Especial recordações VAVEL: Lucho González - El Comandante

Numa semana em que a VAVEL recorda alguns dos craques que passaram pelo futebol português, o nome de Lucho González não podia faltar.

Especial recordações VAVEL: Lucho González - El Comandante
Especial recordações VAVEL: Lucho González - El Comandante

Lucho González chegou ao campeonato português em 2005 para actuar ao serviço do FC Porto. O argentino saía assim pela primeira vez da sua terra natal, onde havia começado a jogar pelo Huracán, emblema onde fez todo o percurso desde as camadas de formação até ao plantel sénior.

Mudou-se depois para o River Plate, onde esteve entre 2002 e 2005 jogando 82 partidas e marcando 17 golos. A aterragem na Invicta aconteceu no verão de 2005, no entanto Lucho já estava «prometido» aos dragões desde 2004.

Por 3,6 milhões de euros os azuis e brancos ficavam com 50% do passe. O médio depressa se assumiu como um dos jogadores fulcrais na equipa, e a sua titularidade nem era posta em causa. Com uma leitura de jogo acima da média, capacidade e qualidade de passe, «El Comandante» tornou-se também num finalizador.

Na primeira época apontou 10 golos em 30 jogos. Na temporada seguinte fez nove golos no campeonato e mais três na Liga dos Campeões, sendo um deles contra os alemães do Hamburgo, considerado um dos melhores da competição.

Em 2008 Lucho González começou a ser cobiçado por vários emblemas europeus, entre os quais ValênciaReal Madrid. No entanto o jogador argentino fez saber que não tinha interesse em sair do FC Porto, e Pinto da Costa acabou com todas as especulações comprando os restantes 50% do passe por 7 milhões de euros.

Só que no ano seguinte os franceses do Marselha fizeram chegar uma proposta de 18 milhões de euros aos azuis e brancos. O acordo por se fazer e Lucho rumou ao sul de França e quando um jogador é bom, consegue sê-lo em qualquer parte do mundo.

Logo na primeira época com a camisola marselhesa, foi o «rei» das assistências da Ligue 1, sendo decisivo na conquista do campeonato e Taça da Liga. Estes troféus fizeram chegar mais 6 milhões de euros aos cofres do FC Porto.

Três anos depois em 2012, as saudades do norte de Portugal falaram mais alto, e Lucho regressava aos dragões. Diz o ditado que não devemos voltar a um local onde já fomos felizes, mas neste caso isso não se aplicou já que o argentino conquistou logo o campeonato nessa época.

Em 2014 rumou ao Qatar para actuar no Al-Rayyan, onde esteve apenas uma temporada, regressando à Argentina e ao River Plate, conquistando a Taça dos Libertadores da América. Quando se pensava que Lucho podia terminar ali a sua carreira, o médio decidiu rumar em 2016 para o Brasil e assinou pelo Atlético Paranaense, onde aos 36 anos continua a jogar e a «espalhar magia».

Ao serviço da selecção argentina o médio leva 44 internacionalizações e sete golos apontados. O ponto alto aconteceu em 2004 com a conquista da medalha de ouro, nos Jogos Olímpicos de Atenas.

No total Lucho González conquistou já 20 títulos na sua carreira, sendo 10 dos quais campeonatos nacionais, seis deles ao serviço do FC Porto, onde também venceu duas Taças de Portugal e três Supertaças. Vestiu a camisola portista em 241 ocasiões, juntando claro as duas passagens pelo clube, tendo marcado 51 golos.