Ver o clássico só depois do trabalho de casa feito

Ver o clássico só depois do trabalho de casa feito

O Benfica joga hoje na Luz a 8ª jornada, frente ao Nacional, que vem de uma derrota desastrosa em Barcelos, para a Taça de Portugal; os encarnados precisam de vencer para encurtar distâncias para os primeiros classificados, FC Porto e Sporting, que irão medir forças no Dragão mal o jogo na Luz termine

vavel
VAVEL

O Benfica volta hoje (27) a jogar em casa depois do dilúvio da passada Quarta-feira, dia em que os encarnados empataram frente ao Olympiakos num jogo da Liga dos Campeões: na 8ª jornada da Liga Zon Sagres o adversário será o Nacional e a vitória será uma imposição irremediável pois, caso o Benfica falhe contra a equipa alvinegra, perderá uma chance preciosa para diminuir a desvantagem face aos rivais Sporting e Porto, que hoje, ao cair da noite, se debatem entre si pela liderança do campeonato. Nas baixas encarnadas constam, ainda, os sérvios Fejsa e Sulejmani, que se encontram em período de recuperação. O seu jovem compatriota, Markovic, está em dúvida para a partida devido a complicações musculares e, neste contexto, afigura-se muito provável a chamada de Ivan Cavaleiro ao lote de convocados, que poderá completar o trio de estreias iniciado no jogo contra o Cinfães, para a Taça de Portugal, e prolongado na passada Quarta de «Champions», onde o rapaz da formação encarnada também foi debutante.

«Uma questão de tempo» afiança Jesus

Na reacção às palavras do técnico leonino Leonardo Jardim, Jorge Jesus reconheceu ontem em conferência de imprensa que Porto e Sporting são, até agora, as melhores equipas da Liga: «Se (...) são as melhores equipas da Liga? Concordo. Pontualmente são» respondeu laconicamente o treinador de 59 anos, que fez questão de descansar as hostes benfiquistas em relação à qualidade exibicional: «Não estamos a jogar como na época passada, mas sabemos que temos valor e é uma questão de tempo para voltarmos às exibições que habituámos os adeptos nestes últimos cinco anos», assegurou o comandante das tropas encarnadas.

Cardozo costuma entrar nos pesadelos do Nacional

É um facto recorrente: Oscar Cardozo tem o hábito quase religoso de aparecer nos sonhos do Nacional, para rapidamente os tornar em pesadelos: dos 12 jogos disputados contra os madeirenses, o paraguaio desembolsou 11 golos. Se isto não se assemelha a um pesadelo para o técnico Manuel Machado, então nada se assemelhará. O gigante guarani será um espectro temível para a defensiva do Nacional e certamente que será uma das apostas mais cotadas para resolver a partida – basta dizer que Cardozo deixou bem cravada a sua marca nas maiores goleadas impostas ao Nacional nos últimos sete anos: 0-3 em 2007 (com 2 golos), 6-1 em 2009 (hat-trick) e 4-1 em Fevereiro de 2012 e 3-0 em Setembro desse mesmo ano (com 2 golos).

Esquecer Santa Maria ao abrigo da Luz

Manuel Machado não tem dúvidas: o Benfica continua a ser «candidato ao título» e, apesar da sua situação nada «brilhante», continuará a ser um oponente de nível elevado que obrigará o Nacional a jogar na ponta dos pés, fiando-se nas suas capacidades e não «naquilo que o Benfica não seja capaz de fazer», ressalva Machado. A equipa da Madeira vem de uma derrota estrondosa contra o tomba-gigantes da Taça, o Santa Maria, e tentará na Luz redimir-se da vergonha passada aquando da eliminação frente à formação de Santa Maria da Feira. Nas contas de Manuel Machado não entraram Zanaidine,  Mateus, Skonik e Edgar Abreu, todos  eles entregues ao departamento médico. No ataque alvinegro deverá pontificar Djaniny, o jovem cabo-verdiano que já pretenceu aos quadros das águias.

Onze provável do Benfica:

Onze provável do Nacional:

VAVEL Logo