1-0, min 67, Luan
Gil Vicente 1-0 SC Braga: a «semana negra» de Jesualdo
SC Braga não levou a melhor nem contra um Gil Vicente reduzido a 9 jogadores (Foto: ASF)

Gil Vicente 1-0 SC Braga: a «semana negra» de Jesualdo

Depois da eliminação europeia aos pés do Pandurii, o SC Braga caiu com estrondo frente ao Gil Vicente, reduzido a nove jogadores desde o minuto 57. Perdulários na hora de marcar, os bracarenses viram Adriano, guardião gilista, transformar-se em São Adriano, parando todas as tentativas de golo adversárias. Pelo meio, Luan cabeceou para golo e transformou uma semana má numa «semana negra»...

vavel
VAVEL
Gil VicenteEduardo, Tomás Dabó, Nuno André Coelho, Santos, Joãozinho (Rúben Micael, min 67), Mauro, Luis Silva (Salvador Agra, min 73), Luiz Carlos, Rafa Silva, Pardo (Éder, min 61), Edinho
SC BragaAdriano, Halisson, Danielson, Luís Martins, João Vilela, Luan, César Peixoto, Dramani (Brito, min 72), Bruno Moraes (Pecks, min 55), Diogo Viana (Paulinho, min 88)
ÁRBITROVasco Santos (A. F. Porto) Admoestados: Nuno André Coelho (min 24) Danielson (min 35 e 53) Diogo Viana (min 39) Halisson (min 57, vermelho directo) Joãozinho (min 64) Pecks (min 90+3) César Peixoto (min 90+4) Caleb (90+5)
INCIDENCIASJogo da Liga Zon Sagres, 3ª jornada, Estádio Cidade de Barcelos, lotação de 5000 espectadores

Jesualdo Ferreira, o técnico bracarense, caracterizou o mau período do Braga como a «semana negra»: de facto, depois da surpreendente eliminação das competições europeias pela mão dos romenos do Pandurii, o Braga fechou a semana da pior maneira possível – uma derrota para a Liga Zon Sagres, num jogo onde o advérsario passou quarenta minutos com nove jogadores. Depois das expulsões de Danielson e de Halisson, aos 53 minutos e aos 57 minutos, respectivamente, o Braga viu o Gil Vicente adiantar-se no marcador, com um cabeceamento certeiro de Luan, a cruzamento de César Peixoto. O golo solitário de Luan, aos 67 minutos, ditou a derrota incrível de um Braga perdulário e nervoso, e nem as entradas do ponta-de-lança Éder, do rápido Salvador Agra e do criativo Rúben Micael foram capazes de alterar o rumo dos acontecimentos no Estádio Cidade de Barcelos.

«Até às expulsões, o Braga foi forte mas continuámos a falhar golos, como falhámos na Liga Europa e chegámos ao momento em que ninguém acredita que a bola vai entrar», afirmou Jesualdo. Apesar do total domínio do encontro, a equipa do Braga ressentiu-se do jogo de má memória frente ao Pandurii, e, à medida que falhava as oportunidades que construía, via crescer dentro de si uma incerteza e um nervosismo que foram, lentamente, minando a confiança da equipa. Apesar do pendor ofensivo com que terminou o encontro (jogando com Éder descaído para a esquerda, Rafa na direita e Edinho no centro) os guerreiros do Minho encontraram no guarda-redes brasileiro Adriano um obstáculo intransponível que defendeu tudo o que havia para defender – não fosse o guardião do Gil Vicente o melhor jogador da partida.

As expulsões de Danielson (duplo amarelo) e de Halisson (vermelho directo por falta sobre Pardo, que se isolava frente a Adriano) tiveram o condão de encorajar o Gil Vicente ao mesmo tempo que colocaram a nu as fragilidades psicológicas da formação liderada por Jesualdo Ferreira, que encontra na falta de maturidade a explicação para a derrota: «Faltou-nos maturidade, com mais maturidade tínhamos ganho. Fomos penalizados por nossa responsabilidade e falta de eficácia».

Depois do descalabro, a equipa foi recebida em Braga com os apupos de cerca de cem adeptos, descontentes com o mau momento vivido pela equipa. A paragem no campeonato vem na altura certa para os de Braga, que terão um interregno para arrumar as ideias e redefinirem estratégias para atacar uma época que, embora sem competições internacionais, está longe de estar perdida. Com um plantel talentoso à disposição, a pressão é alta, mas avizinha-se uma temporada dura de roer: um desafio à altura da experiência de Jesualdo.

VAVEL Logo