André Carrillo : O renascer das cinzas

Adorado por muitos, odiado por outros tantos, André Carrillo fez o percurso contrário a Jorge Jesus, demorou a perceber a dinâmica de Rui Vitória e na Luz, já são muitos os que falam num renascer das cinzas.

André Carrillo : O renascer das cinzas
André Carrillo : O renascer das cinzas

O peruano está de volta e pelos vistos está mais forte do que nunca. O percurso até aqui não foi fácil, mas a verdade é que André Carrillo chegou à Luz para ficar e tem vindo a surpreender pela positiva. 

Da terra leonina, para o voo pleno 

É inevitável: para falarmos de André Carrillo, temos de falar do Sporting e do percurso que o extremo fez até poder usar a àguia ao peito. 

Chegado a Alvalade na temporada de 2011/2012, Carrillo demorou a impor-se, muito por culpa da existência de Diego Capel. O espanhol era o predilecto dos adeptos, mas foi Leonardo Jardim quem viu no jogador franzino e de jogo rápido a capacidade de integração na equipa. Deu-lhe uma oportunidade e a verdade é que Carrillo nunca mais a deixou escapar. 

Agarrou com unhas e dentes a titularidade que há muito lhe tinham prometido e de mero "corpo presente" no banco de suplentes, passou a peça-chave no estilo de jogo dos leões. 

Depois de Leonardo Jardim, seguiu-se Marco Silva e também este ficou rendido ao estilo de jogo do peruano. Ele era a estrela da equipa e mesmo com Nani na equipa, era para as combinações e para a velocidade que trazia à equipa. 

Carrillo queria mais, queria melhor, contava com 16 golos marcados de leão ao peito e foi aí que a novela começou. De um lado, a direcção de Bruno de Carvalho, que já contava com Jorge Jesus enquanto técnico, do outro, um jogador que, de acordo com a imprensa, gostava de auferir um vencimento maior. 

A novela terminou da forma como todos conhecemos: ainda antes de estar desvinculado contratualmente com os leões, André Carrillo reuniu-se com Luis Filipe Vieira e assinou com o Benfica. 

Pelo meio, contam-se os processos disciplinares, os castigos, as faltas nas convocatórias e toda uma série de bate-bocas entre agentes e representantes. 

A cobra passou a morder 

André Carrillo encontrou no Benfica um ambiente muito diferente daquilo a que estava habituado em Alvalade. A equipa técnica, o treinador e os colegas de trabalho mudaram muito. 

O estilo de jogo também difere muito daquele a que o peruano estava habituado e, para piorar, tinha estado parado por mais de meia temporada. 

André Carrillo fez ginásio, treinou, aperfeiçou e pelos vistos conseguiu voltar mais forte do que era. Em dois jogos, o extremo já conta com um golo marcado e apesar de ter concorrência feroz para o lugar onde se sente como um peixe na àgua, o inicio de temporada pode mesmo vir a ser um bom presságio para o peruano. 

Recorde-se também que André Carrillo já conta com duas Supertaças na carreira, uma no Sporting, outra no Benfica, já esta temporada. Uma coisa é certa: Rui Vitória gosta do peruano e sabe que pode ter no pé direito deste homem uma promessa, a de que o empenho para fazer valer a chegada à Luz está ali, para valer a pena.