Reviravolta leonina "emenda" desaire do Dragão
Capel foi determinante para a vitória leonina. (Foto: maisfutebol.iol.pt)

O Sporting entrou em Alvalade sabendo de antemão que o FC porto tinha perdido dois pontos no Restelo, ante o Belenenses. Talvez por isso moralizados com a notícia, os leões entraram determinados frente ao Marítimo, procurando reverter a derrota do Dragão.

Lenardo Jardim procedeu a algumas alterações no onze leonino e fez entrar Diego capel, Vítor e Eric Dier no relvado de Alvalade, este último em virtude dos problemas físicos sentidos por Maurício ao longo da semana.

No outro lado, Pedro Martins procurou resguardar a sua equipa da presumível avalanche ofensiva dos leões, e numa altura em que os insulares vinham de quatro derrotas consecutivas para a Liga.

Leão entra autoritário

Começou melhor o Sporting com Diego Capel em grande destaque na primeira meia hora de jogo. O espanhol teve uma grande oportunidade logo aos quatro minutos de jogo, cabeceando com grande perigo depois de um cruzamento milimétrico do lateral Cédric, um dos totalistas de Leonardo Jardim. No seu habitual 4x3x3, os leões gozaram da habitual profundidade dos suas alas, hoje mais acutilantes com o regressado Jefferson. O brasileiro foi um dos habituais dinamizadores do jogo leonino na ala esquerda, à qual ofereceu grande dinâmica e velocidade.

O Marítimo, sem conseguir causar grande perigo, foi sempre uma equipa atrevida, procurando jogar em todo o campo. Aos 10 minutos, Theo Weeks isolou-se e deixou para trás Marcos Rojo, mas perante Rui Patricio rematou rasteiro e permitiu a defesa do guardião verde e branco.

Os leões não acusaram a oportunidade dos madeirenses e partiram para cima da equipa de Pedro Martins, criando oportunidades de golo sucessivas. Aos 26 minutos, Fredy Montero teve chance de ouro para inaugurar o marcador, depois de um passe a rasgar de Adrien Silva, mas acabou por rematar ao lado da baliza de Leoni.

Pontaria mais afinada teve o espanhol Diego Capel, que dois minutos depois do falhanço do colega de ataque conseguiu inaugurar o marcador depois de um belo remate à entrada da área, sem hipóteses para o guarda-redes maritimista. O extremo leonino, um dos mais activos no primeiro tempo, juntamente com Vítor, acabou por justificar a aposta de Leonardo Jardim.

Vantagem dura 5 minutos

A verdade é que os homens de Alvalade aguentaram pouco mais de cinco minutos a vantagem no placard, com os insulares a empatarem a partida aos 34 minutos de jogo, na sequência de um livre directo de Ruben Ferreira. Grande golo do lateral-esquerdo português.

Os leões acusaram o golo e revelaram alguma intranquilidade nos minutos seguintes, com o peruano André Carrillo a ser o principal visado pelas bancadas de Alvalade. E apesar de um maior domínio, o Sporting acabaria por sofrer novo revés depois do árbitro Bruno Esteves assinalar uma grande penalidade de Jefferson sobre Sami, aos 44 minutos. O lance, que deixa muitas dúvidas, enfureceu as bancadas de Alvalade, que ainda viram Heldon introduzir o esférico junto da baliza de Rui Patrício e assinar a reviravolta no marcador antes do intervalo. O segundo tempo não chegaria, porém, sem que novo lance polémico atormentasse a arbitragem de Bruno Esteves, depois de os jogadores do Sporting terem ficado a reclamar um golo não validado numa jogada em que Leoni agarra a bola junto à linha de baliza.

 Wilson agita jogo leonino

André Carrilo saiu para os balneários de Alvalade com as orelhas a arder, com os adeptos leoninos a reprovar a atitude do peruano durante a primeira metade. Leonardo Jardim também não gostou e lançou Wilson Eduardo para o segundo tempo, com o extremo português a conseguir mexer com o jogo dos verde e brancos.

O Sporting entrou decidido a operar uma reviravolta no marcador e empurrou o Marítimo para a sua pequena área desde o primeiro minuto do segundo tempo. Nos primeiros vinte minutos, Fredy Montero teve três oportunidades soberanas para marcar, mas o artilheiro do campeonato português não revelaria o acerto, nestes lances, do evidenciado ao longo da prova.

Apesar do massacre leonino, o Sporting não chegava ao golo. Leonardo Jardim decidiu arriscar tudo e fez entrar Islam Slimani para o lugar de Vítor, aos 62 minutos, lançando mais um homem para o ataque e abdicando de um jogador na zona intermediária. A aposta revelou-se certeira já que os leões acabariam por empatar a contenda cinco minutos depois da alteração, com o argelino, acabado de entrar, a cabecear para dentro da baliza de Leoni, fazendo um golo de belo efeito após um cruzamento Diego Capel, novamente protagonista.

Vendaval leonino derruba insulares

Com o Sporting a jogar a um ritmo muito alto, o Marítimo mal conseguia respirar dentro da sua pequena área. As oportunidades sucediam-se e adivinhava-se novo golo dos leões.

Num desses lances, Fredy Montero, livre para cabecear para golo, foi carregado em falta por João Diogo dentro da pequena área e o juíz Bruno Esteves não teve dúvidas em assinalar novo penalty no jogo e dar ordem de expulsão ao defesa maritimista. Chamado a marcar, Adrien Silva não vacilou e assinou com frieza o terceiro golo do Sporting, concretizando a remontada desejada pelas bancadas de Alvalade.

Com o recinto leonino em ebulição, o Marítimo aproveitou para incomodar a defesa do Sporting, conseguindo lances consecutivos de bola parada que ainda chegaram a gerar apreensão nos adeptos verde e brancos.

O certo é que a vitória já não fugiria e daria aos leões três preciosos pontos que os conservam no segundo lugar, em igualdade pontual com o Benfica, e com menos três que o líder FC Porto, que esta jornada deixou-se empatar com o Belenenses. Quanto ao Marítimo, com esta derrota - a quinta consecutiva-, arrisca-se a cair para os lugares de despromoção.

Mérito do triunfo para a atitude de grande intensidade do Sporting no segundo tempo, que soube reagir e fazer pela vida para operar a reviravolta, e sobretudo do técnico Leonardo Jardim, que foi perspicaz ao perceber a falta de presença na área maritimista e corajoso ao fazer três substituições ofensivas. Diego Capel, com um golo e uma assistência, acabou por ser o homem do jogo. 

Declarações dos treinadores

No final do jogo, Leonardo jardim mostrou-se um homem feliz com o resultado e a atitude dos seus jogadores no segundo tempo. "Este jogo demonstra que o futebol é apaixonante. Tivemos diversas emoções num só jogo, diversas formas de jogar. Os primeiros 30 minutos foram do Sporting. Depois, de repente, as transições do Marítimo permitiram-lhes virar o jogo. Alertámos os jogadores ao intervalo, sabiamos que tínhamos 45 minutos para virar o resultado. Com determinação alterámos o jogo. Vencemos de forma justa, apesar de o Marítimo ser uma equipa bem orientada".

Pedro Martins confessou estar satisfeito com o futebol evidenciado pela sua equipa, apesar da derrota, e deixou ainda vários reparos à arbitragem de Bruno Esteves, muito contestado pelas duas equipas. "Fizemos um excelente na primeira parte. A segunda foi mais difícil. O público apoiou e criou dificuldades. Não conseguimos manter a vantagem. No último segundo vi mão na bola do Cédric. Mas o futebol é assim. É o terceiro jogo em que temos expulsões, em jogos equilibrados e isso tira-nos pontos. Temos uma equipa com qualidade, não se coaduna com a posição, mas os jogadores são jovens e isso torna difícil gerir os jogos".

VAVEL Logo