Benfica: Deu para celebrar, ganhar e até refrescar

Sem sobressaltos, e com uma impressionante naturalidade, o Benfica levou de vencida o Paços de Ferreira, continuando uma fase visivelmente favorável no Campeonato.

Benfica: Deu para celebrar, ganhar e até refrescar
Gonçalo Guedes abriu o marcador num belo entendimento com Cervi // Foto: Facebook do SL Benfica

O momento é de graça no Estádio da Luz - jogadores, equipa técnica, Direcção e adeptos mostram-se numa perfeita simbiose, que se revela em vitórias sucessivas e prestações de classe naquele que é verdadeiramente o melhor momento da carreira. Com a possibilidade de abrir a jornada com 3 pontos 'à maior' sobre o FC Porto e 5 sobre o Sporting, a oportunidade era soberana, e a fase favorável parecia indiciar muito poucas possibilidades de sucesso para o visitante Paços de Ferreira.

Até começaram atrevidos os pacenses, com várias transições rápidas, mas a partir da primeira dezena de minutos o Benfica, como se esperava, passou a tomar conta do desafio e abriu o marcador à passagem do minuto 26. Franco Cervi descobriu Gonçalo Guedes após excelente tabela, para que o jovem português pudesse irromper pela área e disparar um 'tiro' indefensável para o guarda-redes Rafael Defendi.

Águias não deixaram dúvidas quanto ao resultado com um domínio natural

Assim o Benfica ia abrindo caminho a um presente destinado a Luís Filipe Vieira, que ainda na véspera havia recebido o maior voto de confiança possível por parte dos associados benfiquistas ao tornar-se o candidato único com maior votação na História do clube. Vieira, orgulhoso Presidente encarnado que, há duas temporadas, avisou o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, que voltaria não a este Paços… mas aos Paços do Concelho, para celebrar o tricampeonato - e assim fez. Como recompensa, o grupo oferecia-lhe um merecido 1-0 por altura do descanso.

Para além do 'tributo a Vieira', o Benfica também celebrava os 13 anos de existência do novo Estádio da Luz, mais uma motivação para uma equipa que criava lances de futebol rendilhado com facilidade, tal como aquele que resultaria no 2-0 pelos 64 minutos: centro rasteiro de Eliseu pela esquerda para notável simulação de Kostas Mitroglou (prestação muito interessante apesar de, desta feita, não ter marcado) para um remate de primeira de Toto Salvio à entrada da área, assinando um golo de belo efeito em mais uma excelente exibição individual do argentino.

Salvio marcou e voltou a assinalar uma boa exibição // Foto: Facebook do SL Benfica
Salvio marcou e voltou a assinalar uma boa exibição // Foto: Facebook do SL Benfica

A partir daí, não apenas as águias tinham o triunfo assegurado como ainda se permitiam ao 'luxo' de gerir algumas armas para defrontar na máxima força o Dínamo de Kiev, já na 3ª feira, igualmente na Luz, casa na qual o tricampeão nacional espera repetir o triunfo recentemente alcançado na Ucrânia. 

Facilidade em resolver a contenda permitiu preparar a exigente semana que aí vem

Aliás, o alinhamento titular dos encarnados deixava isso mesmo bem claro: primeiro havia que apostar forte em bater o Paços e apenas depois, se possível, olhar a poupanças físicas para as exigências que esperam a equipa já na semana seguinte.

Todavia, antes de direccionar por completo a sua atenção para o Dínamo, o Benfica ainda tinha o 3-0 'na forja' para fechar o desafio em beleza, e terminou as contas aos 87 através de nova jogada de realce colectivo, que redundou numa tentativa de corte falhada de Filipe Ferreira durante um movimento individual de Pizzi. O português ultrapassou vários adversários e atirou colocado por entre as pernas de Defendi, para assinar o 3-0 com que terminou o desafio.

Futebol Português