as celebrações de um título inédito se repitam pelas ruas de Braga com uma eventual vitória dos Guerreiros que contam não só (ainda) com Rafa mas também com jovens com valor como Ricardo Horta.

No outro lado da barricada, o Benfica apresenta o irmão de Ricardo, o mais jovem André Horta, que surge como possibilidade forte para duas posições no terreno e será por isso mais um candidato forte à titularidade até pelo facto de se constituir um jovem que recentemente ‘apareceu’ na primeira equipa e que vem demonstrando valia para merecer esta primeira oportunidade.

Restará saber se será na posição 8, na qual tem actuado, ou como segundo avançado (parece mais de encontro com as suas características) que Rui Vitória apostará em Horta. E se será mesmo esta noite que se criará a ‘sua’ hora. Certo será que esta noite de Verão em Aveiro vale o primeiro troféu da temporada e ninguém o quererá oferecer de bandeja.