Águias empatam diante o Besiktas: Talisca apagou a Luz aos 93'

A fase de grupos da Champions inaugurou-se na noite desta segunda-feira para o Benfica, que recebeu o Besiktas em casa. Numa partida que parecia decidida o futebol demonstrou o porquê de ser tão imprevisível, chegando os 90 minutos ao fim com uma igualdade a 1.

Águias empatam diante o Besiktas: Talisca apagou a Luz aos 93'
O Besiktas celebrou o empate conquistado nos minutos finais // Foto: Facebook do Besiktas

Tudo parecia sorrir ao Benfica, mas as estrelas desalinharam-se no final da partida: na noite em que se inaugurou na Champions, a equipa da Luz recebeu e empatou com o Besiktas, num jogo que parecia ganho pelas águias até ao minuto 93. Cervi adiantou as águias no marcador cedo, mas foi o ex-Benfica Talisca que soube ser eficaz na altura certa e igualar o marcador, consentindo uma igualdade a 1 ao fim de 94 minutos jogados.

O Benfica entrou em campo com baixas significativas que se fizeram sentir: Jardel, de fora, deixou o centro da defesa a cargo de Lindelof e Lisandro Lopez, enquanto que as ausências de Jonas, Mitroglou, Jiménez e Rafa obrigaram Rui Vitória a inventar e adaptar Gonçalo Guedes a ponta de lança. Do lado do Besiktas o destaque foi mesmo para o português Quaresma e o regressado Talisca, com destaque para o último, que voltou àquela que foi a sua casa nos últimos dois anos.

1ª parte: águias no comando das estrelas

A Liga dos Sonhos começou escura para o Benfica, com uma entrada pobre no jogo a deixar o Besiktas em destaque nos 5 minutos iniciais. Quaresma começou desde cedo a marcar livres e os visitantes pareciam ter o controle da partida, até que o Benfica acordou e decidiu controlar as hostes do jogo. Ao minuto 7 registou-se o primeiro ataque coletivo e assertivo das águias, e ficava feito o aviso do golo que se concretizava poucos minutos depois pelos pés de Cervi: tudo começou com um bom passe de André Horta, a aproveitar o espaço, deixando para o artista Salvio. O argentino não conseguiu arranjar o melhor ângulo para rematar e permitiu uma fraca defesa do guardião turco, aparecendo o fantástico Cervi quando viu a oportunidade e finalizando com perícia e rapidez. 

O golo pareceu dar ainda mais ânimo ao Benfica, que procurou superiorizar-se mais e mais nos minutos seguintes. Por volta dos 20 minutos de jogo notava-se um Besiktas com menos fulgor ofensivo, face a um Benfica mais calmo e a criar o seu próprio ritmo de jogo perante um adversário menos intenso e a jogar numa lógica de contra-ataque. Ainda assim os turcos procuraram criar algum perigo, deixando mesmo o Benfica a tremer - destaque para o minuto 30, onde Ederson esteve brilhante a parar um remate de livre de Quaresma. Aos 39' o Benfica respondia com uma boa oportunidade de golo, com o ponta improvisado Guedes a ganhar a desmarcação por um bom passe de Salvio, mas sem conseguir encontrar posição ou força para concretizar. 

Ainda antes do intervalo o Besiktas voltou a parar o coração dos adeptos das águias. Um grande corte de Grimaldo à boca da baliza impediu uma bela hipótese dos turcos de concretizar o empate, e a resposta do Benfica chegou pelos pés de André Horta, que deixou o guardião turco brilhar. No final dos primeiros 45 minutos a vitória era do Benfica, que entrava no descanso com um pé na liderança do grupo. 

2ª parte: quando o céu deixou de ser estrelado

Na segunda metade de jogo o Besiktas assumiu mais as rédias do jogo, beneficiando do recuo estratégico dos pupilos de Rui Vitória. O Benfica entrou  relaxado e demasiado agarrado à magra vantagem que trazia da 1ª parte, o que se expressou essencialmente em poucas oportunidades e incursões ofensivas. Todavia, de referir que as águias tiveram algumas chances para ampliar o marcador, principalmente em incursões rápidas e com contra-ataques velozes, a aproveitar as perdas de bola dos turcos.O lance que fica na retina é, sem sombra de dúvida, o falhanço incrível do jovem Gonçalo Guedes na cara do guarda-redes.

A entrada de Talisca em campo dinamizou o ataque turco, levando a cabo uma alteração táctica que acabou por mudar o sentido de jogo, deixando os últimos 20 minutos entregues a ataques constantes. O guardião Ederson salvou as águias incrivelmente bem, brilhando mais que uma vez, mas os calafrios sofridos nesta fase de jogo resultaram pela excessiva postura defensiva adoptada pelos encarnados. A entrada de Celis e a azarada saída de Fejsa revelaram-se fatais e, quando todos esperavam a vitória benfiquista, Celis cometeu uma infracção em zona proíbida, que Talisca acabaria por aproveitar. O brasileiro emprestado pelas águias cobrou um livre à entrada da área de Ederson e fez explodir a Luz com um golo inesperado perto do fim. O minuto 93 gelou os adeptos benfiquistas que viam a vitória tão perto, mas que tiveram de se contentar com a igualdade a 1.

O empate aceita-se, mas fica o registo para uma 1ª parte equilibrada das jovens águias, mesmo tendo em conta que faltaram 4 potências titulares para Rui Vitória. A experiência turca na segunda parte abanou a táctica encarnada, mas jogar a Champions com atletas tão jovens e sem avançados de raiz valoriza, e muito, o trabalho das águias. O Nápoles venceu na Ucrânia o Dínamo Kiev e é lider do Grupo B, deixando o 2º posto para o Benfica em igualdade com o Besiktas. Nada está perdido, tudo está por decidir e, a 5 jornadas do fim, os benfiquistas mantêm a ambição de vencer o grupo e chegar longe na Liga Milionária.

Futebol Português